Banner
O objetivo é reduzir ainda mais a circulação de pessoas pelas ruas | Foto: Arquivo
Amapá

Comitê científico orientou lockdown após aumento de 217% de infectados

O Amapá chegou a marca de 3.630 casos confirmados de covid-19 nesta sexta-feira, 15, e o Comitê Científico de combate ao coronavírus orientou ao Governo do Estado do Amapá, a intensificação das medidas de isolamento social, através de medidas impositivas e restrições mais severas à circulação e aglomeração de pessoas, conhecidas como lockdown.

GOVE  mobile

O parecer pontua que o Amapá é o estado brasileiro com o maior taxa de contaminação por covid-19, com 355,3 a cada 100 mil habitantes. Há ainda 6.235 casos notificados que aguardam resultado dos exames laboratoriais.

Importância do isolamento

O parecer dos técnicos reafirma a importância do isolamento e que é possível afirmar que as medidas adotadas até aqui foram fundamentais para evitar que o quadro não seja pior. Contudo, faz uma ressalva. “Considerando a relação inversamente proporcional da curva de crescimento acentuado dos casos, com a expressiva queda no percentual de isolamento social no Amapá nas últimas semanas, oscilando abaixo de 50%, que para ser efetivo na contenção da propagação acelerada do vírus SARS-CoV-2, o nível de isolamento social precisará atingir patamares acima de 70%”, diz trecho do documento.

Incidência nos bairros de Macapá

O parecer técnico-científico também traçou um mapa dos bairros da capital amapaense mais afetados pela covid-19 até a quinta-feira, 14.

  • O bairro central tem 204 casos confirmados;
  • Buritizal 135;
  • Novo Buritizal 123;
  • Santa Rita 121;
  • Pacoval 95;
  • Congós 77;
  • Novo Horizonte 71;
  • Beirol 68;
  • Universidade 75;
  • Perpétuo Socorro 73.

Pelos motivos colocados e com a iminência do colapso da rede de assistência em saúde estadual, o documento aponta o lockdown como medida a ser adotada pelos agentes públicos. “Nesse contexto, este parecer técnico-científico, aponta para, dentre outras medidas, a necessidade de intensificação e acirramento nas medidas de prevenção coletiva baseadas em isolamento social provisório impositivo, para o impedimento de aglomerações, e ações efetivas que venham desestimular a circulação de pessoas em vias públicas, com a implantação do lockdown”, conclui a recomendação.

Assinam o parecer Dorinaldo Malafaia, superintendente da Vigilância em Saúde Estadual e a doutora em agentes biológicos infecciosos e parasitários, Margarete do Socorro Gomes.

Compartilhe:

Deixe Seu Comentário abaixo:

Banner Gif Mobile