Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura, política e empreendedorismo.


sexta-feira, 30 de junho de 2017

INTERNET | Facebook lança Find Wi-Fi em todo o mundo

cid:image004.png@01D2555E.7D34E130Começamos a disponibilizar hoje em todo o mundo o "Find Wi-Fi" (Encontrar Redes Wi-Fi) para iPhone e Android. Lançamos o "Find Wi-Fi" em alguns países no ano passado, e descobrimos que a ferramenta não é apenas útil para pessoas que estão viajando, mas também em áreas onde a infraestrutura de dados móveis é escassa.

"Find Wi-Fi" ajuda a localizar redes Wi-Fi disponíveis perto de você, que tenham sido compartilhadas por estabelecimentos com o Facebook pelas suas Páginas. Assim, onde quer que esteja, você pode facilmente encontrar as conexões mais próximas quando sua rede de dados estiver fraca.

Para localizar pontos de Wi-Fi, clique na aba “Mais” no app do Facebook e depois em “Encontrar Redes Wi-Fi”. Quando estiver na seção “Encontrar Redes Wi-Fi”, você pode precisar ativá-lo. Você poderá então navegar por um mapa com os pontos mais próximos de Wi-Fi disponíveis, além de saber mais sobre os estabelecimentos com eles.

Para baixar imagens do produto acesse nossa Newsroom: https://br.newsroom.fb.com/news/2017/06/facebook-lanca-find-wi-fi-em-todo-o-mundo/

TURISMO | Azul celebra um ano de operações em Lisboa com 100 mil clientes transportados.

A Azul celebrou um ano de operações em Lisboa, com 100 mil Clientes transportados na rota que liga São Paulo (Viracopos) à capital portuguesa. Única empresa brasileira a operar voos diretos para Portugal, a Azul deu início às operações em junho de 2016 com três operações semanais. Em maio deste ano, a companhia ampliou as frequências entre as duas cidades, tornando o voo diário.

“A inauguração do voo para Lisboa foi um dos marcos mais importantes na história da Azul. Ele abriu as portas da Europa a muitos brasileiros que, agora, podem chegar ao velho continente em voos diretos saindo de Viracopos. Estamos muito satisfeitos com a demanda desses voos e, por isso, tornamos as nossas operações diárias”, destaca Antonoaldo Neves, presidente da Azul. “Ainda, de Lisboa, nossos Clientes podem viajar por toda a Europa, chegando a diversos destinos por meio de nosso acordo de codeshare com a TAP”, completa Neves.

Além de todo o conforto e alto padrão de serviço oferecido a bordo dos voos da Azul, essa operação tem como diferencial a ampla conectividade, tanto para quem sai do Brasil, como para quem viaja pela Europa a partir da capital portuguesa. A Azul liga mais de 50 cidades brasileiras a Campinas, facilitando as conexões internacionais. Já na capital portuguesa, os Clientes contam com voos da TAP Portugal e TAP Express para mais de 80 destinos em 35 países, por meio do codeshare firmado entre as companhias.

A Azul oferece em São Paulo (Viracopos) – seu maior centro de distribuição de voos – mais de 170 decolagens diárias para mais de 50 destinos domésticos. A aeronave desta rota é o Airbus A330, o maior da frota da companhia e a com cabine mais moderna, confortável e tecnológica do mercado brasileiro. A bordo, os Clientes da Azul têm uma experiência exclusiva em três classes de serviço: Azul Business ClassEconomy Xtra e Economy, além do SkySofa, espaço na aeronave em que um grupo de quatro poltronas que se transformam em uma cama. As aeronaves estabelecem um padrão único em termos de tecnologia e conforto e traz inovações nos sistemas de entretenimento e iluminação a bordo. As novidades da Azul garantem aos Clientes a melhor opção disponível no mercado brasileiro.

A rota São Paulo (Viracopos) - Lisboa, sem escalas, é operada, atualmente, com exclusividade pela Azul.

Operação Internacional da Azul
A companhia opera voos internacionais de longo curso (operados com o A330) também com saída de São Paulo (Campinas) para Fort Lauderdale/Miami e Orlando. Ainda, conta com ligações de curta distância, partindo de Belém e Fortaleza para Caiena (Guiana Francesa), partindo de Porto Alegre para Montevidéu (Uruguai) e saindo de Belo Horizonte para Buenos Aires. A companhia pretende, na alta temporada de verão do hemisfério Sul, realizar voos partindo de Navegantes e Cabo Frio para Buenos aires, além da tradicional operação sazonal de São Paulo e Porto Alegre para Punta del Este.

Confira, a seguir, os detalhes das operações (horários locais):

Origem
Saída
Destino
Chegada
Frequência
Operação atual
São Paulo (Viracopos)
17:00
São Paulo (Viracopos)
06:55
Diário
São Paulo (Viracopos)
11:50
São Paulo (Viracopos)
18:00
Diário

Sobre a Azul

A Azul S.A. (B3: AZUL4, NYSE: AZUL) é a companhia aérea com o maior número de destinos servidos no país. A empresa detém uma frota de 123 aeronaves, mais de 10.000 funcionários, 784 voos diários e mais de 100 destinos servidos. A qualidade de seus serviços já foi atestada por inúmeros prêmios, nacionais e internacionais. Foi reconhecida como a empresa aérea mais pontual da América do Sul pela Official Airline Guide (OAG) e terceira melhor empresa aérea do mundo pela TripAdvisor em 2017. Foi eleita pela sétima vez consecutiva pela Skytrax World Airline Awards como “Melhor companhia aérea low-cost da América do Sul”, e, pela segunda vez, como melhor equipe de atendimento ao Cliente da América do Sul. A Azul também foi considerada a melhor liderança regional em 2016 pela Flight Airline Business, como parte de seus Airline Strategy Awards.
Saiba mais em www.voeazul.com.br/ri

Relações com a Imprensa
Azul Linhas Aéreas Brasileiras

PUBLICIDADE | Informe sobre a inauguração do Amaral Costa.

AGRONEGÓCIO | Seminário debate desenvolvimento econômico do Amapá.

