Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura, política e empreendedorismo.


sábado, 30 de junho de 2012

A carta desabafo do médico Alejandro Cadena ao Corrêa Neto


INNEURO

Instituto de Neurologia do Amapá

Caro jornalista Correa Neto,

Desculpe a demora por responder , mas a velocidade da vida nos cobra tempo que as vezes não dispomos como gostaríamos , em função da vida do médico não ser própria , sempre ocupada por cirurgias, consultas, exames , tratamentos, estudos, etc ... enfim sagrado preço da nossa paixão por esta bela, mas sacrificada profissão.
Obrigado pelas palavras de preocupação relativa a invasão sofrida pelo INNEURO no serviço do HCAL em 07.06.12. Não sei o que é mais grave , a invasão truculenta usando força policial para desapropriar a infraestrutura pertencente ao INNEURO, ou o cinismo descabido dos Gestores que tentam passar a população que um ato autoritário, que fere a democracia, o direito a propriedade privada, se torna um elemento legal, construtor de “gestão”, que a curto, médio e longo prazo vai afetar especificamente a nossa população. Já vi esse filme antes , nos arroubos populistas das ditaturas latino-americanas que anulam a democracia, na Venezuela, Bolivia, Equador, etc.
Para entender um pouco melhor a gravidade desta atitude devemos lembrar um pouco a historia..
O INNEURO introduziu o projeto de parceria publico-privada com o Governo do Estado, em 2009, através da implantação do serviço do Hospital de Emergência sem custo algum aos cofres públicos, em função da necessidade social de contar com um tomógrafo na rede de Emergências, visto que o tomógrafo do HCAL não funcionava ou funcionava de maneira intermitente o que prejudicava grandemente a nossa população. A implantação desse Serviço foi um ponto alto na resolução de problemas de saúde nesse setor.

Por este motivo sugerimos que esta solução se estendesse ao HCAL (antigo Hospital Geral) através de oficio anexo,

Do : Instituto de Neurologia do Amapá - INNEURO
Ao :    Exmo. Sr. Secretario de Saúde 
        Dr. Pedro Paulo dias de Carvalho

Prezado Sr. Secretário,

Após nove meses da implantação do Serviço de Tomografia Computadorizada do Hospital de Emergência , com resultados extremamente satisfatórios, e cientes que a nossa parceria constitui uma prova que a Colaboração publico-privada tem espaço importante na administração ,em função da resolução de demanda dos pacientes atendidos nesse Setor, do dinamismo que o serviço imprimiu ao funcionamento da unidade , proporcional a sua resolutividade, isto é confirmando uma sociedade de pensamentos comuns que  deu certo, do ponto de vista social, levo a sua apreciação as seguintes idéias, que visam uma solução mais ampla e definitiva nos problema de diagnostico por imagem na rede pública.

O INNEURO com a implantação dos novos serviços de Ressonância Magnética de alto campo e Medicina Nuclear, que com certeza irá disponibilizar aos usuários da rede hospitalar da SESA, programada ainda este ano, encontra-se em processo de implantação do RISS e PACS , processos que as grandes capitais já usam, com o objetivo de armazenar e dinamizar informações supridas pelos centros de imagem, isto é , conseguir agrupar e organizar em um único Centro  o gerenciamento dessas imagens.
Temos uma experiência pioneira no Hospital de Emergência, no qual implantamos com sucesso  o método de diagnóstico a distancia que visa a transmissão em tempo real do exame que esta sendo realizado, ao especialista onde quer que ele se encontre. Isto agilizou em muito o atendimento e pacientes que esperavam horas e ate dias para serem diagnosticados , agora tem seus problemas resolvidos imediatamente.

Vemos nesse sistema (RISS e PACS) uma janela para conseguir expandir nossa relação com a SESA através da ampliação dos serviços envolvendo o atual Centro de Tomografia do Hospital das clinicas , a criação de um novo Centro de imagem no segundo município do Estado, Santana, e um posto avançado no Município de Laranjal do Jarí, isolado geograficamente da capital mas que pode ser beneficiado com o método de laudo a distância .

