Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura, política e empreendedorismo.


sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Artigo: Um degrau acima


Dom Pedro José Conti
Bispo de Macapá


Um menino brincava de padre junto com um colega. Estavam na escadaria da sua casa. Tudo corria bem: entre bênçãos demoradas, sermões inflamados e absolvições de pecados horripilantes. De repente, o amigo cansou de ser coroinha do outro que sempre queria ser o padre. Subiu, então, um degrau a mais na escadaria e também começou a pregar com entusiasmo. Imediatamente o outro chamou a atenção dele e disse que ele não podia fazer aquilo, porque só ele estava autorizado a aplicar sermões. A dona da casa, mãe do garoto que pretendia ser o único pregador, ouvindo a gritaria, com calma e palavras mansas o convenceu que, por dever de hospitalidade, devia deixar o colega também ser pregador. O filho dela, no começo, ficou de cara feia, mas depois subiu um degrau mais alto do que o do amigo e, com solenidade, declarou: “Tudo bem, ele pode pregar, mas eu serei Deus!”.
Brincadeira de criança. Ela nos revela, no entanto, um desejo que todos nós temos e que tentamos esconder nem sempre com sucesso: ser alguma autoridade e poder mandar. Parece mesmo que este impulso faça parte da nossa natureza. A prova disso, vista do outro lado, é a dificuldade que temos em obedecer quando somos mandados. Quando a autoridade não sabe dialogar e convencer, ou abusa da sua posição com desmandos, em geral, gera revolta, mentiras, e até ódio verdadeiro. O livro do Gênesis também nos apresenta o primeiro pecado da humanidade como uma desobediência a ninguém menos que ao próprio Deus. Se tivermos consciência da nossa responsabilidade – como pais, por exemplo - nunca será fácil mandar e, menos ainda, será fácil obedecer. Mandar e obedecer parecem duas coisas incompatíveis.
O evangelho deste domingo nos apresenta Jesus como alguém que ensinava e agia com autoridade. O povo ficava admirado com a novidade do ensinamento dele e se perguntava o que estava acontecendo, visto que até os demônios lhe obedeciam. A comparação com a autoridade daquele tempo – os mestres da lei – também era inevitável. As pessoas se perguntavam: “O que é isto?”. Claro que poderíamos responder imediatamente a esses questionamentos dizendo que, afinal, Jesus era Deus e por isso podia mandar e desmandar em tudo. Essa maneira de pensar, no entanto, não nos ajuda a acreditar e confiar nele. No máximo, leva-nos a invejá-lo – como aconteceu aos escribas e fariseus – ou a querer manipulá-lo para que nós possamos decidir o que ele deve ou não deve fazer. Mais uma vez, é a tentação do poder que nos move.
A autoridade de Jesus vem da sua obediência. Obediência ao projeto de amor e de salvação do Pai. Jesus, neste mundo, tinha a missão de nos fazer conhecer este amor e o “alimento” dele era, justamente, fazer a vontade do Pai (cfr. Jo 4,34). Jesus nunca usou do seu “poder” para si mesmo, ou para promover a sua causa. Nem para “descer da cruz”! Sempre buscou o bem, a saúde, a paz dos outros. Nunca pediu nada em troca, a não ser a fé e a perseverança no novo caminho quando dizia aos pecadores perdoados de ir em paz e de não pecar mais.
Jesus, obedecendo ao Pai “até a morte e a morte de cruz”, revela-nos quem é Deus e o que o Todo-poderoso faz com todo o seu poder: o bem e somente o bem. Deus pode tudo, é verdade, mas não pode fazer o mal! Se Ele é amor, pode somente amar.
Com isso, Jesus nos revela também o sentido e o jeito de exercer a verdadeira autoridade. A história da humanidade nos ensina que todo o poder que se alicerça sobre o medo, a violência, a troca de favores e as mentiras, está destinado ao fracasso e terá como resultado mais violência, mais destruição, mais inimizade e sofrimentos para todos. A única força que pode derrotar o mal e a morte, com todo o ódio e as tristezas que os acompanham, é o amor, a vida doada para o bem dos outros, para o bem de todos. É uma nova autoridade, uma nova lei, um novo mandamento, ao qual deveria ser agradável obedecer: amar-nos uns aos outros como o próprio Jesus nos amou. A uma ordem qualquer podemos obedecer forçados, ou por conveniência, não precisa concordar, mas ao mandamento do amor deveríamos obedecer agradecidos. Obedecer para valer, com a mesma coragem, força e autoridade de Jesus. O mal seria vencido. Os demônios que nos cercam seriam derrotados.
Sei que tudo isso está muito longe da nossa maneira de pensar e de agir. Ainda insistimos em acreditar que poder e autoridade nos venham do dinheiro que temos, da posição social que ocupamos, dos títulos humanos dos quais nos orgulham tanto. Nós, para mandarmos, achamos necessário subir nos degraus da vida, ou nas costas dos outros. Deus, para nos ensinar a verdadeira autoridade, desceu até nós. Vejam só!

Em cartaz, espetáculo "Cântigos de Antares"

O espetáculo Cânticos de Antares relata a incessante luta de cidadãs e cidadãos marginalizados pela sociedade, em busca do pão sagrado de cada dia. Nele, prostitutas, loucos, bêbados, drogados e outros seres que rastejam no limo social, servem de inspiração para narrar a história do nascimento do salvador.
Em pleno século XXI é evidente que existe uma guerra no coração humano, onde o bem e o mal se fundem, assim como as pétalas das flores são íntimas com o estame. Onde permitimos - nos mostrar o que temos,
porém, ao nosso redor as pessoas vêem apenas o que desejam ver. Assim cria-se o bem e o mau; o feio e o belo; o pobre e o rico. Criamos e destruímos deuses e demônios não em nós, mas, no próximo. Eis o motivo
pelo qual queremos mudar o mundo e nada mudamos! Os verdadeiros valores do comportamento humano se invertem, e eis que diante de tanta falsidade, amargura e sofrimento, torna – se imprescindível extrair
beleza e prazer da dor e do inferno em que vivemos, e é exatamente aí que se configura a maior das lições apresentadas, pois o salvador do mundo, assim como o conhecemos, nasceu entre os animais em um
estábulo, e nem por isso deixou de cumprir sua missão ou tornou – se inferior diante do consumismo exacerbado que já se evidenciava há mais de dois mil anos.
Independente de ventre, local e ambiente em que esta, e outras crianças foram e são geradas, trazem em si a luz em seus corações e o potencial para transformar toda a dor e sofrimento em paz e felicidade. Nossa proposta é possibilitar várias interpretações acerca do advento do salvador do mundo e de nossa condição cidadã. Não apontamos para nenhuma religião, pois acreditamos que todas nos levam para o mesmo
caminho, o caminho da alienação, da segregação, da intolerância, enfim, ao invés de nos aproximar da força superior que rege céus e terras, nos afastamos em virtude de nossas vaidades pessoais que estão
acima do bem comum. Mais uma vez procuramos caminhar rumo á concepção de um espetáculo universal, onde independente de crença, o publico que nos assiste possa encontrar ganchos para reflexões aprofundadas sobres suas próprias atitudes com relação ao mundo em que vivemos.
Cânticos de Antares reforça o compromisso do grupo com a arte produzida no Extremo Norte do Brasil, ao presentear o publico amapaense com obras de dramaturgos nascidos ou residentes no Estado do
Amapá. Na ocasião, já foram encenadas: Homem – Um Pecado de Deus de Joni Bigoo, Cânticos de Antares de Paulo Gil e A Ultima Noite do Coração. E do Dono! de Dinho Araújo que encontra – se em fase de pré-produção.
Sexta e sábado faremos as duas últimas apresentações no Centro de Experimentação Artística Ói Nóiz Akí.