AVIAÇÃO | Brasileira Gol consolida parceria internacional com Delta, Air France e KLM

Roni Cunha Bueno, fundador da Netshoes, palestrante especialmente convidado pela Gol e Delta, falou sobre Inovação e o papel do líder
Encontro realizou-se em 29/06 e contou com a presença de representantes da aliança Gol-Delta-Airfrance/KLM 
Encontro realizou-se em 29/06 e contou com a presença de representantes da aliança Gol-Delta-Airfrance/KLM, que expuseram as novidades das companhias aéreas sobre temas atuais do setor. Entre eles, o Diretor de Vendas da Gol, Rogério Guerra; e o Diretor de Vendas da Delta, Luiz Henrique Teixeira. Na oportunidade, a executiva Adriana Cavalcanti foi homenageada, pelos 27 anos de Airfrance-KLM.

As três companhias ratificaram o compromisso com o segmento corporativo, apresentando novidades para os viajantes corporativos. Gol e Delta enfatizaram as novidades do selfie-checking (check-in por reconhecimento facial) e o programa Delta Edge, da Delta, que valoriza mais ainda a relação com o cliente corporativo, com serviços de valor incomparáveis.

No último segmento da programação, o especialista em Marketing e Inovação Roni Cunha Bueno compartilhou sua experiência, desde o início da Netshoes, até fazer dela a maior empresa de e-commerce de produtos esportivos da America Latina. Segundo o palestrante, que hoje assessora empresas e startups, três valores são fundamentais no sucesso das organizações: o propósito, a cultura organizacional e a metodologia desses projetos.

“Entendo que o ser humano se mexe por prazer ou por dor. Na verdade, tende a fugir da dor na direção do prazer de permanecer na zona de conforto. Mas o líder inovador é inconformado, que não se acomoda e não cessa de testar-ajustar. É dessa determinação que resulta o modelo vencedor – ou modelo-campeão”, explica Roni Cunha Bueno.

As reuniões da Abracorp apresentam, agora, um mix perfeito de conteúdos. Propiciam a discussão de questões importantes aos interesses dos associados, como segurança de transações e o BI, entre outros pontos. Acrescente-se o debate de temas estratégicos com fornecedores, como ocorreu, na reunião do dia 29/06, com a Gol e Delta e também o desenvolvimento de conteúdos atuais à vida das empresas, a exemplo da palestra proferida, ontem, sobre inovação.

Para o vice-presidente do Conselho de Administração da Abracorp, Carlos Prado, “não há como fechar os olhos para a Inovação. E a palestra do Roni acrescenta clareza e verdade ao espírito inovador do líder inconformado, que não se acomoda na zona de conforto”.
Participantes da reunião mensal da Abracorp. | Fotos: Divulgação

quarta-feira, 28 de junho de 2017

TURISMO | Skål Internacional São Paulo realiza ‘Noite Mexicana’

Da esquerda para a direita, Eduardo Colturato, Diana Pomar, Aristides Cury e Gervasio Tanabe 
O Skål Internacional São Paulo promoveu mais um happy hour temático entre seus associados, na noite de 27/06/17. Desta feita, foi a vez da ‘Noite Mexicana’, que aconteceu no restaurante Don Pancho, na Vila Mariana. Congraçamento teve como anfitriã Diana Pomar – diretora do Skål São Paulo e do Conselho de Turismo do México no Brasil. 
Evento contou com a presença do presidente do Skål Internacional São Paulo Aristides de La Plata Cury, de skålegas e convidados. Entre os convivas, os novos skålegas, Gervasio Tanabe (Diretor Executivo da Abracorp) e Eduardo Colturato (Diretor de Turismo e Eventos da SPTuris).                   
Na oportunidade, Aristides Cury mencionou o andamento do prêmio Top Destinos Turísticos - promoção conjunta do Skål Internacional São Paulo e da ADVB. Disse que vários municípios paulistas já estão em campanha para a conquista de votos e pediu o engajamento de todos na iniciativa. Além da famosa gastronomia mexicana, o encontro foi animado por músicas típicas do cancioneiro daquele país. 
Durante o evento, foi apresentado vídeo com discurso do secretário geral da OMT, Taleb D. Rifai, que serviu de inspiração para a campanha ‘O México é o Futuro’. “Foi mais um encontro memorável, marcado pelo espírito que rege nossa confraria. Brasil e México, nações que se firmam como destinos turísticos de primeira grandeza, estão prontos para mostrar ao mundo, todas as suas singularidades e encantos”, disse o presidente do Skål São Paulo, Aristides de La Plata Cury.
Casa cheia na Noite Mexicana, no Restaurante Don Pancho. | Foto: Divulgação

segunda-feira, 26 de junho de 2017

PUBLICIDADE | Macapá ganha unidade do Laboratório Amaral Costa.

MERCADO | Profissão mais próspera dos Estados Unidos cresce no Brasil

Com ampla oferta de emprego, estatísticos têm o privilégio de escolher onde trabalhar. Salário inicial pode chegar a R$ 5 mil 
O que há em comum entre saber organizar xampus em uma caixa de papelão e prever quantas vezes uma pessoa consultará o seu médico em um ano? Para ambas as tarefas, o trabalho de um estatístico pode ser essencial. Nos últimos anos, empresas têm enxergado nesses profissionais a solução para reduzir custos com logística, desbravar números que expliquem comportamentos do consumidor, calcular preços ou atuar no Big Data com o desafio de filtrar, organizar e interpretar algumas das milhões de informações que surgem a cada segundo na internet.
O mercado para essa profissão cresceu nos últimos anos e, geralmente, os alunos saem da faculdade escolhendo onde irão trabalhar explica a professora Luciana Nunes, do Departamento de Estatísticas da UFRGS, que ministra a disciplina Profissão do Estatístico na graduação. A maior procura pelos estatísticos parte de bancos e financeiras, que os contratam para ajudar a calcular tarifas, juros e margem de lucro em seguros, linhas de crédito e aplicações financeiras, por exemplo.
Uma grande cooperativa de crédito no Estado tem 23 profissionais da área exercendo essas funções, exemplifica Luciana: O principal centro de contratação de estatísticos ainda é o eixo Rio­São Paulo, mas as oportunidades também são crescentes no Rio Grande do Sul. A abertura de portas na iniciativa privada desfaz a impressão de que lugar de estatístico é somente em entidades de pesquisa como o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Nos Estados Unidos, a carreira foi apontada como a mais próspera deste ano, conforme estudo do site de empregos CareerCast, ao considerar renda, estresse, ambiente de trabalho e perspectivas de ascensão. A expectativa por lá é de que o número de vagas cresça 34% nos próximos sete anos. 

