Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura, política e empreendedorismo.


sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Viagem de Férias? Confira dicas de como cancelar suas passagens aéreas.

E-Dublin dá dicas para evitar dores de cabeça na hora de cancelar as passagens aéreas
Para que o sonho de viajar não se torne um pesadelo, confira como cancelar suas passagens aéreas

Todo mundo gosta de viajar e o “ritual” de preparação para a data também é muito prazerosa. Checar câmera fotográfica, passaporte, roupas, malas, tudo isso faz com que a viagem se aproxime mais rápido. Mas, quando um imprevisto acontece e é necessário cancelar as passagens, a dor de cabeça pode ser gigante. Foi pensando nisso que o Eduardo Giansante, CEO do E-Dublin, maior canal de informações para quem vai ou está fazendo intercâmbio na Irlanda, listou dicas de como evitar esse transtorno.

De acordo com a ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil), uma boa forma de evitar dores de cabeça durante o cancelamento de uma passagem, seja ela nacional ou internacional, é ler atentamente as condições de aplicação da tarifa no momento da compra.

Essas informações estão presentes nos sites de todas as companhias aéreas, e muitas vezes ficam visíveis no momento em que cotamos um voo. Vale atentar, também, que na maioria dos casos as condições para cancelamento e alteração de uma passagem variam de acordo com o preço do bilhete. Ou seja, bilhetes promocionais nem sempre garantem reembolso completo ou até mesmo parcial, ao passo que passagens executivas geralmente são mais flexíveis.

É possível, também, trocar a data, horário e até mesmo destino do voo, porém deve-se estar preparado para os custos adicionais. Segundo a ANAC as companhias aéreas tâm o direito de cobrar taxas por isso, e os preços variam de acordo com o serviço.E não é só no Brasil que isso acontece. Na Irlanda, a Aer Lingus cobra de 40 a 140 euros por essas alterações quando o passageiro adquire uma passagem da categoria low fare. Por outro lado, as passagens da categoria business são isentas. Já quem vai viajar pela Ryanair, são cobrados de 30 a 60 euros pela mudança de voo e 110 euros pela mudança de nome na passagem.

Cancelamento e reembolso

Para passagens compradas no Brasil, o artigo 49 do código de defesa do consumidor garante que o passageiro pode desistir da compra de sua passagem no prazo de até 7 dias, a contar do ato de recebimento de seu e-ticket.

Segundo a ANAC, quando solicitamos o reembolso de uma passagem as companhias têm o direito de reter uma porcentagem do valor pago. Mais uma vez, esses valores variam de acordo com as tarifas pagas e é por isso que se deve ler atentamente esses detalhes no ato da compra. Ainda de acordo com o órgão, as companhias aéreas têm o prazo máximo de 30 dias para efetuar o pagamento do reembolso ao passageiro.
Grandes companhias, como Air France e KLM, por exemplo, não oferecem reembolso no cancelamento de passagens da classe econômica normal. Já na TAM, é cobrado de 10% a 50% da tarifa no caso de cancelamento.

A irlandesa Ryanair não reembolsa passagens canceladas e a Aer Lingus só pratica reembolso para as tarifas da categoria flex ou business.

Casos especiais

No caso de falecimento de um familiar imediato, como pais, irmãos, filhos, avós, netos ou parceiros, é garantido o reembolso integral das passagens. O mesmo acontece caso o passageiro tenha comprovadamente uma doença grave e por esse motivo desista da viagem. Para esse caso, é necessário que seja comprovado antes da data de embarque.

Posso transferir minha passagem para outra pessoa?

No Brasil isso não é possível, já que, segundo regulamento da ANAC, uma passagem aérea adquirida em território nacional é intransferível, ou seja, o nome do passageiro registrado na hora da compra não poderá ser alterado.
Entretanto, na Europa isso é possível – mediante o pagamento de uma taxa. Na Ryanair esse valor é de 110 euros. Ou seja, em muitos casos é mais econômico comprar um novo bilhete, dependendo do trecho que se pretende voar.