Lembretes:

- Espetáculo desaconselhável para menores de 18 anos.
- Apenas 25 (Vinte e Cinco) espectadores por sessão.
- Os ingressos para a temporada do mês de janeiro custará R$ 10,00 (Dez Reais).

Elenco e ficha técnica:

Elenco: Maurício Maciel/ Sabrina Zahara/ Geovanni Coelho/ Erick
Boaventura/ Géssica Palmerim/ Héllen Rock/ Dan Alves, Neto Pereira,
Núbia Worrel e Elder de Paula/ Dramaturgia: Paulo Gil/ Encenação:
Claudio Silva/ Ambientação, Figurinos e Maquiagem: O Grupo/
Sonoplastia: Núbio Pinheiro/ Iluminação: Claudio Silva/ Programação
Visual: Joni Bigoo/ Direção de Produção: Dan Alves/ Produção
Executiva: Claudio Silva/ Direção Geral: Ói Nóiz Akí.


SERVIÇO

O Que?
Espetáculo Cânticos de Antares
Quando? 27 e 28 de Janeiro de 2012

Onde?
Centro de Experimentação Artística Ói Nóiz Akí (Avenida Marcílio Dias
– 480/ Esquina com a Rua General Rondon)
Hora?
20:00 Hs
Quanto?
R$ 10,00 (Dez Reais)

CLAUDIO SILVA
Conselheiro Estadual de Cultura
Conselheiro de Pauta do Teatro das Bacabeiras
Coletivo de Artistas, Produtores e Técnicos em Teatro do Amapá - CAPTTA
Companhia Ói Nóiz Aqui Traveiz
Opção de Cinema da Amazônia - OCA
Palco Fora do Eixo - PFE/AP
Rede Brasileira de Teatro de Rua - RBTR
Rede Nacional de Teatro Infantil - RENATNI
kacolobo@yahoo.com.br
oinoizaquitraveiz@gmail.com
0xx(96) 8114-9655 ou 9155-1036

Verticalização de Macapá ganha o Manhattan Residence


A noite de quinta foi marcada pela festa de entrega do Manhattan Residence
 Localizado no bairro Santa Rita, o edifício agora embeleza a arquitetura da cidade e traz inovações com uma ampla área de lazer, oferecendo salão de festas, piscinas, bar molhado, playground, lan house, academia, brinquedoteca, churrasqueiras, cinema e sala de jogos. Seus 48 apartamentos destacam-se pelo ambiente planejado e a moderna varanda gourmet (churrasqueira na sacada).
Inovador e sofisticado, o Manhattan é o primeiro empreendimento imobiliário em Macapá a ser entregue no prazo e totalmente legalizado.
Segundo o Diretor da empresa, Eduardo Corrêa, a entrega do imóvel no prazo torna possível a realização do sonho do cliente, sem contar que fortalece a transparência, o respeito e a confiança da VEX no mercado imobiliário. “Temos muito a crescer e a fazer para que novos prédios, de forma responsável, possam ser construídos em Macapá”, afirma.
Trazendo um alto padrão, o edifício apresenta a cidade uma nova concepção de empreendimento imobiliário, desperta o mercado para atender a necessidade da sociedade amapaense.
Telma Gurgel, também sócia da VEX, ressalta a ousadia e modernidade de um projeto que se tornou realidade e que traz aos seus moradores segurança e conforto, com ambientes amplos e bem distribuídos. E ressalta, “neste momento não podemos esquecer de nossos colaboradores que nos ajudaram a tornar o sonho em realidade.”
Para José Benjamim, futuro morador do Manhattan, a escolha do empreendimento definiu-se pela solidez da construtora, sendo a que melhor atendeu suas necessidades, desde o espaço do imóvel, passando pela localização, segurança e área de lazer.
Realizada no piso de lazer do Manhattan, a entrega foi marcada por uma bela festa na que reuniu autoridades, clientes, personalidades do setor imobiliário, parceiros (Ambienta, Center Kennedy, Caixa Econômica, Todeschini) e imprensa.
Deputados Telma Gurgel e Vinícius Gurgel, com Eduardo Corrêa
Presente no evento, o Senador Randolfe Rodrigues (PSOL) enfatizou em seu discurso o trabalho que a VEX vem realizando em Macapá como forma de ajudar a desenvolver a cidade, que hoje apresenta um novo cenário com a construção de edifícios. "A VEX é uma das empresas responsáveis pela verticalização no Amapá e ela está de parabéns por investir e acreditar no potencial da Terra Tucujú", afirmou o Senador.
O Prefeito de Macapá, Roberto Góes, também prestigiou o evento e parabenizou a empresa pelo empreendimento dizendo, “Macapá ganhou um presente pelos 254 anos que a cidade completa no próximo dia 04 de fevereiro”.
Durante o evento, a VEX homenageou todos os colaboradores da obra com a entrega de uma moto, que foi sorteada entre os operários, ao Colaborador Domingos Nascimento.
A empresa também sorteou um Cruzeiro Internacional para duas pessoas, com tudo pago, a um de seus clientes, presenteando o senhor Helder Esteves. "Estou surpreso de ter ganhado o sorteio e muito feliz de ter realizado um sonho com a compra de um apartamento no Manhattan", disse o ganhador.
Dando continuidade ao seu trabalho, a VEX Construções e Incorporações promete inovar ainda mais no mercado imobiliário, trazendo opções de moradia às famílias que buscam morar em condomínios fechados, realizando sonhos e cumprindo a sua filosofia de empreender com qualidade.

Click Assessoria e Comunicação

Procurador da República visita chefe do MP Estadual

O objetivo foi reforçar os laços entre o Ministério Público Federal e o Ministério Público Estadual

 
O procurador-chefe da Procuradoria da República no Amapá (PR/AP), Antônio Carlos Marques Cardoso, reuniu-se na manhã desta quarta-feira, 26 de janeiro, com a procuradora-geral de Justiça do Amapá, Ivana Lúcia Franco Cei.
A procuradora-geral de Justiça colocou o Ministério Público do Estado do Amapá à disposição do Ministério Público Federal. Sugeriu, ainda, que mais atuações coordenadas sejam promovidas em colaboração entre os órgãos.
Atento às questões pertinentes ao Ministério Público e à promoção do bem estar social, o procurador-chefe da PR/AP agradeceu o apoio e garantiu a realização de mais trabalhos de interesse comum entre as instituições.
Atuação conjunta - Na prática, a atuação conjunta é uma forma eficaz de combater irregularidades e crimes que exijam atuação no âmbito federal e estadual ao mesmo tempo.

