Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura e política.

PUBLICIDADE

quinta-feira, 10 de março de 2016

Supermercados reagem à crise econômica com mais ofertas e negociação com fornecedores


As vendas do setor supermercadista fluminense totalizaram R$ 30 bilhões em faturamento, no ano de 2015, segundo a Associação de Supermercados do Estado do Rio de Janeiro (ASSERJ). O resultado mostra que, apesar do agravamento da crise econômica a partir do segundo semestre, o segmento se manteve estabilizado no comparativo com 2014, que registrou R$ 27 bilhões em vendas. Os valores acompanham a alta da inflação registrada no fim do ano passado.
Já o faturamento do setor em 2016 apresentou uma retração de 3% em janeiro, em relação ao mesmo período do ano anterior. Segundo Fábio Queiróz, o presidente da ASSERJ, esse refluxo acontece no início do ano, depois das despesas de fim de ano, e reflete também a preocupação com os efeitos da instabilidade econômica.
“Estamos intensificando as negociações com os fornecedores, para fazer frente à alta do dólar. Esse é um dos nossos esforços para tentar garantir um preço mais em conta para o consumidor. A nossa proposta contra os efeitos da crise econômica é aumentar a oferta de produtos cadastrados nos mercados e apostar nas promoções, dando ao consumidor mais opções e preços mais vantajosos. Com isso conseguimos manter as vendas aquecidas e o fluxo da produção industrial”, afirma Queiróz.
Atualmente o setor supermercadista gera 200 mil empregos diretos em todo o estado do Rio de Janeiro. De acordo com a ASSERJ, não há registro de demissões em larga escala entre suas 300 empresas associadas, que totalizam mais 1500 lojas distribuídas em toda a região fluminense.

Ações para 2016
Para manter o nível de estabilidade em 2016, mesmo com os entraves econômicos, a ASSERJ tem adotado várias ações para manter setor aquecido. Uma das principais é a convenção Super Rio Expofood 2016, que neste ano foi remodelada para gerar um número maior de parcerias comerciais, se comparada as edições anteriores. A associação, que realiza a convenção em parceria com a Escala Eventos, estima que o evento movimente cerca de R$ 250 milhões em volume de negócios, neste ano.
Essa reformulação levou a convenção a alcançar a marca 100% dos espaços vendidos para expositores, com mais de um mês de antecedência, algo inédito em todas as edições. Entre os expositores confirmados estão grandes marcas como Coca-Cola, BRF Brasil, Procter & Gamble, Ambev, Granja Mantiqueira, JBS Brasil, Laticínios Tirolez, Grupo Petrópolis, Havaianas, Piraquê e Bauducco. O evento deve receber um público de mais de 40 mil pessoas.
Para Fábio Queiróz, que foi conduzido à presidência da ASSERJ em substituição a Aylton Fornari, a volta das grandes marcas para o evento é prova clara de que é possível resistir à crise econômica. “Não foi uma tarefa simples, mas conseguimos trazer de volta grandes marcas do mercado nacional para convenção. Para ASSERJ isso é prova inequívoca da confiança da indústria e do segmento na convenção, que será voltada prioritariamente para a concretização de negócios. Isso é bom para as indústrias, os supermercadistas e principalmente os consumidores, com novas opções de produtos e preços nos supermercados”, destaca o presidente da associação.
A Super Rio Expofood 2016, que acontece entre os dias 15 e 17 de março, no centro de convenções Riocentro, também terá um espaço inteiramente dedicado a lançamentos de novos produtos. A intenção é dar maior visibilidade as novidades que estão chegando no mercado.
Além da convenção, a associação acaba de inaugurar a Escola ASSERJ, cujo objetivo será capacitar profissionais, de forma bastante específica, para atender o setor supermercadista. A ASSERJ também tem realizado eventos constantes com empresários do interior do estado, dando suporte e consultoria para os temas que regulam o setor.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua conosco!