Sobre E-Dublin
O E-Dublin (www.e-dublin.com.br) é o maior site de informações para brasileiros que estão planejando ir ou já estão em Irlanda. CEO do site, o paulistano Eduardo Giansante, foi para a Irlanda fazer intercâmbio e resolveu criar o site para dar dicas rápidas e simples sobre o país, mas não imaginava que, com o passar do tempo e com a evolução das ideias, textos e layouts, tornariam o E-Dublin uma referência absoluta para brasileiros interessados no país europeu. Hoje o site recebe cerca de meio milhão de visitas mensais e é associado da ABBV (Associação Brasileira de Blogs de Viagem) e RBBV (Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem).

Amapá diz “não” ao projeto de lei que libera terceirização no serviço público

O Amapá disse “não” ao Projeto de Lei que libera a terceirização ilimitada, inclusive nas atividades-fim das empresas. Esse foi o resultado da audiência pública ocorrida nesta sexta-feira (6) sobre o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 30/2015. O evento foi presidido pelo senador Paulo Paim (PT-RS) e integra uma agenda nacional promovida pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado, com o objetivo de dialogar com a população sobre as possíveis consequências do PLC 30/15 para os trabalhadores.

A iniciativa conta com apoio do Fórum Permanente em Defesa dos Trabalhadores Ameaçados pela Terceirização, integrado pela CUT e pela Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), entre outras organizações.  O vice-governador Papaléo Paes e o senador Randolfe Rodrigues além de oito deputados estaduais e dezenas de sindicalistas prestigiaram o evento.

Caberia ao deputado estadual Pedro da Lua, presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, a leitura da “Carta do Amapá”, documento-resumo da audiência. Mas ele declinou da honraria em favor do senador Randolfe Rodrigues (Rede), a quem homenageou como um dos expoentes da “boa política brasileira”. “Meu mandato guarda muita relação com o do senador Randolfe pois ambos somos oriundos dos movimentos estudantis. Por isso, entendo que todos nós nos sentiremos homenageados com a honra da Carta do Amapá ser lida pelo senador”, discursou DaLua.

O senador Randolfe Rodrigues, contrário ao “PL da Terceirização”, disse que o momento é de ampliar garantias aos trabalhadores, jamais retirá-las. "O PLC 30/2015 é o retrocesso do retrocesso. Se aprovado como está, fará com que trabalhadores brasileiros retrocedam às relações de  trabalho existentes no século XIX, rasgando as conquistas obtidas na CLT. Teremos a situação estapafúrdia de existirem hospitais sem médicos, obras sem operários, escolas sem professores: todos submetidos a relações precárias, com extensas jornadas e sujeitos a riscos à saúde e segurança do trabalhador e de seus familiares. Mas estamos esperançosos que, com a condução do 'menestrel dos trabalhadores', Senador Paulo Paim, conseguiremos impedir que estas forças do atraso sejam vitoriosas no Congresso Nacional. Esta audiência pública no Amapá demonstrou a disposição das centrais e sindicatos, bem como de toda sociedade, de lutar contra este despaupério", declarou.

O Amapá é o 21º estado a receber a CDH do Senado para discutir o PL da Terceirização. A primeira audiência foi realizada em 29 de maio, em Minas Gerais.  Como é praxe das audiências públicas, a “Carta do Amapá” foi posta em votação pelo senador Paulo Paim e aprovada por unanimidade por deputados, sindicalistas, gestores públicos e público presente à sessão.

Atualmente, existem no Brasil mais de 12 milhões de terceirizados – 26,8% do mercado formal de trabalho. O estado de São Paulo é o que concentra o maior número de subcontratações – 4,1 milhões de trabalhadores (30,5%), quase um terço dos 9,5 milhões contratados diretamente (69,5%). São trabalhadores sujeitos a salários menores, jornadas diárias ampliadas e, muitas vezes, em condições precárias de trabalho, o que acarreta inúmeros agravos à saúde e, até mesmo, óbitos.

Durante a audiência, foi discutido o possível colapso da Justiça do Trabalho em seu papel de resguardar os direitos dos trabalhadores, tanto pelo volume de ações que deverão ser impetradas por trabalhadores que se sentirem lesados em seus direitos, quando pela falta de patrimônio e de liquidez das empresas terceirizadas, que podem não ter recursos para pagar uma ação coletiva ou individual.