Assessoria de Comunicação Social
Procuradoria da República no Amapá
(96) 3213 7815
ascom@prap.mpf.gov.br
Twitter: @MPF_AP

FIEAP e SESI estão com matrículas abertas para de esporte e lazer

A Federação das Indústrias do Estado do Amapá (FIEAP), através do
Serviço Social da Indústria (SESI) estão com matrículas abertas para
as modalidades de Balé, Natação Baby, Natação para Adultos,
Hidroginástica, Dança de Salão e para o Programa Atletas do Futuro
(PAF).
Podem participar destas atividades, industriários, dependentes de
industriários, alunos do SESI e membros da comunidade.
Início das aulas
As aulas de Dança de Salão iniciam no dia 09/02. Os alunos de Dança
terão aula aos sábados, nos horários das 17 às 19h.
As outras modalidades iniciarão suas atividades a partir do dia 06/02/2012.
Para efetuar a matrícula, os interessados devem procurar a sala de
atendimento da Unidade de Lazer do SESI. Os valores das modalidades
variam de acordo com cada categoria.
O SESI incentiva e oportuniza ao trabalhador da indústria, dependentes
e à comunidade a prática do esporte e do lazer.
Informações através do número: 3084-8801.
SESI – provendo soluções para Indústria.

COMUNICAÇÃO SISTEMA FIEAP
3084-8826

Coluna Argumentos, sexta, 27.01.12



E o clima?

Será no próximo dia 2 de fevereiro o início do ano Le-gislativo tanto na Assembleia Legislativa do Amapá como no Congresso Nacional. A regra diz que a abertura dos trabalhos só ocorre no dia 1º quando se trata de inauguração de uma legislatura. A sessão tradicionalmente tem um único projeto na pauta, a mensagem do chefe do Executivo.

Tudo em casa

Não se fala em outra coisa no meio empresarial por aqui, apesar de não ter “vazado” para a mídia. Tem uma pregoeira de um órgão público que está sendo acusada de manobrar para eliminar os concorrentes dos certames licitatórios só para ajudar a empresa onde sua filha trabalha. Tudo ainda está sendo guardado para ver os próximos passos dela.

Apressadinho

Por falar em pregão, você sabe o que é isso? É uma forma de licitação como um leilão ao contrário, ou seja, leva o contrato quem der menos. Mas no certame que seleciona prestadoras de serviço de mão de obra para o Setentrião, o pregoeiro de lá interrompeu o leilão antes e declarou logo o vencedor.



Bronca

O carnaval nem bem chegou e já temos a primeira grande polêmica. E mais uma vez envolvendo a Escola de Samba Piratas da Batucada. Lideranças da agremiação lançam domingo a partir das 11 horas no bar da praça Nossa Senhora da Conceição, o movimento "Piratão Primeiro Grupo". Tem gente que a quer no grupo de acesso.

Dois pesos

O Governo do Estado repassou a quota duodecimal do Tribunal de Justiça de acordo com a proposta orçamentária aprovada pela Assembleia. Ontem, quitou pendências salariais com servidores do Tribunal de Contas. Mas o cesto de bondades só não chegou ao Legislativo, afinal a AL reclama ter recebido sua parcela de janeiro com R$ 5 milhões a menos.

Oportunidade

Profissionais interessados em se tornar consultores e instrutores do Sebrae já podem participar do Processo de Credenciamento que está aberto até 3 de fevereiro, às 18 horas. Esta seleção incluirá áreas de recursos humanos e empreendedorismo, educação, serviços financeiros e contábeis, marke-ting e vendas, comércio exterior e planejamento empresarial.

Aperto

A procuradora-geral do MP, Ivana Cei, recebeu para um tête-a-tête representantes da Liga das Escolas de Samba do Amapá (LIESA) para acertar as bases para uma ação rigorosa de fiscalização contra a poluição sonora, ambiental e venda de bebidas alcoólicas para menores durante o Carnaval.Já houve casos,no passado, até de menores seminuas desfilando.

Televisão

O veterano comentarista de arbitragem da Rede Globo, o ex-árbitro José Roberto Wright está fora do ar em 2012. Ele teve altos e baixos nessa história de ser o pioneiro em comentar as arbitragens nas transmissões. Mas segundo a imprensa nacional perdeu espaço para a mais nova aquisição da emissora carioca, o também ex-árbitro Leonardo Gaciba, aliás,um craque.

Coluna Argumentos, quinta, 26.01.12









Conjecturas

A movimentação política é intensa no Amapá por conta das eleições municipais. Mas uma coisa começa a ganhar corpo, a união das oposições. Ao que parece, a experiência de 2010 deve ter servido para que se tirassem algumas lições, afinal o PSB era tido como carta fora do baralho e acabou voltando à cena política. Tem um chapão no forno?

Vai rolar

Além do palmito orgânico, madeira certificada, açaí, castanha, fitoterápicos e pedras, os italianos deixaram o Amapá ontem à tarde decididos também a investir no turismo. O líder do grupo, deputado Domenico Scilipoti, sugeriu que se explore devidamente o potencial portuário que Macapá possui, pois o europeu está em busca de novos destinos.

É dívida

Além dos notebook’s, outra das promessas de campanha de Camilo Capiberibe é a tal da banda larga. Ontem, ele anunciou que esta ele vai dar conta de cumprir, com a assinatura de convênio com operadora de telefonia e apoio da Guiana Francesa. O problema é que só virá com o linhão Calçoene/Oiapoque.

Facilitadores

O ex-presidente Lula da Silva se encontrou com o ator global Reynaldo Gianecchini ontem no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, onde os dois fazem tratamento contra o câncer. Toda a visibilidade que estas duas personalidades estão dando ao fato de terem ests lastimável doença pode dar mais força ao trabalho de prevenção e de diagnóstico precoce. Então é preciso louvar a coragem de ambos pela decisão de expor seus dramas pessoais.

Grãos

A imprensa matogrossense repercute notícia a respeito do Porto de Santana, dando como certo o início do embarque de grãos de Mato Grosso ainda em 2012. A informação foi creditada ao presidente da Companhia de Docas do Amapá, Riano Valente, que teria dado garantias ao presidente da Aprosoja e do Movimento Pró-Logística, Carlos Fávaro, que visitou o porto.

Solidário

O deputado Edinho Duarte começou 2012 elevando o tom das críticas ao governo estadual. Mas disse que em uma coisa está do lado do governador Camilo. É com relação à influência que Capiberibe Pai tenta exercer na gestão do filho. Duarte cunhou inclusive uma hilária expressão, supostamente atribuída a Camilo. “Papai, me deixa governar, fui eleito para governar”.

Vai ter que dar

Com o carnaval às portas, é preocupante a notícia divulgada ontem pelo Setentrião com a chamada: “Sambódromo começa a ser preparado para o carnaval pelo Governo do Estado”. É por essa e outras que o carnavalesco Heraldo Almeida disse ontem ter aversão à famosa frase comum em época de carnaval: “Deixa que vai dar tempo”. Tem razão o Heraldo.

Agora vai

Depois de ter sido objeto de um “auto-apagão” que acabou adiando a festa de sua inauguração, a Usina Termelétrica Santana II será finalmente entregue à população. A nova cerimônia de estréia do gerador de energia a óleo diesel será nesta quinta-feira, às 9 horas da manhã com direito a fogos, políticos, marketeiros e claque. Sucupira podia ser aqui, heim?

Coluna Argumentos, quarta, 25.01.12










Ele se vira

Quando era secretário do Meio Ambiente de Macapá, o ex-deputado Eraldo Trindade marcou sua gestão pela ousadia e criatividade de buscar parcerias junto à iniciativa privada e embelezou as praças, lembra? Agora responde pela pasta da Manutenção Urbanística e diz que as 220 toneladas diárias de lixo podem produzir energia elétrica. Já prepara terreno.