O INNEURO implantaria inicialmente num prazo máximo de dois meses o novo Serviço de Tomografia computadorizada do Hospital das Clinicas Alberto Lima, ficando responsável por seu Gerenciamento, corpo clinico, material humano e material de consumo, assim como ficaria responsável pelas adequações físicas e arquitetônicas da sala onde seria implantado o novo Tomógrafo adquirido pela SESA, dispensando desse ônus á mesma, dos Serviços de instalação e manutenção , com o compromisso de funcionamento ininterrupto, o que atualmente não existe, proporcionando graves soluções de continuidade no atendimento a nossa população.

O mesmo modelo seria implantado no Hospital de Santana, no qual o INNEURO criaria uma estrutura física no próprio hospital , inclusive adquirindo um novo tomógrafo,que funcionaria em regime misto, isto é atendendo pacientes da rede publica assim como os usuários dos convênios, visando atingir toda a sociedade santanense, fixando-a no local , evitando seu deslocamento até a capital, desafogando as nossas Unidades. O Cronograma para implantação desse Serviço sería de 6 (seis)meses.

O projeto Laranjal do Jarí, seguiria os mesmos moldes de Santana e o tempo para implantação desses Serviços seria de 9(nove) meses. O objetivo, alem da resolutividade no local , implicaria também em redução da transferência desses pacientes ate Macapá, reduzindo os elevados custos de transporte, geralmente aéreo ou estradas não condicionadas para pacientes enfermos.

Todas esses Centros de Diagnóstico, estariam integrados e gerenciados pelo novo sistema do PACS e RISS, dinamizando informações e soluções, tendo como retaguarda a estrutura do próprio instituto.

Considero a implantação dessas idéias um desafio que pode revolucionar nosso Estado em termos de Saúde, dando soluções definitivas a problemas crônicos  e levando enormes benefícios a nossa população, assim como proporcionar uma elevada economia não só material mas de vidas humanas, como já acontece em nosso projeto inicial de Parceria, que é o Hospital de Emergência.

A implementação financeira dos convênios com essas unidades Hospitalares, obedeceria o mesmo critério de recursos ligados a nossa produção, nos mesmos moldes atuais usados no Hospital de Emergência.

Pela atenção que V.Sa. se digne dar á presente e ciente que o êxito na implementação do nosso projeto, será um marco muito importante dentro das realizações sociais do governo, reiteramos protestos de estima, respeito e consideração.