DIFICULDADE PARA GERAR MÃO DE OBRA 
No Brasil, o movimento ainda é emergente, mas com alto potencial de crescimento. Trata­se da segunda profissão mais bem paga no país, atrás apenas da medicina, conforme levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).
A remuneração inicial pode chegar a R$ 5 mil e ir até R$ 30 mil para diretores. Com o boom da informação nos últimos cinco anos, o campo de trabalho se ampliou rapidamente. Mas há dificuldade em gerar mão de obra na mesma velocidade que o mercado contrata analisa Gabriel Afonso Marchesi Lopes, vice­presidente do Conselho Regional de Estatística da 4ª Região, que atua no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina. No Estado, apenas a UFRGS e a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) oferecem graduação em Estatística, com um total de 70 vagas abertas a cada ano.
No entanto, devido à dificuldade da graduação, 60% dos alunos desistem no meio do curso e cerca de 90% demoram mais do que os oito semestres para concluir a formação, afirma Lopes. Esse descompasso leva algumas empresas a chamarem profissionais de outras áreas para exercer tarefas similares, mesmo que eles tenham um conhecimento bastante superficial alerta ele, reforçando que, para atuar como estatístico, é preciso ser bacharel na área e estar registrado nos conselhos regionais. Lopes, que trabalha como gestor de preço e estatística em uma grande empresa de ônibus intermunicipais, explica que suas tarefas envolvem monitorar as margens de lucro, comparando tarifas com as dos concorrentes e ajudando a formar preços. “Organizamos dados de pesquisas de mercado e fazemos simulações e relatórios para que os diretores tomem suas decisões”, explica o profissional.
A finidade com números é essencial embora as perspectivas para estatísticos sejam animadoras, a tarefa é para poucos e definitivamente exclui quem não se sai bem com os números. É fundamental que o estatístico tenha aptidão para matemática e apetite pelas ciências exatas. Também é importante que tenha facilidade em manusear programas de computador e simuladores, já que seu ganha­pão dependerá do uso de softwares e calculadoras científicas. Conforme Mônica Ramos, diretora da Regional Sul da consultoria de recursos humanos Lee Hecht Harrison, a carreira de estatístico impõe ainda a necessidade de desenvolver habilidades emocionais e de comunicação, além de boa relação humana, uma vez que esse profissional pode rodar por vários setores da empresa e lidar com diferentes perfis de chefia.
Um dos benefícios da área é essa flexibilidade de poder atuar em diferentes setores, mas, por outro lado, a qualificação e a reciclagem devem ser contínuas para que se possa aproveitar as oportunidades que estão surgindo afirma Mônica. Embora as perspectivas para estatísticos sejam animadoras, a tarefa é para poucos e definitivamente exclui quem não se sai bem com os números. É fundamental que o estatístico tenha aptidão para matemática e apetite pelas ciências exatas. Também é importante que tenha facilidade em manusear programas de computador e simuladores, já que seu ganha­pão dependerá do uso de softwares e calculadoras científicas.
Conforme Mônica Ramos, diretora da Regional Sul da consultoria de recursos humanos Lee Hecht Harrison, a carreira de estatístico impõe ainda a necessidade de desenvolver habilidades emocionais e de comunicação, além de boa relação humana, uma vez que esse profissional pode rodar por vários setores da empresa e lidar com diferentes perfis de chefia. Um dos benefícios da área é essa flexibilidade de poder atuar em diferentes setores, mas, por outro lado, a qualificação e a reciclagem devem ser contínuas para que se possa aproveitar as oportunidades que estão surgindo afirma Mônica.

PERFIL DO PROFISSIONAL ­
O que faz: utiliza teorias matemáticas para determinar a frequência e a ocorrência de eventos anteriores e prever novos movimentos. Seu trabalho inclui coleta, organização, descrição, análise e interpretação de dados. Além de conhecimentos em matemática, o estatístico tem grande domínio de linguagens e recursos computacionais para elaborar modelos matemáticos que simulem situações reais ou hipotéticas. ­ Principais áreas de atuação: o profissional de Estatística pode trabalhar no mercado financeiro, especialmente nos bancos, em agências de marketing ou publicidade, órgãos oficiais de pesquisa, controle de qualidade em indústrias, setores de precificação de companhias, criação de banco de dados e análise de mercado. ­ Requisitos: é preciso ter capacidade analítica e de raciocínio rápido, além de um avançado conhecimento em informática e softwares de inteligência artificial que analisem o Big Data. Também é crucial ter avançado conhecimento de matemática e de cálculos. ­
Como se preparar: a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS) oferece 40 vagas por ano (curso diurno) e a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) oferece 30 vagas (curso noturno).


Fontes: Ministério da Educação, Conselho Regional de Estatística 3ª Região e Departamento de Estatísticas da UFRGS

MEDICINA DIAGNÓSTICA | Macapá ganha unidade do Laboratório Amaral Costa

A moderna unidade do Laboratório Amaral Costa, no Centro de Macapá (AP). 
Nesta terça-feira, dia 27, o Laboratório Amaral Costa dará mais um passo importante em sua história com a inauguração da primeira unidade em Macapá. A entrega será marcada por um coquetel, às 19 horas, no próprio laboratório e terá como convidados autoridades, além de toda a diretoria do grupo Amaral Costa.  
A nova unidade contará inicialmente com exames laboratoriais, além de serviços como o Domicilab, que consiste na coleta domiciliar e o Officelab, coleta de exame em empresas. Uma das novidades é o serviço Vip 54, no qual determinados exames tem o resultado pronto em 54 minutos. 
O Laboratório Amaral Costa é um dos maiores laboratórios da Região Norte, com mais de 60 anos de história dedicados a excelência dos serviços de Medicina Diagnóstica. No Pará, o laboratório conta com unidades de atendimento na Belém Metropolitana e também no interior do Estado.