Faltou o GEA

Dito pelo prefeito Roberto Góes que os estragos das obras da Caesa em Macapá deixaram um saldo de 100 quilômetros de valas, danificando e enfeiando o visual de inúmeras ruas e avenidas da Capital. O prefeito recorreu à Assembleia Legislativa que convidou o Estado para uma audiência pública. Ninguém apareceu. Relações azedaram.

Está valendo

O orçamento do Estado para 2012, no valor global de R$ 3,599 bilhões, está em vigor. O documento foi promulgado na última segunda-feira, pelo presidente da AL, deputado Moisés Souza (PSC). A peça orçamentária, com efeito retroativo a 1º de janeiro, foi publicada no Diário Oficial de quarta-feira. Poderes já pagam a folha.




PROVA CABAL - O piloto de uma catraia  que faz a travessia do Rio Jari, no sul do Amapá falava ao celular com sua esposa quando interrompeu a conversa dizendo: - Espera aí amor, vou atravessar o Presidente Sarney! Ela não deve ter acreditado pois ele insistiu: - É verdade, depois te ligo! Então o rapaz pediu a Sarney que tirasse uma foto com ele. Foi Pierre Alcolumbre quem bateu a foto, com o celular do catraieiro. Sarney disse: - Agora ela vai acreditar, meu filho!

Sob controle

A Promotoria do Meio Ambiente quer regularizar comercialização de madeira em Macapá. Foi assinado inclusive um Termo de Cooperação Técnica entre o Ministério Público Estadual, órgãos ambientais e madeireiras, para a legalização dos empreendimentos responsáveis pela comercialização de madeira, do Canal do Jandiá, Canal das Pedrinhas e Igarapé da Fortaleza.

Que time!

Os talentosos Tomé Azevedo e  Ana Vidigal estão empolgadíssimos com um novo projeto, de rodar um curta metragem sobre o aniversário da cidade de Macapá. Na verdade a trupe envolve mais gente forte, como o diretor de tv Luiz Henrique e o maestro Manoel Cordeiro. Certamente vem coisa boa por aí, sob encomenda do exigente Roberto Góes, gestor da cidade.

Diplomático

Político e desportista, Edinho Duarte estava tão animado com a visita de integranntes do Parlamento Italiano ao Amapá que fez questão de lembrar aos colegas europeus que aqui na distante Macapá existe um clube de futebol com o uniforme igualzinho ao de um famoso time da Itália, a Inter de Milão. É oYpiranga, aliás, clube do coração de Duarte, que também é dirigente lá.

Intercâmbio

O vice-almirante Edlander Santos, coordenador-geral do Projeto Rondon, confirmou ontem que o Amapá estará mais uma vez incluído na edição deste ano da ação. Em duas sema-nas, disse, a coordenação divulgará o calendário e as universidades que tiveram seus projetos aprovados. Já se sabe, entretanto, que a viagem para o Amapá acontecerá no mês de julho.

Coluna Argumentos, terça, 24.01.12










Intercâmbio

A visita dos deputados que integram o Parlamento Italiano à Assembleia Legislativa ontem não teve nada de “salto alto” por parte dos europeus. Liderados pelo simpático baixi-nho Domenico Scilipoti, o grupo defendeu que ambos os lados só têm a ganhar, o Amapá com sua matéria-prima em abundância e a Itália com sua tecnologia e experiência.

Para a ação

Chamou a atenção na fala de Scilipoti seu pragmatismo. Ele sugeriu que se estabeleça logo um grupo de trabalho com representação do Amapá e da Itália para que se retribua a visita com uma reunião na Itália, de modo a se estabelecer uma relação de cidades irmãs entre a nossa Macapá e a sua Messina, na região da Calábria. “O povo tem pressa hoje”,diz.

É verdade

Randolfe disse que historicamente as relações do Brasil são mais fortes com a França do que com a Itália, mas devido dificuldades nos dias atuais vem em boa hora a proposta de parceria com a Itália. “Um país que teve mais participação na formação do nosso idioma e que tem um povo até mais parecido com o nosso”.



Uma paixão - A  história certamente ainda vai revelar erros e acertos do audacioso projeto idealizado e implantado por Augusto Antunes no Amapá, espera-se. Mas o maior legado deixado pela passagem da Icomi pelo Amapá são os grandes  profissionais  forjado aqui, gente que orgulha-se de ter tido até a  passagem da mineradora uma única assinatura na Carteira de Trabalho, como este ex-mineiro, Antônio Claudio, o Padeiro, que registrou na parede de casa.

Constatação

A troca de experiências proporcionada pelo encontro com os italianos serviu também para que se constate como é bom o nível de nossa classe política. Os discursos de Randolfe, Moisés e Edinho ontem foram de uma profundidade singular. Com direito a serem sinceros ao afirmar que a crise na Europa está levando seus membros a buscar novos mercados,naturalmente.

Ausência

O presidente Moisés Souza planejava agir como facilitador de um encontro histórico ontem, entre Governo e Prefeitura dividindo o mesmo teto, no plenário da AL. O prefeito Roberto topou e levou todo o secretariado, mas o Setentrião pipocou e não mandou ninguém. Ficou um clima ruim, claro, mas o ní-vel dos debates foi considerado muito bom. E propositivo.

Poderia

Ainda sobre essa ausência do GEA, a Assembleia anunciou que opróximo encontro deverá reunir todos os  municípios e desta vez será o rateio dos recursos do ICMS que estará em pauta. Moisés disse que se for preciso poderá convocar dirigentes e gestores estaduais, prerrogativa da AL assegurada em lei, mas que eledisse não esperar ter que usar. Que assim seja, amém!

Números

Roberto Góes muniu-se de muitos dados numéricos para argumentar porque éimportante que o Estado também toque ações e obras públicas no município. Disse que 70% da população de todo o Estado moram em Macapá, mas a Prefeitura dispõe de pouco mais de R$ 500 milhões para atender a Capital. Já o orçamento do Estado é oito vezes maior, ponderou.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Coluna Argumentos, domingo e segunda

Fona


O Brasil tem 17,9 milhões de acesso de banda larga fixa, conforme dados divulgados pela Anatel. São Paulo é o estado com maior número de assinantes, com mais de 7 milhões de usuários do serviço, seguido do Rio de Janeiro, com 2,2 milhões de assinantes. O Amapá é o estado com menor número de acessos fixos de banda larga, com 4,8 mil.

Dedicação



Muito bem lembrado ontem pela coordenadora-geral Hely Góes, do NASF Macapá,programa que atua na saúde preventiva das famílias. “Todos nós profissionais de saúde, assumimos um compromisso com o cidadão, através do juramento que fazemos na formatura”, ponderou. Ela também diz que é técnica independentemente dos governos.

Mudanças



Problemas com as conexões internacionais do voo que trouxe ao Brasil uma missão do Parlamento Italiano causou atrasos na programação dos investidores europeus na etapa Amapá da viagem. Eles deveriam chegar a Macapá de madrugada, mas só desembarcaram ontem à tarde. Na segunda a agenda será retomada.


Projetos 

A regulamentação da profissão do turismólogo foi a grande novidade para gente como esses dois profissionais que aparecem na foto ao lado do colunista. Paulode Tarso Gurgel é professor de turismo e Nira Brito atua no Sebrae, como bacharel em Turismo. Ontem eles estiveram no rádio fazendo muitas reflexões sobre as perspectivas do setor a partir da sanção da presidente Dilma Rousseff da Lei Lei 12.591, primeiro passo para isso.

