Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura, política e empreendedorismo.


segunda-feira, 4 de setembro de 2017

MINERAÇÃO | "Fantástico" vai à Serra do Navio entender efeitos da mineração no Amapá

Jornalista Ernesto Paglia, da Rede Globo. | Foto: Arquivo
Uma equipe de reportagem do "Fantástico", da Rede Globo, está percorrendo municípios do interior do Amapá, especialmente em cidades como Serra do Navio e Pedra Branca do Amapari. A pauta, claro, a enorme polêmica em torno da extinção da RENCA (Reserva Nacional do Cobre e Associados), que tem dado o que falar em todo o país e até no exterior.
A bem da verdade, o projeto de manganês da Serra do Navio está fora da área da RENCA, mas a experiência com mineração parece ser o foco da reportagem, que deverá ir ao ar no próximo domingo.
A equipe é chefiada pelo jornalista Ernesto Paglia, que já esteve em outras oportunidades no Amapá, uma delas o projeto "JN no Ar", de 2010, quando o próprio âncora do Jornal Nacional, Willian Bonner, veio pessoalmente a Macapá abrir a série de reportagens do principal telejornal do país.

Personagens
O jornalista Ernesto Paglia e a ex professora Selma Barbosa, em Serra do Navio nesta segunda-feira
Entre os entrevistados que a equipe de Paglia já identificou em Serra do Navio, um casal de ex funcionários da Icomi S.A., empresa que explorou minério de manganês no Amapá por quase 50 anos e que recentemente anunciou estar projetando a retomada de suas operações na Serra do Navio. O ex mineiro Antônio Claudio Barbosa, 72, fez carreira na Icomi, de braçal a chefe do departamento de mineração. Sua esposa, Selma Maria, 67, participou de um projeto de responsabilidade social da empresa, de alfabetização e educação complementar da companhia e depois de formada professora foi contratada pela própria mineradora.
A produção do Fantástico também deve ouvir autoridades, empresários e técnicos para uma verdadeira enquete sobre a mineração, suas causas, consequências e, claro benefícios.

Leia também:

Icomi anuncia ter obtido licenciamentos no DNPM, IMAP e Prefeitura
Tjap nega pedido da Ecometals a ter posse de área da Icomi em Serra do Navio
“Serra do Navio e o Amapá são sim viáveis, por isso a Icomi está de volta”

3 comentários:

  1. Não estamos esperando acontecer o pior, estamos na luta contra o que quer o governo e da forma que quer.
    O que nós estamos, mesmo, é pagando pra ver esse povo se rebaixar as humilhações vinda deste déspota PMDBista.
    Mineração nunca deu lucro a este Estado, muito menos melhoria de vida à nossa população.

    Prof. Paulo R. Brito

    ResponderExcluir
  2. Meu pai também trabalhou neste município numa prestadora de serviços para ICOMI. 50 anos de exploração dia e noite. Fui morar neste município apartir de 1983 onde moro até hoje. Venho observando a decadência dessa cidade. As autoridades facilitam a entrada desses emprendimentos sem sequer o mínimo garantir melhoria nas questão sociais e ambientais. Na ÁREA SOCIAL. Pouco investimento para educação, infraestrutura das escolas degradantes, qualidade do ensino uma banalidade, etc... Na ÁREA ambiental nem se fala. Não temos o controle da qualidade do ar, água, solo. Não sabemos quais riscos ou agravos a saúde temos. Não contribuem para o setor da Atenção Básica em Saúde e fortalecimento das vilancias em Saúde. Onde obervamos índices de doenças endêmicas e outras doenças. Vemos grande quantidade de madeiras sendo estragadas, entulhadas ao sol e chuva apodrecendo enquanto famílias carentes precisando melhorar suas moradias. O Nosso clima era invejoso frio e bastante neblinas hoje não temos mais estes privilégios. Os órgaos públicos sendo retirados do municipio ( forum, cartorio eleitoral,Policia Militar etc...). Vêem com tantas promessas de gerar emprego, ai não se tem mão de obra qualificada, e trazem todos de fora, pagam impostos para o estado e município mas ao meu vê os impactos causados são maiores do que se arrecada e mal administrados. As ruas esburacadas, saneamento básico ficou longe de ser prioridade. As doença se proliferando e o consumo de drogas destruindo a vida dos nossos jovens.Diante de toda essa degradação sou contra qualquer tipo de investimento sem que haja retornos palpável para a saciedade. Para que estes municípios após a implantação de mineração fiquem humilhando-se, com Pires nas mãos pedindo esmolas para melhorar as ações na região.E as autoridades tendo que suportar o inchaço da cidade e ficar caladinhos. Sou contra.

    ResponderExcluir
  3. É PRECISO QUE SE DIVULGUE AS COISAS DO AMAPÁ E DO NORTE EM GERAL PARA QUE AS PESSOAS DAQUI PARA DE FAZER COMENTÁRIOS AIROSOS SOBRE ESSA REGIÃO. DIVULGAR O QUE SE TEM NO AMAPÁ É MUITO IMPORTANTE PARA QUE O PESSOAL DE CÁ PASSE A TER OUTRA IDEIA DESSE ESTADO.

    ResponderExcluir

Contribua conosco!

PUBLICIDADE