Serviço:
Laboratório Amaral Costa chega a Macapá
Endereço: Av. Iracema Carvão Nunes, n248.
Data: 27/06/2017.

Hora: 19h
Contatos: (96) 3223-4463 


PELA PAZ | O curso para correspondentes de guerra visto por dentro.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

MERCADO | Clube Coach vai realizar em Macapá o 1º Coach Experience Day


O objetivo é levar o público à reflexão pessoal e profissional para a conquista de suas metas


Os profissionais do Clube Coach do Amapá decidiram compartilhar com o público uma experiência transformadora que ajuda as pessoas a melhorarem diversos aspectos de sua vida como produtividade, inteligência emocional, respeito à diversidade, planejamento, organização, comunicação interpessoal, orientação para resultado e aperfeiçoamento contínuo. Por ser uma área inda não tão difundida no Estado do Amapá, os profissionais do clube coach pretendem maximizar o entendimento da sociedade amapaense quanto à nova profissão que está larga expansão no Brasil e no mundo, buscando desmitificar o que as pessoas enganosamente definem como autoajuda, terapia, mentoring e até mesmo de consultoria. No entanto, é necessário saber que Coach é um processo com foco 100% em soluções.

Esta experiência será apresenta durante a realização do 1º Coach Experience Day, que acontecerá no dia 8 de julho, no Villa Nova Shopping. Vai ser um dia inteiro de programação com palestras, oficinas e atendimentos de coach. Tudo para que o público possa compreender este novo processo de desenvolvimento humano.

Poderão participar do evento, pessoas de qualquer idade. Os interessados em participar de palestras, oficinas e atendimentos de coaching devem fazer inscrição no período de 15/06 a 08/07, no endereço eletrônico www.sympla.com.br/eventos/macapa-ap e levar 1 kg de alimento não perecível no dia do evento.

Todo alimento arrecadado será doado à entidade filantrópica do Estado do Amapá.



Confira a programação Oficial do evento:


1º Coach Experience Day
Data: 08/07/2017
Hora: das 10h da manhã até às18h
Local: Villa Nova Shopping

PROGRAMAÇÃO
10h - Abertura oficial
10h15 – Palestra: Coaching Conceitos e Fundamentos –
Palestrante: Marcionília Freire (Coach)
Local: Salão (2º piso Villa Nova Shopping)

10h15 – 11H45 Oficina: Planejamento Estratégico Pessoal com Técnicas de Coaching
Facilitadora: Luzete Góes (Coach)
Local: Sala Sebrae (2º piso Villa Nova Shopping)

11h – Oficina: Preparação para a Aposentadoria
Facilitadora: Ana Isabel Romano (Coach)
Local: Sala Marco Zero (2º piso Villa Nova Shopping)

11h15 – Palestra: Coaching para Desenvolvimento Pessoal e Profissional
Palestrante: Cristiane Pereira (Coach)
Local: Salão (2º piso Villa Nova Shopping)

12h30 – 14h Intervalo para o almoço

14h - Reabertura
14h15 - Palestra: Profissional à prova de Crise
Palestrante: Iranei Lopes (Coach)
Local: Salão (2º piso Villa Nova Shopping)

14h15 – 15h15 - Oficina: Coaching para vestibulando
Palestrante: Ruimarisa Pena Martins (Coach)
Local: Sala Sebrae (2º piso Villa Nova Shopping)

14h15 – Oficina: Coaching para Concurso Público
Palestrante: Maicon Soares (Coach)
Local: Sala Marco Zero (2º piso Villa Nova Shopping)

14h – Atendimento individual
Local: Sala de vidro no 2º piso do Villa Nova Shopping
Coaches
- Ana Isabel Romano
- Cristiane Pereira
- Iranei Lopes
- Luzete Góes
- Leidiane Lamarão
Maiara Pires
- Marcionília Freire

17h – Palestra: Coaching para Carreira de Sucesso
Palestrante: Ruimarisa Pena Martins (Coach)

Local: Salão (2º piso Villa Nova Shopping)

quinta-feira, 15 de junho de 2017

OPINIÃO | Notas da coluna ARGUMENTOS, quinta-feira, dia 15 de junho de 2017.



Ipem

O Instituto de Pesos e Medidas está fiscalizando os produtos típicos mais consumidos nesta época do ano das festas juninas. A Operação “São João” visa fiscalizar peso, quantidade ou volume, se estão de acordo com as indicações fornecidas pelos fabricantes.

Amostras

Retirados exemplares de artigos comuns nas festas, como milho de pipoca, canela em pó, cravo-da-índia, noz-moscada, canjica e doces específicos, como pé-de-moleque, paçoca, totalizando 182 produtos.

Garantia

O Governo Federal autorizou o empenho de emendas parlamentares do deputado federal Vinícius Gurgel (PR/AP) para o município de Pracuúba. O aporte financeiro será investido obras de infraestrutura na cidade.

Ruas

Objetivo é melhorar o trafego de veículos e a locomoção dos pedestres que vivem em Pracuúba. Vinícius alocou R$ 435 mil para pavimentação, uma das principais reivindicações da comunidade.

Extensão

Unifap ofertará treinamento funcional, dança de salão, lutas, natação e hidroginástica para a comunidade acadêmica e sociedade em geral. Projeto inclusivo é do curso de Educação Física. Nota 10!

Hilário
Uma cena inusitada em plena hora do almoço, quando o trânsito trava e o sol aperta mais. E não é que o sujeito que viajava na carroceria desta picape arrumou uma sobra de palmeira em pleno centro da cidade? É claro que está errado transportar passageiro lá em cima, Mas valeu a foto!



Olha essa. Em Boston, nos Estados Unidos, se um morador achar um buraco na rua é só tirar uma foto dele e enviar para a prefeitura. A ordem é mandar arrumar logo a avaria na rua e, como satisfação ao contribuinte, o poder público envia uma foto de volta, com o reparo sendo providenciado.



Por aqui, no Amapá, quando populares chegam a tirar foto de buraco logo viram memes nas redes sociais. Claro que não fica barato, pois a galera acrescenta geralmente alguma placa junto, batizando o lugar com o nome do prefeito de plantão. Asfalto deve estar entre os maiores sonhos de consumo.