Metas

Adotando modelo de gestão comum na iniciativa privada, a Secretaria Municipal de Saúde de Macapá (Semsa) já elevou para nove os chamados NASF, sigla de Núcleo de Apoio a Saúde da Família. Mas o objetivo é implantar mais cinco este ano. Foi o que disse ontem em entrevista no rádio a sub-secretária da Semsa, Socorro Nascimento. Prometeu ir a Brasília para isso.

Inconveniência

Tem umas coisas que não mudam na aviação. E irritam. Tudo bem que é o correto, mas os agentes das companhias aéreas insistem em abordar os passageiros em trânsito indagando o número do voo, coisa que a gente nunca lembra. - Qual seu destino senhor? Diz um agente: - Vou para Macapá, respondo. E ele: - É o 3714, senhor? Respondo: só vendo, amigo.

Do bem

O líder da Banda Placa, trupe genuinamente amapaense, o músico Carlitão, causou excelente impressão ontem pela retórica e consciência social manifestadas por ocasião de entrevista concedida ao programa Conexão Brasília, cá da Diário FM. Ele tem conseguido respaldo inclusive da Bancada Federal do Amapá e do Ministério da Cultura para tocar seus inúmeros projetos.

Mobilização

Cerimonial da Presidência da República deve ter recebido orientação para dar um gás na cerimônia de posse de dois novos ministros da Presidenta Dilma. Convites circulam pelo país. Será terça-feira, às 11 horas a posse de Aloísio Mercadante, que vai assumir a Educação e de Marco Antonio Raupp, novo titular da pasta da Ciência, Tecnologia e Inovação. Estarei lá.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Coluna Argumentos, sexta, 20.01.12


Vai pescar!

No Rio de Janeiro, os passageiros que desembarcam no Aeroporto Santos Dumont precisam saber lidar com o mau humor de alguns taxistas que ficam emburrados quando o destino do turista é perto, como o Catete, Flamengo, Botafogo, pode? Comentei o assunto com um dos bons profissionais da praça de lá, que disse: - Essa turma tem é que pescar!

Há vagas

Com os parlamentares federais longe de Brasília, aproveitando os últimos dias de folga, fica fácil arrumar vaga na rede hoteleira da capital, detalhe: com excelentes preços. Quando o Congresso Nacional está em plena atividade o bicho pega e fica difícil se hospedar em Brasília. Aí vem uma pergunta que não quer calar: e durante a Copa do Mundo?

Sai pra lá!

A notícia de que outro transatlântico teve problemas, e no Brasil, ontem, fez estragos. Foi para fazer uma manobra brusca e evitar o choque com um barco de pesca, no Rio de Janeiro, levando muitos turistas a bordo ao desespero. O pior é que tem gente jurando que desistiu do sonho de fazer um cruzeiro depois de tudo.

Alô Aurélio

A turma das redes sociais tem uma linguagem toda característica de se comunicar, já reparou? Eu acho até que isso é um dos “charmes” dessa verdadeira mania na internet. As abreviaturas, os códigos e as gírias são até aceitáveis, claro, mas os erros de português, especialmente de celebridades, estão dando o que falar. O site Uol levantou alguns casos, como o de Neymar, Luciana Gimenez e até o “colega” William Bonner.

Mira-te!

Falando em frente à Disney, o presidente dos Estados Unidos, Barak Obama, anunciou facilidades para a emissão de vistos a turistas, como os brasileiros. Não é porque é um cara bacana, mas porque o turismo deixou só no ano passado U$ 144 bilhões por lá. Seria legal se a França fizesse o mesmo na Guiana Francesa e poderia virar um destino consorciado com Macapá.

Reforço

O Ministério Público Estadual conseguiu recursos no Orçamento Geral da União para este ano, através de emendas dos parlamentares do Amapá. O trabalho foi resultado de articulação institucional liderada pela procuradora geral de Justiça, Ivana Cei, que sensibilizou Bala Rocha(PDT), Dalva Figueiredo(PT) e Evandro Milhomen (PCdoB) a alocar o dim-dim.

Especulações

O publicitário paraense Sérgio Santos virou nome forte para ser efetivado novo secretário da Comunicação do governo do Amapá. Homem de perfil mais técnico do que propriamente político, fez as duas campanhas de Camilo, para a Prefeitura e GEA. Mas o jornalista amapaense Eduardo Neves também estaria no páreo, jovem e da confiança do governador. Quem será?

O decano

O senador José Sarney (PMDB-AP) recarrega as baterias em Goiás, antes de reassumir as rédeas do Congresso Nacional. E mesmo à distância, está influenciando decisivamente a política tucuju. O anúncio feito por ele de que não pretende disputar nova reeleição agita os bastidores locais, afinal será o único cargo do Senado em disputa no Amapá. Será que desiste mesmo?.

Coluna Argumentos, quinta, 19.01.12



Ôrra meu!

Nessa viagem ao Sudeste, o colunista deparou-se com um drama bem paulistano, na quarta-feira, as enxurradas. Situação contrastante ver aquela metrópole internacional desolada e impotente. Mas o lugar é tão vocacionado para empreender que já existem lá várias oficinas especializadas em recuperar veículos atingidos por enchentes.

Sem banda

Mas também deu para rir emSampa. Numa Lan House, um francês de meia idade falava ao celular supostamente com um patrício seu, lá no Velho Continente. Pelo que deu para entender sobre dizia, ele reclamava da qualidade da internetnoBrasil, com certa ironia. E olhaque isso era em São Paulo, imagina se ele estivesse em nossa Macapá...

Maneiro!

Já no Rio de Janeiro, onde cheguei ontem, a boa novidade, aliás,uma nova realidade é o açaí. Presente em todos os quiosques da orla, além de lanchonetes da moda e nas academias de malhação, o fruto virou mais que uma bebida energética. É moda, tendência, status da geração saúde, alimentos organicos, sabe? Chique ele.

ALÔ INTERIOR - As observações feitas na entrevista de domingo ao Diário do Amapá pelo especialista no mercado financeiro internacional, Carlos de Colon, podem ser comprovadas nesta imagem. Ele disse que a cultura do açaí está propocionando o surgimento de uma nova classe média entre os ribeirinhos, como fornecedores de matéria-prima para as fábricas de polpa do açaí ou do palmito desse fruto, que abunda em nossa região.



Cultura na Web

Estão abertas as inscrições para a primeira turma de 2012 do Curso à distância de Jornalismo Cultural, uma iniciativa do jornalista Fabio Gomes, editor dos blogs Jornalismo Cultural e Noel Rosa Sempre. O curso, por ser desenvolvido especialmente para a internet, permite que jornalistas, estudantes de Jornalismo e outras pessoas possam se aprofundar sobre este ramo.

Mais rigor

A Liga das Escolas de Samba do Amapá, a Liesa, distribuiu comunicado sobre as regras para o credenciamento de imprensa para o desfile no Sambódromo. De maneira geral a velha preocupação em limitar o acesso de jornalistas à pista, o que é bem natural. O que está dando o que falar é o rigor com os autônomos, que a nota da Liesa chama de “mídias sociais”.

