Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura, política e empreendedorismo.


terça-feira, 11 de junho de 2013

Dia do Meio Ambiente

Macapá debate a destinação do lixo urbano

A futura usina de tratamento de resíduos sólidos em Macapá segue um padrão internacional de qualidade, com a obediência aos mais rigorosos protocolos de controle de emissões para reduzir os gases com efeito estufa (GEI).
As comemorações pelo Dia Mundial do Meio Ambiente, na próxima quarta-feira, dia 5, contarão com um debate muito sério a respeito da destinação final do lixo urbano que é produzido diariamente em Macapá. Uma audiência pública proposta pelos vereadores Washington Caldas (PSB) e André Lima (PSol) servirá para que a empresa Redsol Energy Ltda, com sede mundial na Espanha, possa apresentar uma proposta considerada inovadora: transformar o lixo em energia elétrica.
O Diário do Amapá apurou que essa alternativa, além do forte apelo ambiental, afinal o reaproveitamento do lixo é uma tendência mundial, também terá muita influência econômica, pois a proposta da empresa é que a energia produzida pela reciclagem do lixo seja devolvida em forma de benefícios ao próprio município, que também deixaria de pagar pelo consumo de energia elétrica em prédios públicos, como escolas e postos de saúde. Hoje, a Prefeitura de Macapá paga para recolher e também para depositar o lixo no Aterro Controlado, na BR-210.
O consultor Fernando Peixoto, que representa o braço brasileiro da Redsol Energy Ltda, falou ser essa uma oportunidade excelente para que Macapá possa romper com o atual modelo de tratamento do problema, pois há notícias de que se nada for feito, Macapá será obrigada a manter o modelo de deposição do lixo por pelo menos mais 20 anos.
Segundo Paixoto, a tecnologia empregada no projeto trata 95% do lixo urbano - exceto 5% referente ao lixo hospitalar e tóxico que a Redsol não trabalha - onde não utiliza queima, não deixa qualquer resíduo, chorume, ou seja, não contamina o meio ambiente, portanto, poluição zero. “Esta é uma boa oportunidade para a sociedade macapaense e seus gestores municipais estarem presentes para conhecer a proposta de uma tecnologia existente na Espanha, Alemanha e Inglaterra”, sustenta Fernando Peixoto.
Entre as compensações propostas pela empresa para o município de Macapá estão três condicionantes: que de todo o faturamento da empresa 1% será destinado para projetos do município de educação ambiental; fornecimento gratuito de energia elétrica para todos os prédios públicos do município, como escolas e postos de saúde; fornecimento gratuito de adubo orgânico para praças, canteiros e jardins municipais. Hoje em Macapá ainda se queima óleo diesel para a geração de parte da energia consumida.

Alternativas para o lixo até agosto de 2014

A Lei Federal 12.305/2010, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, entre outras disposições indica que não será mais permitido que nenhum município brasileiro utilize lixões a céu aberto. Todos os municípios da Federação terão que apresentar até agosto de 2014 um Plano de Gestão de Resíduos Sólidos indicando qual a destinação final do lixo será escolhida.
Nesse ponto que a empresa hispano-brasileira Redsol Energy Ltda, com sede mundial na Espanha, se apresenta com interesse de implantar no Brasil, na primeira etapa, 10 Usinas de Processamento de Resíduos Sólidos Urbanos em Eletricidade. Em contato com o consultor Fernando Peixoto, o mesmo indicou à Redsol Energy o município de Macapá para fazer parte do investimento nessa primeira etapa. A partir de então, foram 3 viagens a Macapá para contato com o prefeito Clécio Luís (PSOL) desde 16 de abril e, com apoio dos vereadores Washington Picanço (PSB) e André Lima (PSOL), a carta de apresentação da Empresa foi entregue ao secretário Municipal Charles Chelala.


Como funciona o processo industrial de reaproveitamento do lixo urbano

A Usina de Resíduos pode instalar a mais recente tecnologia de filtros de emissão disponível, além de uma reprodução de microalgas que absorvem todos os emissores, assim fazendo instalações com emissões a nível zero. A produção em massa de microalgas contribui assim para mitigar o efeito estufa e restabelecer o equilíbrio térmico do planeta, recebendo este projeto uma planta verde sem emissões. A proposta inovadora só tem aspectos positivos para Macapá, pois a gestão de resíduos passa a não ter custos à cidade referente a destinação final, já que o município continuará com a responsabilidade da coleta domiciliar.  
Usina - A Usina de tratamento pode aceitar todos os resíduos sólidos que são biodegradáveis (exceto resíduos perigosos e nucleares): Resíduos Sólidos Urbanos  (lixo urbano); Resíduos Industriais (todos os tipos de resíduos biodegradáveis, exceto resíduos perigosos e nucleares); Lamas residuais provenientes de estações de tratamento d’ água; Resíduos de madeiras, poda e jardinagem; Resíduos agrícolas; Resíduos e dejetos bovinos. A Usina de tratamento recicla os seguintes produtos: Papel (papelão), plásticos, vidro, metais, pneus, equipamentos elétricos e eletrônicos, pilhas e baterias, lâmpadas incandescentes e fluorescentes.
Sabe-se que a Redsol Energy atua no campo da energia renovável e limpa. Sua linha de ação é caracterizada por um forte componente de inovação e desenvolvimento, como um resultado do qual é responsável pela definição e exploração de novos mercados. Desde o seu início está conscientizada com o meio ambiente e apoia as novas tecnologias energéticas com base em estudos e fabricação de novos produtos solares e fotovoltaicos.

INFORMAÇÕES

- O Dia Mundial do Meio Ambiente foi instituído pela ONU em 1972, durante a Conferência de Estocolmo, cujo tema foi Ambiente Humano;
- Nesta data ocorrem diversos eventos no mundo todo. Palestras, campanhas educativas, documentários e eventos são realizados, em vários locais, com o propósito de despertar as pessoas para esta importante questão mundial.
- Sua edificação se deu às margens do Rio Piririm 

200 Anos
Este é o tempo estimado para que determinados plásticos, como o PET desapareçam na natureza.

Modelo europeu



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua conosco!

PUBLICIDADE