Acolá

Em algumas prefeituras do interior de São Paulo, já se ouviu falar de uma modalidade de pavimento que tem o custo compartilhado entre a administração pública e os moradores de cada lado da via. E a faturaé cobrada em parcelas, que chegam às casas em um carnê. Avanço!

quarta-feira, 14 de junho de 2017

TURISMO | Saiba o que fazer em caso de ter sua bagagem extraviada

Em 2016, segundo informações da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), o número de bagagens extraviadas ou entregues com atraso superou os 21 milhões. Este dado reflete uma das inúmeras situações que acontecem em viagens, seja de lazer ou a trabalho, e que podem gerar grande desconforto aos passageiros.
“Evitar completamente que estes incidentes ocorram nem sempre é possível, mas há certas atitudes que podem diminuir os riscos, como tirar as etiquetas de voos antigos e contratar um seguro viagem de acordo com as suas necessidades”, comenta Simone Libonati, Superintendente de Seguro Viagem da Zurich, companhia global de seguros.
Para amenizar os danos que o extravio de bagagem pode trazer ao passageiro durante uma viagem, a Zurich dá dicas valiosas:
  • Antes de despachar a bagagem, declare o valor estimado da mesma, pagando uma taxa da companhia aérea. Caso opte por essa opção, saiba que objetos de valor, como jóias, aparelhos eletrônicos ou medicamentos de uso continuo (acompanhado de receituário médico em inglês), devem ser levados na bagagem de mão, pois não são incluídos nesta declaração;
  • Confira o ticket de sua bagagem e verifique se os dados correspondem ao seu voo;
  • Contrate um seguro viagem para cobrir os imprevistos, inclusive os problemas com bagagens;
  • Evite despachar malas de grifes, elas costumam chamar muita atenção. Sendo inevitável utilize os serviços disponíveis em aeroportos, embalando sua bagagem;
  • Coloque identificação na mala, com nome e telefone e um cadeado;
  • Não atrase para fazer o check-in, quanto mais cedo for realizado, menos chances da mala ser extraviada;
  • Sempre guarde os recibos das mercadorias compradas durante a viagem, e tire uma foto com as compras dentro da mala. Em caso de extravio, guarde os recibos até a bagagem ser devolvida;
  • Leve uma troca de roupas na mala de mão e os principais acessórios para que seja possível aproveitar o destino imediatamente ao chegar.
Além de seguir estas dicas, é imprescindível agir rapidamente ao perceber que a bagagem não chegou na sala de desembarque. “O ideal é dirigir-se imediatamente ao balcão de reclamações da companhia aérea antes de deixar o desembarque e preencher o RIB - Registro de Irregularidade de Bagagem para viagens nacionais ou PIR - Property Irregularity Report para viagens internacionais, recomenda Simone Libonati.
O prazo para a empresa de transporte devolver os pertences perdidos durante os voos é de até 21 dias, em caso de viagens internacionais, e de 30 dias nos voos domésticos. “Caso este prazo seja ultrapassado, é possível pedir o ressarcimento do valor correspondente ao prejuízo. É dever da companhia aérea manter o passageiro prejudicado informado sobre o status do caso, o que acontece normalmente por meio do site da empresa”, garante a Superintendente de Seguro Viagem da Zurich.
No entanto, caso tenha contratado um Seguro Viagem, acione a Central de Assistência da sua Seguradora, eles poderão auxiliar monitorando a localização da bagagem pela companhia aérea.
No caso de não recuperação da bagagem, acione o ressarcimento do valor correspondente ao prejuízo na companhia aérea e posteriormente faça o pedido de análise de indenização para a Seguradora, encaminhando os documentos exigidos para a cobertura de bagagem para que a mesma possa analisar o seu pedido.
Conheça mais sobre os seguros viagem Zurich em seu Site Oficial

Sobre a Zurich
Zurich Insurance Group (Zurich) é uma seguradora líder multicanal que apresenta soluções para seus clientes e parceiros na esfera local e global. Com cerca de 54 mil colaboradores, fornece uma ampla gama de serviços e produtos em Seguros de Vida e de Ramos Elementares em mais de 210 países e territórios. Entre os clientes da Zurich encontram-se indivíduos, pequenas e médias empresas, assim como grande empresas e multinacionais.  
O Grupo está sediado em Zurich, Suiça, onde foi fundado em 1872. O Zurich Insurance Group Ltd (ZURN) está listado no Six Swiss Exchange e tem o Nível I no programa American Depositary Receipt (ZURVY), que é transacionado fora da bolsa no OTCQX.
Para mais informações sobre a Zurich, consultar www.zurich.com   

Sobre a Zurich no Brasil
A seguradora Zurich no Brasil soma o conhecimento do mercado brasileiro, no qual tem mais de 70 anos de experiência, à expertise internacional em soluções de seguros multicanal. A Zurich atesta solidez financeira e segue rígido padrão global de conduta, praticado em todas as suas operações. Dedica-se a compreender as necessidades dos clientes e oferece soluções para pessoas físicas e jurídicas, de pequenas empresas a multinacionais. Tendo o Brasil na sua estratégia de crescimento, e decidida a contribuir com o desenvolvimento social e econômico do país, visando o médio e longo prazo, a companhia dispõe de produtos e serviços sob medida para este mercado.

OPINIÃO | Notas da coluna ARGUMENTOS, quarta-feira, dia 14 de junho de 2017.



Defesa

A nova fase da Operação Cabo Orange pelo Comando de Fronteira Amapá foi fechada no fim de semana e considerada um sucesso. O objetivo era intensificar a presença do Estado na região fronteiriça do Amapá, particularmente no município do Oiapoque.

Pelo ar

A ação, coordenada pelo 34º BIS, empregou um efetivo aproximado de 180 militares, além de ter contado com a participação de integrantes do 4º Batalhão de Aviação do Exército, sediado em Manaus (AM).

Agências

A operação teve apoio da Marinha (Capitania dos Portos), da Agência Brasileira de Inteligência, da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal, da Receita Federal, do Ibama, da Sefaz, das Polícias Civil e Militar.