Inclusão

Depois de ser o patrono da primeira turma da Universidade da Maturidade, o deputado Bala Rocha (PDT-AP) agora anuncia que estão abertas as inscrições para os vestibulares da Umap e a Unimulher, cursos de extensão da Unifap. A prova da Umap será 13 do próximo mês e e pra Unimulher, no dia 14. São 100 vagas para cada curso e a inscrição é gratuita. Lá vem foto oficial.

Aperto

Uma recomendação do Ministério Público Federal no Amapá(PMF) à Secretaria de Saúde do Amapá (SESA) pode por fim ao problema da falta de exames de colostomia. O documento, assinado pelo procurador George Lodder tem base em representação, segundo a qual há mais de seis meses o hospital não realiza exames devido à falta de equipamento.

"A sombra", artigo do Bispo de Macapá

Dom Pedro José Conti
Bispo de Macapá





Muito tempo atrás viveu um homem que parecia verdadeiramente capaz de amar e perdoar a todos aqueles que encontrava. Por isso, Deus enviou um anjo para falar com ele.

– Deus me pediu para visitar-te e para dizer-te que quer premiar a tua bondade – disse o anjo – quer te dar um presente. Queres o dom da cura?

- Com certeza, não – respondeu o homem – Prefiro que seja Deus a escolher quem deve ficar curado.

- Queres ter o dom de reconduzir os pecadores no caminho certo?

- Este é um serviço para anjos. Não quero ser reverenciado por todos ou servir de exemplo permanente.

- Desculpa-me, amigo - insistiu o anjo - mas não posso voltar para o céu sem deixar-te um presente. Ou tu escolhes ou eu tenho que escolher para ti!

O homem refletiu um momento, e depois disse:

- Gostaria de fazer o bem, mas sem que ninguém perceba que fui eu: assim não cometerei o pecado da vaidade.

O anjo abençoou a sombra dele e lhe deu o poder da cura. Dessa maneira, onde o homem fosse os doentes ficariam curados, a terra produziria os seus frutos e as pessoas tristes reencontrariam a felicidade. O homem viajou por muitos países, espalhando milagres em todo lugar, mas sem perceber, porque a sua sombra estava atrás dele. Assim, conseguiu viver e morrer sem conhecer a sua santidade.

Neste domingo, o evangelho nos fala do chamado dos primeiro discípulos a deixar os barcos e as redes de pesca para se tornarem “pescadores de homens”. Quando escuto essa página, sinto-me obrigado a pensar um pouco, também, na minha própria vida. Afinal, eu não deveria ser “pescador de gente”? Será que estou conseguindo? Imediatamente penso em tantos outros padres, sobretudo naqueles que, por sua vez, pescaram-me e me permitiram chegar a esta missão. Com isso, quero dizer que ajudar as pessoas a encontrar e a conhecer Jesus Cristo é um grande bem que podemos fazer. É uma grande caridade, como ensina o papa Bento XVI.

Infelizmente, hoje, poucos pensam assim. Parece que gastar a própria vida para evangelizar seja tempo perdido, quase um jogar fora a própria vida. O padre não pode e nem deve ficar rico, renuncia a ter uma família, não faz nenhuma carreira. Ser bispo não é “carreira”, é mais responsabilidades e preocupações! Muito trabalho, sacrifícios, cobranças o esperam. Satisfações e sucessos não estão garantidos por contrato. A vida do padre parece solitária, tão diferente e, para alguns, esquisita. É sempre legítimo para um jovem ter dúvidas a respeito da própria vocação religiosa ou sacerdotal, mas hoje a sociedade não ajuda muito, para não dizer que desencoraja. Tudo parece tão mutável, incerto, inseguro, que se comprometer com uma vida inteira a serviço do povo de Deus, da evangelização, das comunidades, do povo mais pobre passa, no mínimo, por uma loucura. Com certeza ser padre não é uma “profissão” como as outras, não é para ambiciosos, menos ainda, um atalho para uma vida cômoda e sossegada. Pode ser que alguns pensem que deveria ser assim, no entanto estão equivocados ou trocaram o Evangelho por suas próprias idéias ou projetos pessoais. Os escândalos de quem erra também não ajudam a decidir-se para a vida sacerdotal celibatária. Está difícil arriscar, não adianta esconder.

Jesus, porém, continua passando e continua chamando. Primeiro convida a dar atenção ao Reino de Deus que, diz ele, já está presente, já começou a se realizar. Depois convida a fazer parte deste Reino e a chamar outros para ajudar na missão. É sempre Ele, o Senhor que chama. Por isso, a vocação e a relativa resposta sempre serão um desafio, um caminhar numa direção diferente, um deixar pai, mãe, barco, empregados e muito mais coisas para seguir Jesus.

Com certeza, ainda hoje, bastante jovens querem dar um sentido bonito à própria vida, querem sentir-se úteis lutando do lado certo, para a vitória do bem, da verdade e da justiça. No entanto, duvidam que a vida de um padre, doada a serviço do Reino, onde Deus e o seu amor estejam em primeiro lugar, seja assim. Não querem compactuar com as injustiças e a corrupção, mesmo se, às vezes, estas oferecem uma vida cômoda e de fácil enriquecimento. Faltando comodidade e dinheiro, duvidam que o padre consiga ter uma vida feliz.

A esta altura, não posso e nem quero dizer que a vida de todo padre, incluindo a minha, seja sempre um mar de bem espalhado por aí. Somos humanos, frágeis e pecadores como todos. Mas não tenho dúvida de que a nossa “sombra” faça muito bem. Quando pregamos uma Palavra, que não é nossa, ela produz fruto. Quando administramos sacramentos, que não são nossos, a bondade do Senhor perdoa, alimenta, liberta, conforta e salva. O Senhor precisa de corpos – vidas doadas a serviço do Reino – para que, ao menos as suas sombras, façam milagres. Assim os padres fogem da vaidade, mas podem acertar o caminho da santidade.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Coluna Argumentos, terça, 17.01.12







Checagem

O juiz Marconi Pimenta, que também é apresentador de tv, mergulhou em uma reportagem especial nas enfermarias do Hospital de Emergências e do Hospital Alberto Lima. O objetivo era o setor de traumatologia e o foco acidentes de moto. Acabou descobrindo uma verdadeira "guerra branca" entre equipes médicas e de enfermagem.

Pito

O problema das duas unidades hospitalares visitadas pelo magistrado é falta de estrutura e de pessoal para dar conta de tanta demanda de acidentados. Fica um verdadeiro jogo de empura-empurra, com pacientes sendo literalmente jogados de um lado para outro. Como além de comunicador é juiz, tratou de chamar aos costumes as direções dos hospitais.

Em Sampa

A coluna desembarca em São Paulo hoje, para uma série de reportagens especiais sobre turismo. O resultado das viagens, que incluem ainda as cidades de Rio de Janeiro, Brasília e Belém, você acompanha no Caderno de Turismo deste Diário e também no Blog "conexão-brasilia.blogspot.com". Então é só passar lá e conferir a partir de domingo.

Reinado

Com a saída de Luciana Jardim do posto de Musa do Carnaval, ficou em boas mãos o posto, agora com Nauva Alencar, da Associação Atlética Banco do Brasil (AABB). Eleita no sábado, ela disputou com mais seis candidatas e se destacou por preencher todos os quesitos julgados, beleza plástica, elegância, fantasia e coreografia. Bom reinado a ela.





