Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura e política.

PUBLICIDADE

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

PROGRESSO: Edifícios e grandes lojas mudam Macapá

MODERNIDADE - Uma nova Macapá passou a ser edificada, com prédios altos e centros de compras muito maiores que as tradicionais lojas.
A iniciativa privada faz a sua parte, enfrenta a crise, o cenário de incertezas e inverte o eixo da economia amapaense. Agora não é mais o serviço público que mais emprega no Amapá.

Texto: Cleber Barbosa | Fotos: Samuel Silva | Publicado na Revista Diário.

De uns tempos para cá, a paisagem urbana da cidade de Macapá passou por mudanças significativas. A cidade plana das décadas de 70 e 80 agora possui uma dezena de edifícios com até vinte pavimentos. Mas as mudanças não param por aí. Também estão chegando grandes lojas e shopping centers. E a concorrência, ao contrário do que se especulava, tem se mostrado positiva para o mercado, que se reinventa, cresce e aparece, literalmente.
O presidente da Federação do Comércio (Fecomércio), empresário Eliezir Viterbino, diz que o comércio sempre foi uma vocação econômica do Amapá e vem se consolidando. “Hoje, em números do Caged, nós somos 60.545 postos de trabalho, num estoque de empregos de quase 127 mil vagas no estado, e quem chega mais próximo hoje desse nosso setor é o serviço público com pouco mais de 50 mil servidores. Essa mudança, verificada de 2012 para 2013, é motivo de orgulho não somente para nós como entidade, mas para os empreendedores e para esse Estado”, comemora o empresário.
DIRIGENTE - Presidente da Federação do Comércio, Eliezir Viterbino.

RESPOSTA
Esse aumento não foi só nominal, pois o setor subiu de 57.900 empregos em 2012 para 60.545 empregos num aumento percentual enquanto o aumento do estoque de empregos não foi dessa monta. Passou de 46,9% para quase 48% da fatia do estoque de empregos do Amapá.
Isso revela que mesmo com as dificuldades dos empreendedores, que vão desde a questão da logística natural – um potencial a ser destravado – assim como a extrema dependência dos recursos federais, as respostas vieram. “O comércio se mostra guerreiro e aumenta sua participação, mesmo com o país em crise, o estado em muita dificuldade”, conclui o dirigente.
Acima o novo layout do Macapá Shopping, que foi o primeiro da cidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua conosco!