Eficaz

Falando à coluna, o coordenador da operação, coronel Robson Mattos, destacou modelo ‘interagências’ que permite estreitamento dos laços de cooperação, a conciliação de interesses e a concentração de esforços.

Estratégia

Em suma, se o crime é organizado, cabe ao Estado brasileiro, através dessas inúmeras agências federais e estaduais, unir esforços para o enfrentamento. A base é a troca ou compartilhamento de informações.

Cuidados
Um novo feriadão se avizinha e muita gente faz planos para pegar a estrada com seu carro.
A coluna então sugere a leitura das cinco dicas dadas por um especialista para evitar acidentes e outros aborrecimentos. É só passar em nossa página na web, digitando www.cleberbarbosa.net.

Educação

Os professores da Escola Visconde de Mauá do SESI, participaram da segunda formação continuada de aperfeiçoamento técnico-docente na área da Inclusão. O objetivo da atividade é capacitar os profissionais da instituição para desenvolver trabalho pedagógico adequado às necessidades.

Dinâmica

Na ocasião foram abordados assuntos como, definição dos conceitos de ensino e de aprendizagem além de aspectos neurológicos, estilos e estratégias de aprendizagem. A formação faz parte do projeto “Me inclua nessa”, desenvolvido pelo Núcleo de Educação Inclusiva (NEI) da Escola além de outras atividades.

Máxima

De acordo com a coordenadora do NEI, Aline Barboza, a atividade é de extrema relevância. Ela justifica que, por meio de ações de aperfeiçoamento é possível sensibilizar os professores para o pleno exercício de uma educação inclusiva orientada pelos pressupostos filosóficos.

terça-feira, 13 de junho de 2017

POLÍTICA | Deputada defende ensino de empreendedorismo na escola.


Entrevista com a deputada estadual Luciana Gurgel, do PRB, que anuncia a instalação de uma Comissão Permanente do Empreendedorismo no Parlamento Estadual.

TURISMO | Homenagem da ABAV pela passagem do Dia do Turista


TURISMO | Tarcísio Gargioni, da Avianca, recebe homenagem do Skål

Aristides de La Plata Cury; Tarcísio Gargioni; Priscila Cavalcanti e Emília Moraes (Avianca Fortaleza/CE) 
O vice-presidente da Avianca, Tarcísio Gargioni, foi homenageado com o troféu “Skål Turismo Mundo Afora”. Honraria foi entregue durante o 47º Congresso Nacional do Skål Internacional do Brasil, que se realizou em Fortaleza (CE), entre 07 e 11 de junho, no Marina Park Hotel. Simultaneamente, ocorreu o 44º Congresso Latino Americano de Clubes Skål. 
Evento focou diversos temas importantes, debatidos por profissionais de turismo latino-americanos e de todo o País. Contou com palestra magna do presidente da Embratur, Vinícius Lummertz, e teve como anfitriões Priscila Cavalcanti e Epitácio Vasconcelos, presidentes do Skål Internacional do Brasil e de Fortaleza, respectivamente.
São Paulo foi agraciado com o troféu ‘Melhor Desempenho do Ano’, entre os Skål Clubes brasileiros. Segundo seu presidente Aristides de La Plata Cury, “foi muito gratificante participar do Congresso, em Fortaleza. Destaco a posse do cearense Colombo Cialdini, como presidente sul-americano do Skål Club do Cone Sul, a presença, entre outras, de Tarcísio Gargioni, um emérito colaborador de nossa entidade, e o troféu que trago aos Skålegas paulistas, distinção a servir-nos de estímulo e motivação”.

MERCADO DE TRABALHO | Últimas vagas para o congresso "Comunicação Interna"


FERIADÃO | Especialista em trânsito dá cinco dicas valiosas para quem vai dirigir

Especialista dá dicas para garantir um feriado sem sustos

Feriado emendado sempre é sinônimo de viagem. E nesta época, muitas famílias aproveitam para fugir da rotina e descansar. Milhões de brasileiros pegam a estrada e partem para a praia ou a serra.
Mas antes da viagem é importante ficar atento a alguns detalhes para evitar dores de cabeça. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é o 4º país com mais mortes no trânsito na América. Para isso, o Gerente de Negócios Frota da ValeCard, Leandro Ferraz, mostra 5 dicas para viajar com segurança e garantir um feriado tranquilo. Confira:

1- Faça a revisão do seu carro com antecedência
É importante sempre checar o nível de água e óleo, o funcionamento dos freios, dos faróis e da suspensão, o estado dos pneus, a parte elétrica, com as luzes de freios, piscas, lanterna, faróis e painel e o nível do tanque de combustível, além dos documentos do carro e da habilitação.


2- Cuide-se: Alimente-se bem e esteja descansado
Dê preferência a comidas leves e evite alimentos que você não tem o costume de comer. E vale aquele alerta de sempre. Nunca beba e dirija.  Também é importante descansar. Dirigir cansado ou com sono é tão perigoso quanto estar alcoolizado. Se for o caso, pare o carro e descanse.
3- Use o cinto de segurança
O uso do cinto de segurança é obrigatório para todos os ocupantes do veículo. Em caso de acidentes, o cinto pode ajudar a salvar vidas.

4- Respeite os limites de velocidade
Muitos acidentes acontecem porque motoristas não respeitam os limites de velocidade ou tentam fazer ultrapassagens perigosas. Lembre-se. É melhor ir mais devagar e chegar inteiro do que acelerar seu veículo e correr riscos.

5- Dirija com segurança
Mantenha sempre a distância de segurança para evitar acidentes com freadas bruscas. Para ter tempo de reação, o ideal é ter 3 segundos para o carro da frente. Use também os avisos de luz e lembre-se que o uso de faróis é obrigatório na estrada. Por último, não jogue lixo pela janela. Além da falta de educação, a atitude ainda pode causar acidentes.


