Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura, política e empreendedorismo.


domingo, 21 de julho de 2013

Artigo do senador José Sarney (PMDB-AP)

“O que a Internet está fazendo com nossas mentes?”
O livro ¿Qué está haciendo internet con nuestras mentes? (O que a Internet está fazendo com nossas mentes?, em Português) lança uma grande indagação: quais as transformações que a internet fará em nossas mentes? O autor Nicholas Carr traça a história da evolução do homem, e escreve sobre o funcionamento da mente. De acordo com ele, em primeiro lugar, pensava-se que a mente havia sido feita para a memória. E quando inventaram o livro, questionaram: “E agora, o que vai ser das nossas memórias?”. Depois que os livros surgiram, formaram até hoje parte do processo de construção das nossas mentes. Mas agora, em um momento novo da história humana, os livros vão cedendo lugar à internet, que tem características muito distintas. O livro é vasto, amplo, à vocação barroca, é a expansão das formas, tudo que a linguagem da internet não usa. Eu pessoalmente sempre fui contra essa concepção.
O livro jamais acabará. Ele é a maior descoberta tecnológica. Não precisa de energia, não tem peças de reposição. Pode ser lido e levado para todos os lugares como o amigo sempre pronto a dar soluções a todos os nossos questionamentos. Tem todos os programas, sem precisar de soft ou hardware. Ariano Suassuna outro dia foi fazer uma palestra e um estudante afirmou que “o livro já era.” Suassuna perguntou-lhe:” Quem lhe disse isso?” Ele respondeu: “Li, num livro de McLuhan.” A internet muda esse paradigma.
A rede é um meio baseado na síntese, nas poucas palavras. E segundo o autor, essas transformações podem modificar a mente das pessoas, de modo que no futuro o homem pense de uma maneira sintética. Que concentre o conhecimento em coisas muito mais condensadas. E dessa forma, a própria linguagem humana vai se modificar. Esse é o grande argumento do livro. Além disso, o autor dá a entender que o próprio conceito de rede joga por terra a razão entre causa e efeito. Porque nossas mentes foram preparadas para essa relação causa e efeito. E na internet, esse paradigma também é transformado: não existe causa, somente efeito. O autor não diz que isso vai acontecer, mas que há um processo em marcha e o futuro vai dar a palavra final.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua conosco!

PUBLICIDADE