Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura, política e empreendedorismo.


terça-feira, 24 de outubro de 2017

AVIAÇÃO | Privatização deve ampliar a segurança nos aeroportos, diz especialista

Investimento em novos equipamentos aumentará segurança dos pousos e decolagens, avalia o engenheiro Shailon Ian
Os aeroportos brasileiros são destaque na América Latina onde respondem por grande parte do movimento de aeronaves e passageiros. Os principais aeroportos nacionais possuem bons indicadores de segurança, mas a necessidade de investimentos em novos equipamentos e tecnologias é constante no setor, e o país precisa arcar com recursos financeiros para aquisição destas novas ferramentas nos aeroportos ainda não concedidos à iniciativa privada. “A privatização pode acelerar a compra desses equipamentos e contribuir para ampliar a segurança nos aeroportos, oferecendo melhores condições para pousos e decolagens”, analisa Shailon Ian, engenheiro aeronáutico formado pelo ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) e presidente da Vinci Aeronáutica.  
Para o especialista, o setor deve registrar crescimento da demanda por voos, como já vem ocorrendo em outros países. “Isso vai impactar diretamente na segurança dos voos. As restrições orçamentárias podem tornar os recursos financeiros disponíveis insuficientes para que o governo faça os investimentos necessários a área”, aponta Shailon Ian.
Alguns terminais brasileiros precisam de equipamentos modernos. Muitos deles, já utilizados em outras localidades no mundo e que permitem ampliar a segurança com uso de ferramentas que garantem pouso e decolagens mais tranquilos. “O mercado já dispõe de instrumentos capazes de guiar a aeronave, com total segurança, até o solo. Inclusive em condições adversas, como muitas vezes ocorre com o aeroporto de Congonhas, por exemplo”, afirma o executivo.
O engenheiro considera ainda que a privatização é essencial para o desenvolvimento do setor aeroportuário brasileiro. “Mais do que simplesmente passar esses ativos para a iniciativa privada, devemos ter um mercado saudável, com investimentos em infraestrutura, que poderão atender à crescente demanda aérea brasileira”, analisa o engenheiro.
Sobre Shailon Ian
Shailon Ian formou-se como engenheiro aeroespacial do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) – a escola PREMIER no Brasil para o setor aeroespacial e aeronáutico – e serviu como tenente durante 5 anos na Força Aérea Brasileira (FAB), onde trabalhou na Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) e teve a oportunidade de trabalhar em mais de 200 auditorias de aeronaves e empresas em todo o mundo. Depois de deixar a organização, ele atendeu clientes na área privada, trabalhando com todas as marcas e modelos de aeronaves e helicópteros corporativos. Desde 2015 é presidente e fundador da Vinci Aeronáutica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua conosco!

PUBLICIDADE