Pedreira

Com as férias de Camilo Capiberibe (PSB) sobrou para a vice, Dora (PT), as indigestas missões de manifestar-se sobre o Orçamento Anual, que ela vetou, mas que a Assembleia derrubou. E pior, os deputados querem saber como foi possível ela repassar recursos para o carnaval se oficialmente o Estado está sem orçamento em vigor. Batata quente, hein?

Mobilização

Os deputados estaduais continuam em estado de "autoconvocação", segundo ratificou ontem o presidente da AL, Moisés Souza (PSC). Ontem, em jornada dupla, ou seja, pela manhã e à tarde, os parlamentares bateram ponto no Plenário para apreciar vetos do Governo ao PPA e à LOA. Os vetos foram derrubados e agora a previsão é abrir o orçamento deste ano em 48 horas.

No ponto

Keka Cantuária (PDT), que atuou como relator do orçamento de 2012 na votação do ano passado, disse ontem que a Assembleia Legislativa estava certa quando buscou ajuda no Banco Central sobre as projeções de arrecadação ao Amapá. "O governo sonegou informações", acusa o pedetista. Ele disse que o excesso de arrecadação de 2011 foi de meio bilhão.

Baixaria

Os críticos do programa Big Brother Brasil, o BBB, estão soltando ventania pela narinas, por assim dizer, diante do suposto caso de estupro transmitido ao vivo pela tv a cabo. Até o fechamento desta edição, havia expectativa de que a Rede Globo decidisse pela eliminação do participante Daniel, acusado de fazer sexo com uma colega de confinamento que dormia. Se comprovado, vai virar caso de polícia.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

"Encontrei uma classe média na beira do rio"

Um conceituado especialista no mercado financeiro internacional, o paulistano Carlos de Colon, esteve visitando o Amapá durante a semana, a convite de uma fábrica de palmitos de açaí instalada em Santana. Mais do que conhecer o processo industrial, ele percorreu rios e igarapés da região para entender melhor uma verdadeira revo-lução que ocorre em meio às comunidades ribeirinhas a partir da industrialização dos produtos dos açaizais que grassam por aqui, como o fruto e o palmito do açaí, que está ganhando as mais exigentes clientelas de restaurantes nacionais e europeus. Depois de obter todas as informações que precisava, mas antes de retornar a São Paulo, onde reside, Carlos de Colon conversou com o jornalista Cleber Barbosa, com exclusividade para o Diário do Amapá.

CLEBER BARBOSA
DA REDAÇÃO


Diário do Amapá - Esta é sua primeira visita ao Amapá, então seja bem vindo.
Carlos Colón - Muito obrigado pela atenção, fico bem lisonjeado de estar aqui conversando com vocês.

Diário - Como surgiu então a oportunidade do senhor visitar o Estado?
Carlos - Sou muito amigo do doutor Cláudio Guimarães, que é proprietário da fábrica de palmito King Of Palms [em Santana] e conheço-o há muitos anos, já viajamos juntos a muitas outras partes do mundo e recentemente estive com ele em Belém, quando me fez o convite para vir aqui ao Amapá para conhecer alguns aspectos da cultura local.

Diário - Como o que exatamente?
Carlos - A primeira foi visitar algumas comunidades ribeirinhas e devo dizer que fiquei impressionado, de certa maneira meus conceitos de antes foram todos mudados, se provaram errados. Eu pensei que iria chegar em uma comunidade mais carente, mais simples, pois tínhamos a impressão de quem mora na beira dos rios eram comunidades empobrecidas, em dificuldades, mas eu encontrei diria um grupo de pessoas que se pode até se considerar como classe média, empreendedores que conseguiram fazer de seu ambiente um negócio.

Diário - Daí chama-los de empreendedores, é isso?
Carlos - Exatamente, mas me refiro basicamente ao açaí, tanto o fruto como a extração do palmito, de uma maneira que diria até fantástica, onde eles não só fazem de um jeito que se conserva, que se preserva a mata, enfim, tem toda essa parte ecológica e da sustentabilidade, mas ao mesmo tempo consegue gerar uma renda muito boa.

Diário - Daí o senhor ter dito que foi preciso rever conceitos?
Carlos - Sim, eu visitei casas na beira do rio, no meio do mato de uma qualidade que não pensei que iria encontrar, bem pintadas, bem mobiliadas, com televisão moderna, todo mundo com marco com motor, pessoas onde os pais e os avós são realmente muito humildes e alguns casos analfabetos, mas onde os filhos e os netos estão cursando escola, indo para a faculdade, se formando em áreas diversas, engenharia, letras, o que seja, onde as pessoas, os pais de família estão tocando negócios do açaí com um nível de entendimento das coisas bem sofisticado.

Diário - Os chamados empreendedores mesmo, no meio da floresta, não é?
Carlos - Isso, alguns já tem a mentalidade de empresários mesmo, de microempresários. A única coisa que falta é ter acesso a mais ferramentas, mais acesso a capital para que desenvolvam negócios maiores. Eu realmente fiquei muito impressionado com isso.

Diário - Então pelo que o senhor diz, essas pessoas que anteriormente tinham tudo para sair de lá decidem ficar, pois possuem uma qualidade de vida bem razoável e motivos para permanecer lá?
Carlos - Sim, isso ficou muito claro. Eu acho que vindo de São Paulo e conhecendo várias outras cidades grandes particularmente aqui no Brasil onde você vê comunidades que migraram de outras regiões, as pessoas diria simples como mencionei a primeira geração aqui, que foram para as grandes cidades e não conseguiram se adaptar e vivem em condições de vida muito difíceis e em alguns casos miseráveis, aqui por causa do açaí, que dá uma boa situação financeira, a pessoa tema a oportunidade de continuar a morar no lugar que ela quer morar, o lugar de onde ela é, em condições excelentes, boas mesmo, o que faz com que eles não precisem, não sejam forçados a migrar.

Diário - O senhor ouviu relatos desta natureza, corroborando com esse raciocínio?
Carlos
- Sim, eles dizem "não precisamos todos mudar para a cidade porque nosso filho precisa ir para a escola", não, manda o filho para a escola, se necessário para um colégio interno e continuam lá com uma qualidade de vida boa, que lhe provê e que lhe permite fazer coisas em comum. Nós fomos a casa de um ribeirinho onde os filhos vão para um colégio interno [Escola Família] e ficam fora duas semanas, na escola, voltam para casa por alguns dias e depois voltam para a escola. Isso é possível porque existe condição econômica para isso. Isso foi um sinal muito positivo porque com certeza existem outras áreas no Brasil onde a priori seriam situações que existe dificuldades, mas que se você pudesse dar condições para a pessoas se desenvolver em sua própria região, criar seu negócio, você não teria muitos dos problemas sociais que enfrentamos hoje nas cidades grandes.

Diário - São os fundamentos da sustentabilidade e que norteiam, pelo que a gente tem notícia, o processo industrial da fábrica de palmito do seu amigo Cláudio Guimarães?
Carlos
- Sim, sim, eu acho que a King of Palms tem feito um trabalho muito consciente nesses anos todos, pois a empresa foi fundada em 1954 e está aqui no Amapá desde a década de 1970, em trabalhar junto com as comunidades ribeirinhas para que eles tenham os mecanismos de viver bem. O doutor Cláudio trabalhou muito para que eles entendam os conceitos modernos de administração, de responsabilidade na produção, entendam de como medir as coisas e como fazer tudo isso de maneira sustentável para melhorar a produtividade e consequentemente sua renda.

