Banner
Opinião

Notas da coluna ARGUMENTOS, domingo, dia 18 de agosto de 2019

Reviravolta
É o mínimo que se pode dizer a respeito da polêmica envolvendo a morte de um cacique waiãpi no interior do Amapá. Trata-se do resultado preliminar do exame necroscópico, realizado no último dia 02, pós exumação do corpo do indígena Emyra Waiãpi.

GOVE  mobile

Perícia
Apesar das informações iniciais darem conta de invasão de garimpeiros e sugerirem possível confronto com os índios, ocasionando a morte da liderança indígena, o laudo necroscópico não apontou tais circunstâncias.

Corpo
Assinado por dois médicos legistas da POLITEC/AP, o laudo estima que a morte ocorreu entre os dias 21 e 23 de julho último, e não encontrou lesões de origem traumática que pudessem ter ocasionado o óbito.

Afogado
O laudo conclui que o conjunto de sinais apresentados indicam ausência de outras lesões com potencial de causar a morte, sugere fortemente a ocorrência de afogamento como causa da morte de Emyra Waiãpi.

Passos
A PF ainda aguarda o laudo complementar toxicológico, com previsão de ser entregue em 30 dias, que tratará das amostras retiradas dos órgãos internos, encaminhadas ao Laboratório de Toxicologia Forense.

Foguetes

O presidente Jair Bolsonaro manifestou desejo de trazer para o Amapá uma base de lançamento de foguetes e assim dar de ombros para a estremecida relação com o governador do Maranhão, Flávio Dino. A provocação foi devido a dificuldades para aprovar acordo para a utilização da Base de Alcântara, em solo maranhense.

Apoio
O anúncio de Bolsonaro em poder transferir de Alcântara para Macapá a Base Espacial Brasileira tem lá seus simpatizantes. Mais que isso, defensores. Como o ex presidente da Agência Amapá de Desenvolvimento Econômico, Eliezir Viterbino. “Esse projeto é nosso, já apresentamos até à FIESP”, diz.

Viterbino
Textuais: “Temos um estudo sobre o assunto. Na época, articulamos reunião com diretores da poderosa FIESP em São Paulo, tivemos agenda com o Dr José Correia, que nos recebeu muito bem, levei o governador e ele tacitamente confirmou que a proposta não era maluca e sim uma das melhores que tinha visto”.

Números
A base de Kourou emprega em média 3 mil trabalhadores entre engenheiros e técnicos, que recebem em média U$ 20 mil dólares/mês. Uma base no Amapá poderia gerar U$ 60 milhões de dólares a mais na economia só com salários, pagos por países que utilizarem a base.

 

Deixe Seu Comentário abaixo:

Banner Gif Mobile