Agradecimentos:

Leandro Ferraz, Gerente de Negócios Frota da ValeCard

Economídia

COMÉRCIO | Concurso gastronômico vai premiar 'comilões' com até R$ 4 mil

Vem aí a segunda edição do maior concurso gastronômico do Estado, A Batalha dos Monstros, que ocorre, este ano, em um shopping localizado no centro da capital no dia 15  de junho, às 18 horas.
Serão R$ 4.000,00 (quatro mil reais) em dinheiro, como premiação. Para vencer o concurso o competidor terá que comer, em até 10 minutos, 5 monstros Burguers, um tipo de sanduíche com carne de 200 gramas de picanha + salada + maionese especial! O maior lanche da rede Big X Picanha.                        
A coordenadora do evento, Lídia Sousa  explica que a “Batalha” foi criada nos formatos de uma grande rede americana, um evento para toda família com muita diversão e torcida em um ambiente seguro, confortável e bem localizado que é o piso L3 do Macapá Shopping, bem ao lado da loja Big X Picanha.  “ Serão 10 participantes, sendo cinco candidatos escolhidos pela franquia de Macapá mais cinco competidores sorteados que farão parte da competição. Esta é a maior competição realizada na área gastronômica no estado”, explica.     
Para cada competidor, será convocado um jurado, para dar seriedade e legitimidade ao evento.                     
Anúncio oficial sobre o concurso, organizado por uma empresa de lanches
Nesta segunda Batalha o criador da rede Big X Picanha no Brasil, Sr. Zupa, já é presença confirmada. Lídia fala ainda que são mais de 200 pessoas trabalhando diretamente, entre fornecedores, funcionários da franquia, seguranças, médicos, brigada para a realização do evento. “Na primeira edição do evento houve a presença de um médico de plantão, brigada do corpo de bombeiros, e monitoras, tudo para garantir a integridade e saúde dos participantes do evento. E este ano, estes cuidados permanecerão”, complementa.                        
A programação está recheada de atrações artísticas e culturais, além de um espaço exclusivo para a criançada fazer as recreações em um ambiente ao lado do evento, tudo oferecido de forma gratuita.

EDUCAÇÃO | Encerramento do Curso de francês para alunos do Ifap.

DEFESA | Forças Armadas e Agências concluem nova fase da Operação Cabo Orange.

Macapá (AP) – No período de 29 de maio a 6 de junho, foi desencadeada a Operação Cabo Orange pelo Comando de Fronteira Amapá/34º Batalhão de Infantaria de Selva (Cmdo Fron AP/34° BIS), Batalhão Veiga Cabral. O objetivo era intensificar a presença do Estado na região fronteiriça do Amapá, particularmente no município do Oiapoque.

O Batalhão empregou um efetivo aproximado de 180 militares, além de ter contado com a participação de integrantes do 4º Batalhão de Aviação do Exército, sediado em Manaus (AM). Nesse contexto, ocorreram ações preventivas e repressivas no combate aos delitos transfronteiriços e ambientais na faixa de fronteira. Também foram realizadas ações cívico-sociais (ACISO), com o objetivo de prestar assistência aos residentes da área.
A operação teve apoio da Marinha do Brasil, por intermédio da Capitania dos Portos do Amapá; da Agência Brasileira de Inteligência; da Polícia Federal; da Polícia Rodoviária Federal; da Receita Federal; do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA); da Secretaria da Fazenda do Estado do Amapá; das Polícias Civil e Militar; do Corpo de Bombeiros do Estado do Amapá; da Secretaria de Saúde do Oiapoque.
Esse ambiente interagências permitiu o estreitamento dos laços de cooperação, a conciliação de interesses e a coordenação de esforços para a consecução de objetivos e propósitos convergentes que atendem ao bem comum.

Fonte: Cmdo Fron AP/34° BIS

ENTREVISTA | “Agora será a soja, mas no futuro poderão ser outros grãos da cadeia produtiva de alimentos”

Executivo da Amcel, o brasileiro Carlos Penha, recebe o Blog do Cleber Barbosa em Santana
Em meio às comemorações pela passagem do aniversário de 40 anos de sua efetiva presença no Amapá, a Amcel (Amapá Florestal e Celulose Ltda.) faz o anúncio oficial de que topa o desafio do Governo do Amapá para diversificar sua produção. Além da celulose, agora a empresa controlada pela japonesa Nippon Paper vai utilizar uma reserva de 20 mil hectares de terras de sua propriedade para o plantio de soja. Mais que isso, a empresa mira as futuras demandas do estado e planeja disponibilizar outros grãos da cadeia produtiva de alimentos, assim como usar a biomassa do papel para a geração de energia.

Cleber Barbosa
Da Redação

Blog – A Amcel acaba de comemorar 40 anos no Amapá, então a gente gostaria que o senhor rememorasse qual o papel dessa empresa no estado?
Carlos Penha – Para mim é uma satisfação falar do Amapá, falar da Amcel, afinal eu conheço este estado a praticamente 30 anos e a Amcel está presente há 40 anos, exatamente, completados no final do ano passado. Bom, nesse tempo todo a empresa passou por mudanças de acionistas. Ela era do Grupo Caemi, passou para o Grupo Champion, depois International Paper e em 2006 passou para o Grupo Nippon Paper, que é japonês, um dos maiores de papel e celulose da Ásia. Ela vinha pensando assim que chegou ao Brasil, os japoneses, trabalhando com eucalipto, exportando cavacos, sendo o maior usuário do porto da Companhia Docas de Santana. A Amcel tem uma atividade intensa de campo, tem bastante funcionários, atividades agrícolas e florestais, reflorestamento que começa num viveiro, em Tartarugalzinho, um centro de tecnologia com produção de mudas, depois preparo de solo, enfim, atividades inerentes à silvicultura, então nós temos no estado hoje sem dúvida nenhuma uma presença maciça, com 700 funcionários trabalhando conosco, além de uma gama de prestadores de serviço de alta qualidade, com máquinas, equipamentos, serviços, então uma grande empresa sim.

Blog – E isso significa quanto em termos de injeção na economia do Amapá?
Carlos – Olha, num cálculo rápido a Amcel deixa na economia do estado sem dúvidas R$ 100 milhões por ano, sendo R$ 50 milhões em serviços e outros R$ 50 milhões em folha de pagamento com nossos colaboradores, que consomem aqui no estado.  Portanto trata-se de um volume de recursos muito grande, especialmente se pensarmos nas dificuldades econômicas que passa o Brasil, a Amcel vem mantendo suas atividades num ritmo muito bom. Mas é claro que teve anos como entre 2008 e 2011 de bastante baixa produção de venda, pois o mercado internacional esteve em crise, mas a Amcel já passou esse período, nós estamos recuperando mercado, vendendo para a Europa, começando a vender para a China o eucalipto.

