Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura, política e empreendedorismo.


quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

TURISMO | Grosseria, tensão e muita confusão na saída das férias no Porto do Grego

N/M Ana Beatriz IV pouco antes de zarpar do Porto do Grego, em Santana | Foto: Bruce Barbosa
Cleber Barbosa
Da Redação

O que era para ser o início de uma viagem de férias começou com frustração, estresse e lágrimas, no Porto do Grego, em Santana. É que com um mês de antecedência, quatro famílias adquiriram as passagens e pagaram o frete de seus automóveis, para seguir viagem a partir de Belém via estrada, para diversas capitais e cidades do interior do Nordeste. Mas aconteceu uma venda de passagens acima do esperado e não houve mais espaço para embarcar os carros, gerando muita confusão ontem (3) no cais do Porto do Grego, em Santana.
O navio em questão é o BM Ana Beatriz IV, da ENASAL (Empresa de Navegação Santana Ltda), que faz a rota entre o Amapá e o Pará, por meio da Estação das Docas, em Belém. O gerente da empresa, identificado como Miranda, foi quem protagonizou os piores momentos durante a confusão – em que pese o navio ser considerado o maior e mais seguro na rota. O problema foi como ele administrou a crise, reagindo com rispidez no diálogo com passageiros e familiares.
Diante dos questionamentos da dona de casa Nazaré Carvalho, 46, preocupada com sua mãe idosa que viajava no navio, ouviu do gerente a seguinte declaração: “Se não está satisfeita não viaje mais em nossa empresa, existem outras muito melhores”, o que gerou ainda mais indignação em quem assistia ao diálogo. Nazaré se disse surpresa, perplexa mesmo. “Achei o gerente despreparado para lidar com o a gente, que é consumidor, ele deveria passar por um curso de relações públicas”, disse ela.
 
A sequência de fotos da confusão: donos de carros irritados, a apreensão dos passageiros e fiscais da Marinha
Compensações
Os passageiros que não conseguiram embarcar seus carros no navio tiveram a promessa de ter os veículos embarcados em balsas e que teriam os custos com hotel em Belém reembolsados pela empresa. “O problema é que nossa viagem vai sofrer um atraso muito grande, pois a balsa chega dois dias depois do que a gente havia planejado há mais de um mês”, disse um dos passageiros que viajaria para a Paraíba.
Apesar do alerta da Marinha, gerente acaba mandando passageiros em uma voadeira abordar o navio em plena viagem
Riscos
Diante dos transtornos e incertezas sobre seguir ou não viagem, os proprietários do veículos acabaram não embarcando, causando comoção diante do choro de filhos menores pela brusca separação dos pais. É que precisaram retirar bagagens e objetos pessoais dos carros e o navio acabou zarpando sem eles, que precisaram ser levados a bordo em uma voadeira. Mas o embarque com o navio em movimento é uma operação irregular. Um fiscal da Capitania dos Portos repreendeu o gerente da empresa, afirmando que se o fizesse seria por sua conta e risco e que diante de qualquer incidente seria responsabilizado criminalmente. Depois, por telefone, passageiros confirmaram, que os motoristas foram, de fato, embarcados no meio da baía, com o BM Ana Beatriz IV singrando o Amazonas, com cerca de uma hora de atraso.

Outro lado

O gerente da Enasal, falou à reportagem, explicando que houve, de fato, uma falha no planejamento, com a venda de passagens acima do programado. O navio tem uma capacidade máxima de 700 lugares, segundo ele, e deixou Santana ontem com cerca de 400 passageiros, sem espaço no porão para os quatro veículos que tinham tido o frete antecipadamente pago. Ele prometeu providências.
A reportagem apurou que felizmente a viagem até Belém seguiu sem maiores transtornos, chegando à capital paraense por volta das 10 horas da manhã desta quinta-feira.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua conosco!

PUBLICIDADE