Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura e política.

PUBLICIDADE

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Vendas no varejo amapaense caem 2,9% em novembro, diz IBGE


Período
Varejo
Varejo Ampliado
Volume de vendas
Receita nominal
Volume de vendas
Receita nominal
Novembro / Outubro
-2,9%
-2,0%
-
-
Novembro 2015 / Novembro 2014
-27,4%
-20,75
-26,8%
-21,7%
Acumulado 2015
-10,9%
-4,4%
-11,6%
-6,3%
Acumulado 12 meses
-9,2%
-2,8%
-10,2%
-5,1%



Na passagem de outubro para novembro de 2015, o volume de vendas no comércio varejista amapaense apresentou queda de -2,9% na série ajustada sazonalmente. Na comparação com igual mês do ano anterior, o setor varejista mostrou queda de -27,4% em novembro de 2015. Em ambas as séries, foi o pior resultado entre as unidades da federação. 

Resultados do varejo foram positivos em 19 das 27 unidades da federação 

Na passagem de outubro para novembro de 2015, série com ajuste sazonal, as vendas no varejo foram positivas para 19 das 27 Unidades da Federação, com as maiores taxas de variação sendo observadas no Pará (3,0%) e Roraima (2,9%). Por outro lado, Amapá (-2,9%) e Paraná (-1,6%) formaram os estados com recuos mais acentuados nessa comparação. 
Frente a novembro de 2014, série sem ajuste sazonal, o comércio varejista registrou queda em 26 dos 27 estados para o volume de vendas, com destaque em termos de magnitude para: Amapá, com -27,4%. Somente Roraima (4,0%) apresentou aumento do volume das vendas em novembro. Quanto à participação na composição da taxa negativa do varejo, destacaram-se, pela ordem: São Paulo (-6,0%); Rio Grande do Sul (-10,9%), seguido por Paraná (-10,0%) e Santa Catarina (-11,3%). 
Também no comércio varejista ampliado, todas as 27 Unidades da Federação apresentaram variações negativas na comparação com novembro do ano passado. Em termos de volume de vendas, destacaram-se Amapá com -26,8%; Tocantins (-24,2%); Espírito Santo (-22,8%) e Goiás (-21,7%). Vale observar que os estados com maior impacto negativo foram São Paulo, com taxa de -6,9% e Rio de Janeiro (-15,1%). 
Unidade Estadual do IBGE no Amapá




Joel Lima da Silva
Supervisor de Disseminação de Informações 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua conosco!