Atenciosamente,

Macapá, 15 de Julho de 2009

________________________________


Como o Sr. pode ver , Sr. Correa, a entrada do INNEURO como parceiro do Governo , não obedecia em nenhum momento interesses comerciais primários ou favorecimento politico a quem quer que seja, pois não somos instrumento politico de ninguém, seguiu sim, um projeto concreto de modernização das nossa Unidades de Imagem, com amplo beneficio social.
O governo na época tinha adquirido um tomógrafo para implantação no HCAL e nos participamos ativamente e sem custo da implantação e organização desse serviço. Porem 30 dias antes da conclusão fomos surpreendidos com a indicação do Dr. Pedro Paulo, que esse Setor iria ser regido e comandado pelo grupo de técnicos que o Governo atual tenta re-colocar, responsáveis pelo mau funcionamento do serviço por 20 anos, antes do INNEURO.
 Pois bem o Serviço foi inaugurado no dia 1 de Abril de 2010 e permaneceu por 3 meses e meio no controle dessa equipe, que não conseguiu realizar um só exame. Constrangido pela situação fomos procurados novamente pelo então Governador, para avaliar-mos a hipótese de re-assumir o Tomografo, e assim o fizemos em 30 dias, em função da experiência e conhecimento construído em 25 anos de trabalho e educação continuada nessa área.
Reconstruimos o local, recuperamos o tomógrafo que estava em vias de destruição pelo abandono que tinha sido submetido, treinamos nossos funcionários e reassumimos o Setor, passando a realizar 10 vezes mais exames por dia que o tomógrafo anterior, com a metade do custo da equipe anterior (que beirava 170.000 reais ao mês). Tudo isto sem nenhum custo nenhum á SESA, exatamente como sempre fiz questão de frisar.
Era um projeto social em que as receitas e os custos deveriam pelo menos ser iguais, assim como era uma questão de honra para nos, a implantação de um  serviço modelo no maior Hospital público do Estado.
Varias vezes o Setor, por nós implantado, foi elogiado , inclusive pelo atual Governador, pela sua competência, modernidade e respeito ao cidadão. O contrato de 85.000 servia apenas para cobrir custos de folha de profissionais médicos, técnicos, enfermeiros, pessoal de apoio, insumos como contrastes radiológicos, filmes, etc.. e manutenção preventiva do equipamento e mais do que isso, elaborávamos faturamento mensal do Serviço que a SESA recebia de volta do SUS, em mais de 90 por cento do custo do contrato, isto é,  um Serviço autossustentável.
Os Gestores atuais falam que havia superfaturamento do valor dos exames ?? , Como se o valor era fixo.?? Para o Sr. ter uma idea o valor cobrado a SESA era de aproximadamente 25 por cento do valor da rede privada. Exemplo um exame de tomografia de crânio que na rede privada custa 450 reais, era realizado por 97 reais  ao Estado. O primeiro argumento dos gestores “Economia ??” ... Absolutamente falso.
O segundo argumento , que nos manipulávamos os exames. ? . Os exames eram realizados seguindo a indicação do Serviço Social, isto é da fila de espera, isto é dos mais carentes. Muitas vezes houve tentativas de “furar” a fila através de indicações politicas de protegidos dos gestores, isto nunca permitimos. Como poderíamos concordar com esse vicio clientelista da politica ruim que agredia o principio fundamental do projeto social que era exatamente servir aos mais carentes. Mantivemos sim a disciplina social, que é vital para manter a organização sem desvio de focos . Se isso é manipular, sim manipulei, melhor dito, normatizei , para o bem da nossa sociedade...
O terceiro argumento que os gestores tentam justificar tamanha agressão é o fato do INNEURO aumentar o valor do contrato feito em 2009... É no mínimo cínica e irresponsável essa postura, pois o aumento do valor do referido contrato se prende a fatores quantitativos e qualitativos exigidos pela própria Secretaria que aumentou tal quantitativo de 600 para 1000 exames/mês, assim como solicitou a cobertura anestésica dos pacientes para realização dos referidos exames . Alem disso exigiu a necessidade de um contrato de manutenção com a empresa PHILIPS (fabricante do equipamento) envolvendo além da manutenção, o fornecimento das peças necessárias para um eventual defeito. Tudo isto, como consta na chamada publica ou licitação, envolvia custos adicionais não previstos no contrato anterior. O INNEURO apresentou planilha de custos que foi aprovada pela equipe técnica  da SESA e seus departamentos administrativos. Até 3 dias antes da invasão , o Secretario adjunto e sua equipe tinham concordado com tais planilhas. De repente,  surge algum iluminado discípulo de Hugo Chaves, que acha mais barato “encampar”, o serviço desapropriando uma estrutura de Alta Complexidade, que não pertence ao Estado e agredindo de morte a ideia da Terceirização como instrumento dinamizador de soluções , sabidamente mais rápida e mais eficaz para aliviar os graves problemas que afetam a nossa população.
