Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura, política e empreendedorismo.


domingo, 5 de novembro de 2017

OPINIÃO | Artigo semanal do ex presidente da República José Sarney


Reforma ou revolução?

Esse é um dilema que desapareceu, mas continua tema para muita controvérsia. Aqui no Brasil, ele é antigo e soou como um grito de protesto quando o conselheiro Nabuco de Araújo, pai de Joaquim Nabuco, no século 19, lançou em discurso famoso o dilema: "Reforma ou revolução?", para enfrentar a encruzilhada em que o país estava.
A reforma era o antídoto contra a revolução que se julgava inevitável desde que um sistema político entrava em colapso. Hoje, a palavra que dominou o pensamento político de mais de um século está sepultada. Entrou para o rol dos arcaísmos. No mundo moderno, os sistemas desmoronam pelas suas contradições, e não pelo uso da força. O comunismo, que tanto pregou a revolução, não foi vítima dela, ao contrário do que diziam muitos profetas, mas de si mesmo.
Mas a palavra reforma não teve o mesmo destino. Continuou a circular e foi a única sobrevivente do sistema comunista. Lênin dizia que foi o primeiro grande ataque da burguesia contra o proletariado a formulação revisionista de Eduard Bernstein (1850-1932), que afirmava ter Marx e Engels uma visão unilateral da história econômica. Bernstein propunha que fosse descartada a ideia da revolução, na busca de um socialismo que promovesse, gradualmente, a democracia e a elevação material do proletariado. Essas ideias foram os fundamentos da social-democracia alemã, basicamente revisionista.
Por outro lado, o capitalismo, na mesma direção, apontou para a necessidade de promover mudanças em suas concepções na busca de torná-lo menos egoísta e poder enfrentar as teses comunistas. O caminho? As reformas. Daí surgiu o que, hoje, se chama de neoliberalismo, cujas idéias podemos dizer que foram sistematizadas, no pensamento europeu, nos tempos modernos, por Raymond Aron, entre outros.
Assim, por caminhos diferentes e pela marcha do próprio tempo, revisionismo marxista e reformismo capitalista encontraram-se como uma coisa só. O objetivo é viabilizar o sistema que a globalização tornou único, ou seja, da economia de mercado e democracia liberal. A social-democracia e o neoliberalismo passaram a ter os mesmos objetivos: destruir o Estado do bem-estar social, inimigo do Estado-patrão e assegurar a livre circulação do capital, sem fronteiras, como exige o processo de abertura de mercados e a globalização.
Mas "nem tudo que reluz é ouro". Essas formulações perfeitas são incapazes de superar suas próprias contradições. A crise da Ásia pode não ser uma crise da Ásia, mas uma crise profunda do capitalismo e de seus dogmas. Pode apontar para uma época de contração, de deflação, de recessão, imprimindo velocidade àquilo que hoje é a grande ameaça à humanidade: o homem sem emprego, as nações sem identidade e um superestado mundial financeiro governando um mundo que é injusto e desumano.
Não é por outro motivo que o papa João Paulo 2º assumiu a missão de denunciar os dois sistemas e seus derivados, pedindo uma ordem mundial mais próxima de Deus e da felicidade do homem.
José Sarney, é advogado, jornalista e ex presidente do Brasil e senador da República

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua conosco!

PUBLICIDADE