Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura, política e empreendedorismo.


quinta-feira, 17 de agosto de 2017

CULTURA | Cantor amapaense Osmar Júnior lança projeto denominado “Qual a novidade?”

Cantor e compositor amapaense Osmar Júnior e a tecnologia dos dias atuais
A inquietação e a voz continuam as mesmas, daí chamar ainda mais atenção o novo musical de um artista que não para de se reinventar. Osmar Júnior entra em estúdio e prepara um novo trabalho, denominado “Qual a novidade?”, voltado a questionar como os avanços tecnológicos estão deixando para trás valores e princípios mais humanos, principalmente desrespeitando aqueles que chegaram antes ao país: os índios.

Para o poeta, a globalização e a internet faz com que as pessoas sejam muito imediatistas, parecendo sempre ter pressa, ávidas por mais e mais informações, sem se ater àquilo que verdadeiramente importa, que são as pessoas. “Por isso me proponho, assim como outros artistas amazônidas, a ser essa voz que não pode ser silenciada, afinal a cultura é muito mais forte que qualquer cartucheira”, compara Osmar.

Para explicar, ele diz que o poder da cultura vai mais longe, alcança lugares inimagináveis, como os grandes centros. “E não falo apenas do eixo Rio-São Paulo, mas de outros países do mundo”, diz ele, que recentemente fez uma excursão pela Europa, a convite da Universidade de Lisboa.

Simplicidade
Ainda citando os índios como exemplo, Osmar pondera que ao longo de toda a sua vida, o índio utiliza cerca de vinte objetos, utensílios de madeira, cerâmica ou palha, como o tacape e o arco e flecha. “Enquanto que nas cidades há uma necessidade consumista enorme, que nos faz acumular uma série de bugigangas em casa, já reparou?”, questiona o artista.

Já o musical “Indiera”, que virá com o lançamento do CD, é uma compilação de seus mais recentes trabalhos, como o DVD “Cantoria do Lago” e o CD “Piratuba”. Indagado sobre o nome do novo musical, ele explica ser um neologismo, uma fusão para explicar “a era do índio”, ou ainda “o índio já era”. Resignado, ele complementa: “Temos que voltar a ser índios”;

Bem, mas além dos índios, Osmar Júnior pretende levar mais coisas tucujus para o musical que pretende apresentar além fronteiras. “O ‘Indiera’ destaca a floresta, as guitarras, as lendas, os batuques, enfim, uma miscelânea daquilo que são os povos da floresta”, reforça o cantor.

Ele diz que pretende colocar índios – de verdade ou não – no espetáculo, não como algo apelativo, mas para reforçar o quão natural esse musical se propõe a ser, que ele também define como uma revolução “Cabana” e “pós-Cabana”, afinal daquele embate ficamos com a cultura, felizmente.

Primeira mão
Numa deferência especial, Osmar Júnior revela um pequeno trecho de uma das músicas do novo trabalho, algo como 'música de trabalho' deste disco.

Cadê nossa voz?
Quem canta por nós?
Fronteiras abertas
Nos confins.

Ouvi você dizer,
Que vem nos visitar.
Ouvi você dizer,
Que vem cantar pra nós!

* Letra e música Osmar Júnior.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua conosco!

PUBLICIDADE