O Fórum em Defesa dos Trabalhadores Ameaçados pela Terceirização insiste no fato de que 90% do trabalho escravo hoje existente ocorrem em empresas terceirizadas. Uma consequência bastante temida da liberação irrestrita da terceirização é a institucionalização do trabalho escravo.
O mais grave, porém, é a questão salarial. Os terceirizados recebem remuneração até 70% inferior à dos trabalhadores diretos. Essa situação ficará estabelecida como norma, caso o projeto de terceirização passe no Senado e vem num momento em que cresce a luta de muitas categorias profissionais pelo respeito ao princípio da isonomia, em que funções similares devem ser receber a mesma remuneração.

Assembleia Legislativa do Estado do Amapá - ALAP
Gabinete do Deputado Estadual Pedro da Lua (PSC)
Texto - AscomGAB

Concurso público do TRE-AP acontece neste domingo, dia 8, em Macapá.

Neste domingo (8), acontecerá a prova do concurso público do Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE-AP) para as carreiras de analista e técnico judiciário. Ao todo, 10.758 inscritos deverão fazer o exame, o qual será aplicado em Macapá pela manhã e à tarde. De acordo com a Fundação Carlos Chagas, são 2.884 concorrentes para as vagas de analista e 7.874 na disputa pelos cargos de técnico.

O concurso público do TRE-AP tem o objetivo de preencher seis (6) vagas em seu quadro de servidores, mais cadastro reserva. O resultado do processo seletivo está previsto para o dia 15 de dezembro, com posse imediata. Ao todo são seis cargos; destes, dois para analista e quatro para técnico. A remuneração inicial para analista judiciário é de R$ 8.800,00; para técnico judiciário, R$ 5.400,00.

Horário e locais de prova em Macapá:

Os concorrentes ao cargo de técnico judiciário participarão do pleito pela manhã (horário de apresentação às 7h30, com fechamento dos portões às 8h) e os candidatos a analista judiciário farão a provas na tarde de domingo (horário de apresentação às 13h30, com fechamento dos portões às 14h), no horário local.

As provas serão aplicadas em Macapá no Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP), Faculdade de Macapá (FAMA), Faculdade Estácio do Amapá (Estácio Seama) e Faculdade do Amapá (FAMAP), Faculdade Brasil Norte (Fabran), Faculdade Atual, Apoena Faculdade e Escola Técnica, Centro de Ensino Líder (CEL), Centro de Ensino Podium, Colégio Moderno, Colégio NEI e Colégio Santa Bartolomea Capitanio.

De acordo com o Presidente da Comissão do Concurso, Juiz membro do TRE-AP, Doutor Marconi Pimenta, a organização do concurso obedeceu religiosamente a legislação. De acordo com o magistrado, o trabalho da Fundação Carlos Chagas em parceria com o Tribunal possibilitará um processo seletivo com idoneidade e celeridade para atender a demanda de pessoal da Justiça Eleitoral

Mais informações no site da Fundação Carlos Chagas, no endereço eletrônico: http://www.concursosfcc.com.br/

Serviço:

Tribunal Regional Eleitoral do Amapá
Assessoria de Comunicação e Marketing
Elton Tavares
Arte: Vandy Ribeiro
Fones: 2101-1504/84059044/91474038

Sob nova direção, mineradora Zamin celebra protocolo com GEA para retomar atividades.

