Banner
Opinião

Notas da coluna ARGUMENTOS, sexta-feira, dia 25 de maio de 2018.

Efeito

Macapá já registrava muitas filas de carros em postos de combustíveis desde ontem (24), como reflexo imediato da greve dos caminhoneiros pelo país, que entrava em seu quarto dia de manifestações contra o aumento do preço do óleo diesel.

 

Logística

Mas para representantes do setor de combustíveis, não há – ainda – motivos para temer pela falta de abastecimento, pois a maior parte dos combustíveis do Amapá é de origem mineral e chega ao estado por navio.

 

Mineral

Segundo o empresário Rodrigo Utzig, que já dirigiu o sindicato dos donos de postos, mas hoje atua como porta-voz, somente os combustíveis de origem vegetal é que já sofrem algum tipo de desabastecimento.

 

Composição

Rodrigo explica que os combustíveis que chegam ao Amapá de navio, como a gasolina C, possui em sua composição 73% de gasolina e 27% de álcool anidro, oriundo, claro, da cana-de-açúcar.

 

Demanda

O fato é que o aumento da procura nos postos que se verifica nos últimos dias em Macapá, num consumo acima do normal, pode sim levar a um desabastecimento. Enchendo o tanque e carotes, por exemplo.

 

Paris

Os representantes do Amapá na França, José Renato Ribeiro (DIAGRO), Iraçu Colares (FAEAP) e Jesus Pontes (ACRIAP), exibem como um troféu o certificado expedido pela OIE, a Organização Mundial de Saúde Animal que confere ao país um novo status sanitário para seu rebanho. Feito histórico que merece ser muito comemorado.

 

Oficial

A delegação do Amapá que foi a Paris pode agora finalmente comemorar que o Brasil está reconhecido como livre da febre aftosa com vacinação de seu rebanho. A certificação foi entregue ao ministro Blairo Maggi (Agricultura), na 86ª reunião da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

 

Mercado

Essa nova condição, agora está sendo estendida a todos estados, além de Santa Catarina considerada livre sem vacinação, foi comemorada pelo ministro que destacou esforços do governo e da inciativa privada e perspectiva de ampliação de mercados para as carnes bovina e suína. Mais competitividade ao país, claro.

 

Passos

Os representantes do Amapá na França, José Renato Ribeiro (DIAGRO), Iraçu Colares (FAEAP) e Jesus Pontes (ACRIAP), se mostraram orgulhosos com o feito histórico e ratificam que a responsabilidade agora só aumenta. “O nosso desafio agora é manter essa certificação e galgar uma nova”, diz.

 

Deixe Seu Comentário abaixo: