Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura, política e empreendedorismo.


sexta-feira, 25 de agosto de 2017

OPINIÃO | Notas da coluna ARGUMENTOS, sexta-feira, dia 25 de agosto de 2017.


Álcool

Olha que boa notícia. A indústria do empresário cearense Hilder Rocha anuncia a instalação de um arrojado – e pioneiro – projeto de produzir álcool combustível no Amapá. A apresentação foi feita na Casa do Agro, em Macapá, numa reunião com dirigentes.

Grãos

O contato com a Aprosoja-AP (Associação dos Produtores de Soja e Milho do Amapá) é importante, para fornecer a matéria-prima. Presidente Daniel Sebben, que dirige a entidade, se disse feliz e prometeu apoio.

A volta

Hilder Rocha já morou no Amapá, nas décadas de 1970 e 1980, tendo adquirido terras no município de Mazagão e iniciado um projeto agrícola. Agora está de volta no bom momento da indústria do agronegócio

Combustível

Falando à coluna, o empresário disse que o projeto é produzir o álcool anidro e o álcool hidratado, ou seja, um para queimar direto no carro e o outro para adicionar à gasolina. Que aqui é toda importada.

Momento

Daniel Sebben disse ter ficado impressionado, afinal há uma sensação comum entre os empreendedores locais e os que estão chegando ao estado, de que o Amapá é sim viável e que pode produzir muito mais.

Mobilização

Órgãos de segurança e saúde pública reunidos, para buscar estratégias que possam erradicar os acidentes e crimes registrados nas praças e lojas do centro da capital. Nas últimas semanas, as lojas do centro da cidade foram atacadas supostamente por usuários de drogas, o que motivou os empresários a pedirem soluções.

Macapaba I

O juiz federal João Bosco Costa Soares joga duro para reaver 258 moradias irregulares na primeira etapa do Conjunto Habitacional Macapaba. Isso deve ocorrer no mês de setembro, sob determinação da Justiça Federal, por conta de irreguaridades na concessão das casas e apartamentos.

Irregulares

A decisão do juiz baseia-se em um levantamento realizado pela Secretaria de Estado da Inclusão e Mobilização Social (Sims) e pela Caixa Econômica Federal (CEF), apontando que as 258 famílias ocupantes dos imóveis não se enquadram nos critérios estabelecidos pelo Programa Minha Casa Minha Vida, da União.

Exceção

Casos excepcionais, como os de invasores que apresentam outros aspectos necessários para inclusão no programa, serão avaliados para uma possível concessão do imóvel. “Isso ocorrerá se eventualmente houver casos onde vermos que realmente é injusta a situação de despejo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua conosco!

PUBLICIDADE