Em solenidade realizada, na noite de quarta-feira (04), na Sala do Investidor, no Pavilhão de Negócios da 51ª Expofeira Agropecuária da Fazendinha, o Governo do Amapá e a mineradora Zamin Amapá assinaram um Protocolo de Intenções visando a retomada das atividades da empresa no Estado, bem como o funcionamento e a manutenção da Estrada de Ferro do Amapá e os trabalhos de reconstrução do porto de embarque de minérios. O evento foi prestigiado pela ministra da agricultura, Katia Abreu, que visitava a Expofeira.
O documento foi assinado pelo governador Waldez Góes; pelo diretor-presidente da Agência de Desenvolvimento Econômico do Amapá (Agência Amapá),  Eliezir Viterbino; pelo secretário estadual de transportes, Odival Monterrozo Leite; pelo subprocurador  do Estado, Juliano César Avelar; pelo prefeito de Santana, Robson Rocha, pelo prefeito de Serra do Navio, José maria Amaral Lobato; pelo prefeito de Pedra Branca, Genival Gemaque Santana,  pelo represente da empresa Zamin  Amapá, Mohit Krishen Kumar Bahatia e ainda por Ashish Deora e Saurabh Sangekar, respectivamente, presidente e diretor da Aurum Mining, empresa investidora no empreendimento  no Amapá.
Entre as principais cláusulas a serem cumpridas pela mineradora, no protocolo estão, a imediata retomada das atividades da Estrada de Ferro, a revitalização de 5 quilômetros da via férrea em 2016 e mais 8 quilômetros anuais, nos anos seguintes. Fica também estabelecido, o reinicio das obras de reconstrução do porto de embarque de minérios e o esforço para que até julho de 2016 a mina, em Pedra Branca do Amapari, reinicie a operação. Tudo isso, na expectativa de gerar cerca de 1.400 empregos diretos em todo o Estado.
Fica ainda a empresa mineradora responsável por revitalizar a linha de transmissão de energia elétrica, da usina Coaracy Nunes até Serra do Navio; regularizar débitos junto a fornecedores e a justiça trabalhista e contribuir para o desenvolvimento do turismo, entre outros itens.
Em contrapartida, o Estado compromete-se em suspender temporariamente as ações judiciais interpostas em desfavor da mineradora e manter, em comum acordo com a Zamin, a suspensão do decreto de caducidade, por seis meses.
Para o diretor-presidente da Agência Amapá, Eliazir Viterbino, o acordo foi feito para proporcionar o fortalecimento do seguimento da mineração, que é uma das grandes vocações do Estado e que já chegou a representar 1.8% do PIB nacional. “Conseguimos montar um grande acordo que, com o envolvimento de um novo investidor que vai encampar a Zamin, teremos de volta cerca de 1.580 empregos no setor. Essa é uma vocação do Estado que precisava ser revigorada para ajudar a desenvolver a economia do Estado”, ponderou.
Para o secretário estadual de transportes, Odival Monterrozo, o acordo prevê o amplo restabelecimento da modalidade ferroviária, importante para o setor de transporte do Amapá. “Qualquer modalidade que venha integrar o sistema de cargas é muito importante para qualquer estado, principalmente para o Amapá. A mineração, que representa uma vocação econômica importante, não pode ficar sem uma servidão de transporte. Maias do que aproveitarmos uma empresa já instalada no Estado, devemos dar potencialidades para isso. Dessa forma, o Governo fecha o circuito de transporte, com a integração das modalidades rodoviária, rodo-fluvial e ferroviária, disse, anunciando que a prefeitura de Laranjal do Jari, sob os aceites do Ministério das Cidades e da Caixa Econômica federal deverá passar para a Setrap a responsabilidade de concluir a ponte sobre o rio Jari, ligando o Amapá ao Pará. “Quando tivermos ponte sobre os rios Jari, Oiapoque, Matapi e Vila Nova e todas as alternativas de transporte, o vetor econômico só tende acrescer”, concluiu.
Para os prefeitos de Santana, Pedra Branca do Amapari, a volta das atividades da Zamin Amapá representa um grade alento para a economia de seus respectivos municípios. “O governador Waldez Góes tem tido um posicionamento positivo no desenvolvimento do setor mineral no Estado. Acredito que, mais uma vez ele, nessa grande parceria, vai fazer o projeto voltar e, com certeza, o município vai voltar a arrecadar, para compensar a perda de mais de R$ 15 milhões, em apenas dois anos”, disse Genival Gemaque, prefeito de Pedra Branca.
Para José Maria, prefeito de Serra do Navio, o povo do município vai se beneficiar com empregos que a atividade vai gerar. “Apesar de estar instalada em Pedra Branca, a Zamin gera oportunidade de emprego para os moradores de Serra do Navio, além das compensações sociais. O retorno da atividade vai ser bom para o município para o Estado, para o país e principalmente para as populações beneficiadas”, enfatizou.
O prefeito de Santana, Robson Rocha também festejou o retorno da Zamin ao mercado, principalmente no que diz respeito à geração de empregos no município. “O retorno da Zamin vai contribuir com a economia do Estado e do município. Grande parte dos dois mil trabalhadores que atuavam na mineração, eram de Santana. As prestadoras de serviço, eram de Santana. Nossa arrecadação caiu cerca de um milhão, por mês, por conta da paralização do setor mineral. Nossa esperança é que esse setor volte a operar, para contribuir com nossa economia. Apesar de não estarmos envolvidos com a extração, é por lá que o produto é escoado”, festejou.

