Banner
O Navio Patrulha “Bocaina” que estará aberto a visitações do público a partir desta quinta-feira | Foto: Flickr
Amapá

Visitação a navios de guerra nas comemorações pelo Dia do Marinheiro

A Capitania dos Portos do Amapá estará aberta do dia 13 a 16 de dezembro para visitação pública nas suas instalações e nos Navios Patrulha “Bocaina” e Hidroceanográfico Fluvial “Rio Xingu” que estarão atracados no cais desta Capitania. O acesso será feito pelo portão localizado na Av. Lucena de Azevedo, bairro Daniel, Santana-AP,  próximo ao Batalhão Ambiental, com início a partir das 10 horas da manhã e término às 18 horas.

Nos dias 17 a 20 de dezembro, como parte das comemorações ao Dia do Marinheiro, realizará, também, uma ação de prevenção ao escalpelamento e diversos serviços à comunidade, na sede da Associação de Mulheres Ribeirinhas e Vítimas de Escalpelamento da Amazônia (AMRVEA), situado na rua Beira Rio, 452, Perpétuo Socorro e no Igarapé das Mulheres, em Macapá-AP. Entre os atendimentos vão ser ofertadas palestras, cobertura de eixo gratuita, um mutirão para cadastrar embarcações, com arqueações e diversas orientações inerentes à segurança da navegação. Em especial, convidamos as comunidades ribeirinhas e pesqueiras para participarem das palestras educativas e da distribuição limitada de coletes salva-vidas, bem como apresente as embarcações para que seja instalado a cobertura de eixo.

Segurança da navegação

Comandante da Capitania dos Portos do Amapá, capitão César da Silva | Foto: MB

Falando a CleberBarbosa.Net, o comandante da Capitania dos Portos do Amapá, o capitão-de-fragata César da Silva, disse que a data é uma homenagem à Joaquim Marques Lisboa, conhecido como Almirante Tamandaré, Patrono da Marinha, que teve sua exemplar conduta reconhecida pela nação ao ter seu nome inscrito no livro de heróis da pátria. “As suas ações, foram e ainda são exemplos, não apenas para os bons marinheiros, mas para os brasileiros de todos os tempos; relembrá-las é um exercício de patriotismo e inspiração”, disse ele.

Por fim, o militar destacou que além da missão operacional da Marinha do Brasil, organizações militares como a que ele comanda no Amapá, são responsáveis pela segurança da navegação, com o tráfego civil das embarcações, porém sublinha ser essa uma construção coletiva. “Todos devem ajudar a preservar a vida, pois na segurança da navegação todos somos responsáveis”, concluiu o Comandante César.

 

Deixe Seu Comentário abaixo: