Banner
As placas foram inspiradas na campanha de regionalismo da prefeitura durante o aniversário da cidade | Web.
Amapá

Placas de PERA nas ruas tiveram cunho lúdico, mas educativo, diz Prefeitura

Cleber Barbosa, da Redação

GOVE  mobile

O diretor-presidente da Companhia de Trânsito de Macapá (CTMac), André Lima, tratou de minimizar a polêmica em torno das novas sinalizações de trânsito da capital, que adotaram linguagem regional – como foi o tema do aniversário de Macapá – para chamar a atenção dos motoristas. Para ele, as críticas para as placas de “PERA” não passam de excesso de preciosismo.
Em entrevista ao programa LuizMeloEntrevista desta terça-feira (11) na Diário FM (90,9) o diretor disse que a iniciativa lúdica já mostra que conseguiu o objetivo de chamar a atenção dos motoristas e pedestres para a sinalização. “É sinal de que teremos menos acidente de trânsito em nossa cidade a partir de agora”, disse, descontraído, o executivo da empresa.
Indagado se a iniciativa de alguma forma vá de encontro com a legislação vigente, ele falou existir uma situação de regionalismo e que associado à palavra “PERA” ao lado está uma placa “PARE”, para indicar que se trata de uma via preferencial. “Ninguém está dizendo SIGA, ou seja, ninguém está mandando ir em frente, ninguém está colocando isso em árabe ou em mandarim, a gente está colocando a palavra PÉRA que quem lê entende que é o PARE, não existe nenhuma confusão, nenhuma dificuldade com relação a isso”, pondera.

“Lúdico”

O vereador licenciado André Lima, atual diretor-presidente da Companhia de Trânsito de Macapá, a CTMac | Foto: Joelson Palheta/DA

André Lima diz que a atual gestão da Prefeitura de Macapá tem como característica fazer a diferença, usar da criatividade e até da irreverência para deixar mais leves temas do cotidiano de uma capital como é Macapá. “O prefeito Clécio veio para mudar a cara da cidade, então essa iniciativa é algo criativo, algo que a gente possa tratar como humanização, de leveza até em relação a algumas leis que realmente são duras, ninguém está colocando em risco a vida de ninguém, ao contrário”, disse.
Por fim, a direção da CTMac diz que na realidade a ideia surgiu em cidades do vizinho estado do Pará, onde obteve bons resultados e que a ideia foi aplicar as sinalizações temáticas em vias de menor fluxo, para não gerar transtornos ou polêmicas ainda maiores. A aplicação descontraída do regionalismo, da leveza com a lei, já pode ser vista em três pontos da cidade, que são a lateraldo prédio da CTMac e na Rua Minas Gerais nos cruzamentos com as avenidas Silas Salgado e Almirante Barroso
Na próxima quarta-feira, a CTMac celebra um convênio com a Polícia Militar do Amapá, que resultará no aumento do efetivo de fiscalização e organização do trânsito, como também fazer a contenção com relação ao transporte coletivo.

Ex diretor do Detran-AP diz que inovação pode causar punição

O militar da PM/AP João Gomes, ex presidente do Detran/AP na gestão de Camilo Capiberibe | Foto: Reprodução

Sobre essa inovação na sinalização viária de Macapá, o ex-diretor do Detran-AP, João Gomes admite ser “bonitinha” e “engraçada”, atenta para a questão regional do jeito caboclo de falar, mas não pode. “A legislação não permite e até em atenção ao Princípio da Legalidade, deve ser revisto tal ato administrativo”, disse ele em uma postagem em uma rede social. Segundo Gomes existem resoluções do CONTRAN que regulamentam a forma como deve ser feita a sinalização vertical e horizontal das vias do país, algo uniforme, sendo que a observância é obrigatória pelo órgão ou entidade de trânsito com circunscrição sobre a via, no caso em tela, da CTMac. “Está errado e podem ser responsabilizados”, diz.

Compartilhe:

Deixe Seu Comentário abaixo:

Banner Gif Mobile