Blog – E agora veio essa notícia da entrada no mercado do chamado agronegócio, com o competitivo mercado da soja. Como foi essa decisão diretor?
Carlos – É, recentemente, em conversa com o Governo do Estado, logo no início do atual governo, de uma forma bastante interessada o governador nos indagou sobre como iríamos resolver a questão da diversificação, então as empresas japonesas são muito cautelosas nas suas decisões, então uma delas foi de entrar no mercado da soja. Ora, nós temos a terra, nós temos o conhecimento da terra, então decidimos participar desse momento, quando o estado está se preparando para ser um grande produtor de soja no Brasil, daí a Amcel ter decidido, juntamente com outros produtores, em participar desse programa.

Blog – E o sistema atual, de produção de celulose, a Amcel deixa de lado ou é uma forma de diversificar sua produção?
Carlos – Não, a Amcel continuará trabalhando com eucalipto, a chamada silvicultura, na produção de cavacos, ela tem que se manter, mas continua estudando uma forma de agregar mais valor na produção de eucalipto, então alguma coisa na linha de eucalipto deve acontecer em cima dos nossos estudos, esse é o eixo, a continuidade na silvicultura, a exportação de cavacos, pensando em uma fábrica, alguma coisa na produção de energia utilizando a madeira da floresta plantada, que seria um outro eixo, e agora a entrada no agronegócio, entrando no ramo da soja. A Amcel não desistiu de procurar uma opção para agregar valor para a sua produção de commodities, ainda estamos estudando isso, como disse, os grupos japoneses são cautelosos, estudiosos nas decisões, na parte econômica, mas com certeza nessas conversas com o Governo do Estado que foram bastante produtivas, vimos todo o interesse também, o esforço do governo em buscar um caminho de produtividade para o estado.

Blog – Outra coisa que marcou também esse período foi a visita do cônsul do Japão ao Amapá, que resultou num outro evento em São Paulo, reunindo investidores japoneses. O Japão é um mercado consumidor para a soja brasileira?
Carlos – A China é o maior mercado, mas o Japão é um mercado promissor. Aliás, o mercado japonês é bastante promissor para soja e commodities do Brasil, mineração, celulose e papel, enfim, é promissor sim.

Blog – E a partir desse encontro com os investidores, existe a possibilidade do incremento dessas relações com o Brasil em especial o Amapá?
Carlos – Sim, foi muito interessante essa agenda porque o cônsul japonês encarregado dos negócios comerciais aqui na região Norte convidou o governador do estado para fazer uma explanação em São Paulo, uma exposição na Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil. Isso foi no ano passado, e o governador fez uma excelente apresentação para 200 empresários japoneses que estavam reunidos naquele almoço, então foi uma bela oportunidade de apresentação do estado, despertando o interesse desses executivos em virem para o estado para começar a conhecer o Amapá. Nós estamos encarregados em conversar sobre esses assuntos com empresários japoneses e o Governo do Amapá. Recentemente, num encontro com o Governo do Estado, ele manifestou interesse em manter acesa esse negócio, essa conversação porque o estado tem interesse que esse pessoal venha para cá estudar as opções de mercado e negócios no Amapá.

Blog – O senhor falou que nesse mercado da soja outros produtores também estão chegando para a produção de soja, vocês pensam em se consorciar a algum deles?
Carlos – É, no porto nós já temos uma parceria com a Cianport, uma companhia que se instalou aqui para trabalhar com soja, o agronegócio, então nós já estamos compartilhando nossos sistema de carregamento, o  shiploader, que é compartilhando também com a Caramuru e a Cianport, isso vai facilitar muito, pois as empresas agora têm que se unirem, pois o porto é único, um cais só, e são poucas oportunidades de vários navios ao mesmo tempo. No campo, a Amcel começou agora com um projeto de 100 hectares, que chamamos projeto de experiência, então tudo tem que ser estudado novamente, terra, solo, clima, reação do plantio, isso tudo cientificamente. A partir daí eu não acredito que podemos nos consorciar, mas tocar por conta própria e chegar gradativamente até um nível de 20 mil hectares dentro das nossas terras com grãos, hoje fala-se em soja, mas nada impede que possa ser milho, feijão, enfim, pensando na futura cadeia de produção de alimentos no estado.

Blog – Uma outra coisa que é da sua pasta, digamos assim, são os projetos de responsabilidade social da empresa aqui no estado, especialmente nos municípios que são cortados pelo projeto da Amcel. O que dá para falar a respeito disso e do emprego de mão de obra local diretor?
Carlos – Bom, a mão de obra da Amcel, com exceção dos diretores, é toda daqui do Amapá. Algumas pessoas de fora, como eu por exemplo [risos], mas já me considero até um amapaense afinal moro aqui há mais de vinte anos. Então a mão de obra é de Santana, Tartarugalzinho, Porto Grande, enfim. A política de compras da empresa é primeiramente dirigida para o mercado local, em segundo lugar aquilo que não se acha aqui a região amazônica, Belém, por exemplo, e os demais que a gente não encontra vai até outras regiões do Brasil, como a região Sul, afinal hoje ficou muito fácil pois as companhias de navegação que trazem as compras do sul são muito boas, melhoraram a concorrência entre elas, enfim, eu acho que as condições do Amapá melhoraram muito, temos um comércio vigoroso, uma área comercial muito forte então muito promissor, especialmente depois da chegada da energia que agora temos em quantidade suficiente para desenvolver projetos, coisa que há dez anos não tinha, era um pouco temerário.

Blog– Obrigado por sua entrevista.
Carlos – Eu que agradeço, em nome da empresa, pela oportunidade e me coloco à disposição para qualquer consulta que se fizer necessária. Vamos continuar trabalhando para desenvolver a empresa e consequentemente nosso estado.

* Publicado na edição nº 20 da Revista Diário.

PUBLICIDADE