Banner
O ex governador do Território Federal do Amapá, Jorge Nova da Costa, 93, e sua esposa Yeda (1937-2019)
Política

Morre em Brasília a ex-primeira-dama do Amapá, Yeda Nova da Costa

Cleber Barbosa, da Redação

Estácio mobile

Faleceu nesta quinta-feira (31), em Brasília, a ex primeira-dama do Amapá, Dona Yeda Nova da Costa, aos 91 anos de idade. Ela estava em casa, na Asa Sul de Brasília, onde morava com o marido, o ex governador Jorge Nova da Costa. Ele foi o penúltimo governador nomeado do então Território Federal, no governo de José Sarney, tendo sido sucedido por Gilton Garcia – já na gestão de Fernando Collor de Melo.

Dona Yeda vinha há mais de um ano em tratamentos ortopédicos, o que lhe tirava a parte da mobilidade. Yeda também foi superintendente da extinta Legião Brasileira de Assistência (LBA) em Macapá, período marcado por muitos projetos de responsabilidade social. O velório acontecerá ainda hoje no cemitério Campo da Esperança em Brasília, e o sepultamento será pela manhã desta sexta-feira.

Comoção 

O casal Yeda e Jorge Nova da Costa, na residência deles em Brasília | Foto: Arquivo

A repercussão da morte da ex primeira-dama foi imediata no Amapá e em Brasília. O ex presidente José Sarney emitiu nota falando que lamentava profundamente o falecimento de Dona Yedda, a quem nutria uma grande amizade, pessoal e familiar. O governador do Amapá, Waldez Góes, também se solidarizou com a família Nova da Costa, por meio de nota e telefonema para Brasília.

“Traz farinha”

Falando ao Portal CB, o filho do casal Jorge e Yeda, o economista Paulo Nova da Costa, disse que Dona Yeda visitou Macapá pela última vez em 2017, mas como ele reside na cidade sempre que viajava a Brasília recebia dela um pedido em especial: comprar farinha. Emocionado, Paulo Nova esforçou-se para relembrar o reiterado pedido da mãe: – Ela só dizia “traz farinha”… [e depois chora]

O jornalista Paulo Silva, que pertencia aos quadros do Território Federal à época, lembra que Dona Yeda apesar do protocolo oficial, mostrava ser uma esposa dedicada e zelosa. “Ela podia estar cumprindo a agenda que fosse, mas no fim da tarde largava tudo e ia para a Residência Oficial cuidar pessoalmente do jantar do marido; lembro bem disso e os colegas da época sempre comentavam o quanto ela se esmerava nos afazeres domésticos”, disse o comunicador.

O então governador Jorge Nova com o presidente José Sarney

 

Deixe Seu Comentário abaixo: