Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura, política e empreendedorismo.


sábado, 21 de outubro de 2017

COMÉRCIO | Waldez destaca importância de empreendedores para economia do estado

Texto: Lilian Guimarães | Foto: André Rodrigues/Secom

O governador Waldez Góes destacou os incentivos governamentais que tem implementado para o desenvolvimento do comércio local durante o lançamento do livro que conta a origem da iniciativa privada amapaense. O evento ocorreu na noite desta quinta-feira, 19, na Sede dos Magistrados, em Macapá.

O livro “Comércio do Amapá – A história” é uma publicação do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac-AP. É a primeira obra literária divulgada no Estado sobre o surgimento do comércio amapaense. O lançamento fez parte do Fórum de Presidentes e Superintendentes de Fecomércio e Diretores do Sesc e Senac, que ocorre na capital do Amapá, de 18 a 20 deste mês.

Waldez Góes, que fez o discurso de encerramento do evento, enfatizou que o livro é um marco histórico no Estado porque, além de ser uma nova fonte de pesquisa, evidencia a importância econômica do setor comerciário para o Amapá. Góes destacou os mecanismos criados na sua gestão para incentivar o setor e estimular a geração de emprego e renda oriunda do comércio.

Entre várias medidas ele destacou o Programa de Recuperação Fiscal (Refis). Em 2016, o governo editou facilitou o pagamento do ICMS. Desde então, a iniciativa privada pôde liquidar dívidas em até 60 vezes. Na edição de 2015 do Refis, as empresas conseguiram negociar R$ 42 milhões em débitos. Góes anunciou que a edição 2017 do Refis proposta pelo governo amapaense já foi autorizada pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz). “É uma iniciativa que propicia o equilíbrio financeiro dos empreendimentos locais”, resumiu o governador.

Ele também lembrou que, mesmo com a forte crise econômica, o governo tem se esforçado para aquecer o comércio, através do pagamento de fornecedores e injeções financeiras através do funcionalismo público. Em 2016, no auge da crise, o governo priorizou o pagamento do 13º salário do funcionalismo público com os recursos provenientes da repatriação. A decisão política injetou aproximadamente 100 milhões na economia local no final do ano, período fundamental para o comércio.

Ele também ressaltou os estímulos ao comércio na área do fomento. “A Agência de Fomento do Amapá [Afap] e a Fecomércio firmaram parceria, em 2016, para reforçar os estoques das empresas para as vendas de fim de ano. A Afap disponibilizou R$ 2,5 milhões em financiamento para empresas filiadas à Fecomércio. O governo considera estratégica e prioritária a evolução do comércio para que alcancemos o desenvolvimento social, com mais empregos, mais renda e dignidade para a população do Amapá”, analisou Waldez Góes.

História do Comércio

Segundo o presidente da Fecomércio, Eliezir Viterbino, que também é diretor da Agência Amapá de Desenvolvimento Econômico, do governo do Estado, o livro “Comércio do Amapá – A história” começou a ser idealizado ainda em 2016, ano em que a Fecomércio Amapá comemorou 25 anos de instalação no Estado.

A obra é assinada pelo pesquisador e jornalista amapaense Edgar Rodrigues. Com 258 páginas, o livro é dividido em vários capítulos. No primeiro, ele trata da história que originou o setor comercial no Amapá. O segundo traz fatos curiosos, como o primeiro ônibus a circular na capital e o primeiro refrigerante produzido no Estado.

Na terceira parte da obra, os leitores terão a oportunidade de conhecer as principais entidades do comércio amapaense. Já no quarto capítulo, são apresentadas as famílias e empresários que deram origem ao comércio amapaense. O livro também tem um rico acervo de fotos.

“O livro significa, para quem vive do comércio, a imortalização literária de histórias que trazem o devido reconhecimento que o comércio tem através de sua trajetória. Após a leitura, tenho convicção que todos iremos valorizar ainda mais esta preciosa e digna profissão que é a do Empresário ou a do comerciante”, ressaltou Viterbino.

Inicialmente, apenas 500 exemplares foram impressos. A intenção é que seja distribuído gratuitamente para as famílias homenageadas, entidades públicas e para a biblioteca estadual.

Durante o evento dezenas de personalidades que escreveram a história do comércio amapaense foram homenageadas pela Fecomércio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua conosco!

PUBLICIDADE