Inscrições do 1° Indoor do Jeep Clube de Macapá começam neste sábado na Expofeira do Amapá.

A 51° Expofeira do Amapá vai esquentar neste sábado, 7, com o 1° Campeonato Indoor do Jeep Clube de Macapá. Quatro categorias disputarão a primeira etapa, com inscrições gratuitas, no espaço do clube, a partir das 10hs, no Parque de Exposições da Fazendinha.
A primeira etapa começa a partir das 16hs, na área de apresentação do Jeep Clube, com previsão de 50 carros inscritos, nas categorias: Pick-Up, Jeep Original, Carro a Diesel e Carro a Gasolina. As três próximas etapas ocorrerão em dezembro deste ano, março e junho de 2016.
Às 21hs, no espaço de exposição dos Carros Clássicos, serão apresentados os pilotos que mais pontuaram e que seguirão para a segunda etapa, com premiação com troféus e medalhas. No evento também será anunciado o vencedor da melhor redação com o tema de “Melhor História do Jeep Clube”, projeto realizado em parceria com a Secretaria de Estado da Educação (Seed), para alunos da rede estadual de ensino.
Segundo Manoel Mandi, presidente do Jeep Clube de Macapá, o concurso de redação já faz parte do calendário do clube, com segunda edição marcada para o segundo semestre do ano que vem.

51ª Expofeira
A 51ª Expofeira do Amapá é uma realização do Governo do Estado e Sebrae. O evento ocorre no Parque de Exposições da Fazendinha, no período de 30 de outubro a 8 de novembro. Da área total de 120 mil metros quadrados, serão ocupados 116 mil. A concepção da 51ª Expofeira é transformá-la em feira de negócios, dando ênfase ao desenvolvimento econômico do estado. Dois eixos estarão em evidência - Produção de Alimentos e Produção Florestal.
Em 2015 o evento conta com o patrocínio do Banco do Brasil, CAIXA, Banco da Amazônia e Sicoob CredEmpresas-AP e apoio da Associação Comercial do Amapá (ACIA), Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) e Consórcio Equador.

Petrolífera Total apresenta na Expofeira seu projeto de pesquisas na Costa do Amapá

A Total E&P do Brasil é responsável pela perfuração marítima nos blocos FZA-M-57, FZA-M-86, FZA-M-88, FZA-M-125 e FZA-M-127, na Bacia da Foz do Amazonas. A empresa está participando da 51ª Expofeira do Amapá, com um estande de 100 m², no Pavilhão de Negócios do Sebrae, com o objetivo de apresentar informações sobre a atividade de Exploração e Produção de Petróleo e Gás e o projeto da empresa na Bacia da Foz do Amazonas, através de atrações interativas e tecnológicas.

A atração de abertura do estande - “Por dentro do petróleo” - apresenta vídeos exibidos dentro de barris de petróleo, que explicam as principais etapas da cadeia de Exploração e Produção. A Total também utilizará a tecnologia de Realidade Aumentada para apresentar suas operações na Bacia da Foz do Amazonas e ilustrará, em painéis, a linha do tempo de suas atividades, bem como as principais fases de um processo de licenciamento ambiental.

Sobre a Total E&P do Brasil

A Total E&P do Brasil atua no setor de Exploração e Produção de petróleo e gás natural brasileiro, através de um portfólio robusto e diversificado composto por 17 blocos marítimos, com foco em águas profundas. Presente no Brasil desde 1975, é uma subsidiária do Grupo Total, do setor de Energia, que oferece soluções integradas nas áreas de petróleo, gás natural, refino e químicos, varejo de combustíveis e lubrificantes, e energias renováveis.

PUBLICIDADE