Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura, política e empreendedorismo.


sábado, 29 de julho de 2017

TURISMO | Infraero nega suposto “rebaixamento” do Aeroporto Internacional de Macapá

O terminal de passageiros do Aeroporto Internacional de Macapá
Cleber Barbosa
Da Redação

Brasileiros que residem na Guiana Francesa receberam a informação essa semana de um suposto “rebaixamento” de categoria do Aeroporto de Macapá, que teria perdido a condição de terminal internacional. Uma passageira da Azul – única companhia aérea brasileira a operar voos para Caiena – disse ter ouvido essa informação na capital da Guiana Francesa, dos próprios funcionários da empresa, diante de questionamentos a respeito da falta de voos para a capital do Amapá. Em Macapá, a representação local da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) nega peremptoriamente essa notícia.
A reportagem ouviu a atual superintendente da Infraero em Macapá, Keila Paula de Moraes, que garantiu a permanência do terminal amapaense como um aeroporto internacional. “Continuamos com essa categoria, tanto que os serviços de aduana permanecem em pleno funcionamento, atendendo inclusive a aviação executiva internacional e tudo o que precisa ser internado no Brasil a partir de Macapá”, disse a representante da Infraero.
Já na Polícia Federal, o Superintendente Regional, delegado Raimundo Soares de Freitas, falou à reportagem por telefone – ele está de férias – a respeito do assunto e também assegurou que os serviços a cargo da PF também permanecem inalterados no aeroporto. “Nossos plantões ocorrem normalmente, a cargo da delegada Tainá, que é a chefe do setor de controle internacional dos voos”, disse ele.
 
Enquanto o novo terminal não é entregue a Infraero providenciou um sistema modular de embarque e desembarque
Trajetória
A história do Aeroporto de Macapá, que foi rebatizado em abril de 2009 como Alberto Alcolumbre em homenagem a um grande empresário local, começou a ser escrita na década de 1930 durante a Segunda Guerra, quando o governo dos Estados Unidos buscou composição com o Brasil para construção de bases aéreas militares. No ano de 1943, na época do antigo Território Federal do Amapá, o então governador Janary Nunes, convidou o coronel Belarmino Bravo, da Força Aérea Boliviana, para fundar o Aeroclube de Macapá, para desenvolver, basicamente, atividades na área social e recreativa.
Com a instalação do Serviço de Aeronáutica (Saer), em 1953, composto por um hangar, um avião Bonanza Beechcraft A 36 e um campo de pouso, a sistematização de frequência de voos ficou consolidada. O avião foi adquirido com o objetivo de atender com mais rapidez a cobertura dos serviços administrativos do governo e, ao mesmo tempo, auxiliar a população no transporte de medicamentos para o interior ou de pessoas doentes para Belém do Pará.
No ano de 1956 foi criado no Aeroclube do Macapá, o curso de piloto de aeronaves. Em 1958, ocorreu a transferência das atividades aeroportuárias do campo de pouso então existente na Avenida FAB para a atual base do Aeroporto Internacional de Macapá. O Aeroporto Internacional de Macapá – Alberto Alcolumbre passa à administração da Infraero em março de 1979.

Vista parcial da sala de embarque do aeroporto de Macapá
Várias melhorias foram realizadas no aeroporto como a troca do piso e do forro, além da reforma de sanitários do terminal de passageiros em 2012. No ano seguinte, os trabalhos continuaram com a construção de módulos operacionais para as salas de embarque e desembarque, a revitalização da fachada e a ampliação do terminal de passageiros e do pátio de aeronaves. As reformas possibilitaram o aumento da capacidade de passageiros de 750 mil para 2,1 milhões por ano.
Maquete eletrônica sobre como poderá ficar o novo aeroporto de Macapá

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua conosco!

PUBLICIDADE