Banner
Andrew Suckling celebra a retomada das operações do Sistema Amapá, sucedendo Anglo e Zamin no estado | CB
Economia

“Esse embarque traz o Amapá de volta à vida”, diz presidente da Cadence

Cleber Barbosa, da Redação

Vacina Amapá – 2 dose

O presidente da Cadence Minerals, Andrew Suckling, anunciou que sua subsidiária DEV Mineração S.A. concluiu o primeiro embarque dos estoques de minério de ferro em Santana (AP). Para o executivo, este embarque inaugural de minério traz o Amapá de volta à vida. “Com o tempo, esperamos que a mina e a infraestrutura desempenhem um papel fundamental para ajudar a regenerar a economia regional, com todos os benefícios de emprego, saúde e educação que trarão a esta parte do Brasil”, disse ele.

Segundo a Cadence, este é o primeiro embarque de aproximadamente 1,39 milhão de toneladas do insumo siderúrgico com 62,12% de conteúdo estocado no terminal desde a falência da Zamin, em 2015. A exportação do minério de ferro foi autorizada pela 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), que em fevereiro cassou decisão cautelar da própria corte suspendendo os embarques a pedido de credores da massa falida.

Leia também:

O atual embarque, de acordo com a Cadence, é destinado a “uma das maiores empresas de recursos naturais globalmente diversificados do mundo e um grande produtor e comerciante de commodities”. A Dev trabalhou com a Indo Sino e a Cadence para iniciar as operações, fretar um navio e realizar um processo de licitação para a carga. O site Notícias de Mineração apurou que minério foi cotado a US$ 167,05 por tonelada, valor do insumo no mercado chinês em 26 de fevereiro.

Embarque

As operações continuam no Brasil para se preparar para o próximo embarque, acrescentou a Cadence em nota.

O presidente da mineradora também fez agradecimentos aos parceiros da jornada no Amapá. “Gostaria mais uma vez de deixar registrados meus sinceros agradecimentos e gratidão pelos esforços incansáveis ​​da administração da Cadence, IndoSino e DEV e assessores para levar o projeto à fruição. Apesar da severa interrupção criada pelo COVID-19, a administração permaneceu focada em entregar o projeto do Amapá conforme planejado, ao mesmo tempo apoiada por um mercado robusto de minério de ferro que continua a justificar a oportunidade. Durante todo o tempo, nossa principal preocupação foi garantir a segurança e o bem-estar de todos os nossos funcionários, e continuamos a maximizar nossos esforços para garantir que os funcionários, acionistas, contratados e suas famílias continuem a permanecer seguros e protegidos nestes tempos desafiadores. ”

Leia também

Já o CEO da Cadence Minerals, Kiran Morzaria, comentou: “O primeiro embarque de minério de ferro do Amapá desde 2015 e os ganhos resultantes representam um marco de enorme significado, tanto para o nosso conselho quanto para a equipe que trabalhou tão duro para trazer o projeto de volta à vida e para o potencial oportunidades e benefícios que trará para a comunidade em geral do Amapá. No que diz respeito aos credores bancários garantidos, acreditamos que todas as partes estão alinhadas para concluir e executar o acordo que verá a Cadence se tornar uma acionista de 20% no Amapá. Estou ansioso para atualizá-los sobre novos desenvolvimentos à medida que avançamos para concluir a fase final da fase 1 de nosso plano de investimento no Amapá”, completou.

Acordo

Ainda segundo apuração do NMB, a primeira parte da receita líquida obtida com a venda do minério, de US$ 2,5 milhões, será usada para pagar pequenos credores e funcionários. Após isto, cerca de US$ 6 milhões serão destinados para iniciar os estudos de recomissionamento do projeto de minério de ferro Amapá. O restante da receita líquida será utilizado “para prover capital de giro às operações e amortização do saldo devedor aos bancos credores”.

Ferrovia

A Cadence Minerals chegou a anunciar que na sequência da aprovação do plano de reestruturação judicial, em 2019, juntamente com os seus parceiros, acordou com o Estado do Amapá o restabelecimento de uma concessão do sistema mina-ferrovia-porto para escoar a produção

O chamado Sistema Amapá pertencia à Anglo American e à Cliffs Natural Resources e consiste em uma mina de minério de ferro em grande escala, planta de beneficiamento, ferrovia e porto privado. Antes de sua venda em 2012, a Anglo American avaliou sua participação de 70% em US $ 462 milhões em seu Relatório Anual de 2012 (100% US $ 600 milhões). O Projeto Amapá é 99,9% detido pela DEV Mineração SA (“DEV”).

Compartilhe:

Deixe Seu Comentário abaixo:

Banner Gif Mobile