 Isto significa um profundo retrocesso a evolução do status quo de gerenciamento moderno, já seguido com êxito em praticamente todos os estados brasileiros, que vê na parceria publico-privada a melhor solução para Serviços de Alta complexidade, visto que passa para o Serviço público o  modelo de gerenciamento da iniciativa privada, o que corta os vícios implantados de corrupção, superfaturamento e péssimo atendimento que caracterizam infelizmente a administração publica.
Outra mentira descabida é que os funcionários do INNEURO são pagos pelo Estado.  Absolutamente falso. Alguns deles tem um segundo vinculo empregatício no Governo, em função das atividades que desenvolvem em outras unidades (Exemplo UTI, Centro cirúrgico), repito outras, pois o trabalho que desempenham no INNEURO não tem um centavo de recursos públicos, sendo todos nossos funcionários pagos integralmente pelo nosso Instituto. Os mesmos são estimulados no seu treinamento, direcionado para crescimento profissional, contato com estruturas modernas . multiplicidade de conhecimento em varias áreas da moderna Imagenologia, etc.. o que o Governo não investe , nem sonha em investir..., preferindo insistir na estrutura arcaica do profissional desmotivado e acomodado ,que é o que caracteriza o Servidor publico   e no final das contas pune a nossa população.
Como pune a população o fato de dizer que agora o Serviço vai funcionar ä contente”. A contente de quem..? Passadas longas três semanas da invasão , a equipe “técnica” do HCAL sequer conseguiu ligar o equipamento ...! Seria cômico não fosse trágico. São motoristas de bicicleta tentando fazer funcionar um avião. Tem que lembrar ao Governador que o conhecimento não se decreta  ... se constrói ...! Neste período, a “gestão” diante de sua incapacidade técnica e de planejamento, tem tentado comprar nossos funcionários com as mais variadas ofertas. Pergunto, Como “encamparam” um serviço de Alta complexidade, sem ter o mínimo conhecimento de como ele funcionava.? Antes de assumir falaram que tinham todos os recursos materiais e humanos inclusive para que que ele funcionasse “a contente”, e agora... continuam perdidos na sua própria ignorância, na sua arrogância, .. é a famosa iniciativa “burra”. Mais uma vez a única punida é a nossa população ..
Estranho também o fato da Justiça não agir com rigor diante de tais eventos que violam os nossos direitos de propriedade Privada. Se fosse um ladrão de galinhas que entra no seu quintal e rouba ... , já estaria preso no IAPEN, mas como é o Governador que toma posse dos seus pertences e os entrega para serem manipulados por pessoas incompetentes, em atitude absolutamente arbitrária , autoritarista, populista .. a Justiça pede “explicações” ... ?? Estranho ...
O Secretario Lineu pediu após a invasão  um prazo de  24 horas para o serviço de Tomografia funcionar... nada, depois pediu 15 dias ... para voltar a funcionar e nada de novo ... agora esta pedindo 30 dias ... para seus técnicos aprendam a manusear o equipamento (a ultima noticia e que estão esperando alguém de São Paulo para fazer um curso de Treinamento, curso alias que já tinha sido realizado um ano atrás, foi pago com recursos públicos e não deu em nada) ...  E ninguém , nem Justiça, nem Imprensa, cobra esses prazos ... Até quando a impunidade da incompetência que custa vidas vai durar, sem pelo menos ser exposta ?

Para finalizar meu caro e respeitado jornalista Correa, peço que pense em 5 questões que considero extremamente graves e resumem o problema,
1.     Porque a SESA não conseguiu em 1 ano e 6 meses regulamentar a contratação dos serviços de Tomografia?
2.     A Terceirização dos Serviços é prejudicial ao Estado?
3.     Tomar posse de Propriedade Privada é um novo modelo de Gestão?
4.     A quem beneficia a manutenção do Estado de Emergência, se as possíveis causas que levaram a sua instalação , já foram teoricamente resolvidas ?
5.     Quem vai pagar por isso ...?

Atenciosamente,

Macapá, 26 de Junho de 2012

Luis Alejandro Cadena
M.D. Diretor Clinico do INNEURO
Hospital São Camilo e São Luís – Rua Marcelo Cândia, 742  Santa Rita fone (096) 222 0294

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua conosco!

PUBLICIDADE