Diário - Isso tudo já é uma realidade, o senhor chegou a fazer essa constatação?
Carlos
- Visitando essas comunidades você vê como eles pensam, eles são muito conscientes de que se manejar bem o açaizal a produção vai melhorar, com isso o açaizeiro vai ser mais saudável e porque a produção é melhor eles vão receber mais dinheiro, enfim, fica aquele círculo virtuoso mesmo.

Diário - E desmistificando talvez essa questão que tanto já se falou no passado, de que a indústria do palmito poderia ameaçar os açaizais, dizimando a floresta nativa?
Carlos
- Pois é, muito pelo contrário. Bem, existiu lá no passado no Sul do Brasil um certo tipo de palmito que foi colhido e que existiu a devastação porque foi feito diria sem nenhuma racionalidade, mas do jeito que ele é feito aqui não. Como o açaizeiro tem várias estirpes, quando você o poda você está simplesmente melhorando a qualidade da planta, pelo contrário, a atividade do caboclo é positiva para a floresta. Isso é uma coisa que para dar crédito ao crédito, não foi uma coisa que o doutor Cláudio [Guimarães] ensinou, mas sim uma coisa que os índios já sabiam e o caboclo já sabia.

Diário - E que está perpetuando.
Carlos
- E que está perpetuando mesmo. Estamos utilizando digamos a inteligência nativa para fazer a coisa certa só que de uma maneira mais sistemática e organizada dando oportunidade para o caboclo vender seu produto achando os mercados fora daqui do Amapá, tanto no Brasil como no exterior para que possa gerar riqueza nisso.

Diário - O senhor tem uma história e uma carreira muito bem construída no mercado financeiro nacional e até internacional, então como é atravessar o País, vir ao Amapá e constatar essa nova realidade proporcionada pelo açaí, que já figurou desde o editorial do The New York Times até em eventos esportivos como o MMA ao lado de outras grandes marcas mundiais?
Carlos
- Acho que está muito claro que existem no Brasil afora oportunidades que podem ser desenvolvidas quando a gente presta atenção no que a terra tem a oferecer naturalmente e trabalhando de uma maneira inteligente você pode trazer benefícios para a economia e para a população local. Eu acho que investindo racionalmente nas coisas com muita ciência e preservar a natureza e trabalhar com ela, o que é um grande tema mundo afora, existe uma grande preocupação em fazer as coisas de maneira natural, com produto orgânico e já acho que o Brasil tem muitas oportunidades e eu espero que açaí seja apenas mais uma delas e eu fiquei muito impressionado em ver que aqui tem uma coisa tão desenvolvida em com tanto potencial aqui no Amapá.

Diário - O senhor que é casado com uma londrina, que conhece tantos bons restaurantes na Europa, é apreciador de bons vinhos, enfim sabedor dessa nova realidade do mercado mundial, de alimentos sem agrotóxicos, com produção sustentável, diria que o nosso palmito de açaí é também um produto para se apostar?
Carlos
- Ah, com certeza. Existe um mercado crescente lá fora disso e no Brasil também, pois o brasileiro em São Paulo, no Rio de Janeiro e em outros lugares está cada vez mais ciente de que para a sua saúde pessoal e do meio ambiente a gente precisa ser consciente de como as coisas são produzidas, de onde as coisas vêm, então eu acho que não tem como errar nesse mercado.

Diário - Para fechar doutor Carlos, o que ficou também sob o aspecto das relações humanas nesse contato com o ribeirinho, com o Amapá no aspecto mais cultural?
Carlos
- A viagem tem sido muito interessante não só no aspecto econômico barra social, mas a minha formação é em História e fiquei muito impressionado com o forte que vocês têm aqui em Macapá, uma obra arquitetônica maravilhosa, muito bonita e muito bem conservada. Eu acho que pode ser um ponto para você desenvolver o turismo aqui, existem pessoas no mundo inteiro que adorariam vir visitar uma obra dessa. Fiquei sabendo também que existem outras fortificações por aqui. Estive com o Iphan ontem e soube que estão desenvolvendo projetos de escavar ostros fortes da região e eu encorajo a que a população apóie isso.

Perfil

Carlos Camargo de Colon nasceu em São Paulo, tem 43 anos de idade e é casado com uma inglesa. Possui formação acadêmica como Bacharel em História, pela renomada Universidade Columbia, de Nova Iorque, mas acabou especializando-se em mercado financeiro, tendo atuado por muitos anos no poderoso Morgan Stanley Banks, o que lhe levou a trabalhar em Londres, Nova Iorque e São Paulo. Hoje atua como consultor financeiro e também decidiu investir na abertura de uma editora de livros na capital paulista, a Editora Corvara. Durante a semana visitou Macapá, Santana, Mazagão e redondezas de Afuá (PA) a convite da direção da fábrica King of Palms, localizada no Igarapé da Fortaleza, em Santana.

Coluna Argumentos, domingo, 16.01.12






Polivalente

Otacílio Barbosa demorou um tempão para deixar de ser chamado de “Prefeito da Expofeira”, afinal ficou um tempão na função. Já na Prefeitura de Macapá ele virou uma espécie de curinga na administração Roberto Góes, tanto que já passou pela área econômica, gabinete civil e, desde a sexta-feira, responde também pela Secretaria de Saúde.

“Benvenuto”

Uma missão do Parlamento Intaliano está trazendo a Macapá no próximo dia 20 simplesmente seis dos maiores investidores da Itália. Formalização do convite foi feita sob canetada do senador Randolfe Rodrigues (PSOL) mas que tem o assessoramento técnico do empresário Caetano Pinto, que atua no mercado do comércio exterior por aqui.

Mediação

Depois de muito baterem em portas palacianas, em BSB, moradores do bairro Alvorada, em Macapá, agora planejam ir à Justiça para ver reconhecido aquilo que já existe na prática, ou seja, um bairro consolidado. Afirmação foi feita pelo vereador Aldrim Torrinha (PDT), que também é morador daquela parte da cidade. Área “H”.

Malhação

O projeto Orla Viva, da Prefeitura de Macapá acabou afastando-se do nosso rio-mar, mas chegou a bairros da zona norte, provocando uma verdadeira revolução no cotidiano das pessoas, aliás, de famílias inteiras, conforme revela esta foto, feita ainda na noite de sexta-feira, no Jardim Felicidade. Povão quer diversão e arte, também.

Causa própria

Evandro Milhomen (PCdoB-AP) afia o discurso para ser empossado novo coordenador da Bancada Federal, que vai acontecer no dia 1º de fevereiro. Quer otimizar os esforços para que possa “carrear os recursos federais que o Amapá tanto precisa para se desenvolver”. Elegeu como uma das prioridades a cidade de Macapá, seu domicílio eleitoral, claro.

Podia ser aqui

Deputado Eider Pena (PSD) voltou impressionado com a força do turismo na pequena Jurerê (SC), onde esteve na companhia da esposa Edna. Ele disse que em uma única avenida, a visão de iates e carros de luxo representava o orçamento anual do Amapá inteiro. “E olha que a cidade não é uma metrópole, apenas vocacionada e organizada para o turismo”, diz.

Cartão de visita

Dito à coluna pela nova gestora do Turismo em Macapá, Luzia Grunho, que vai aproveitar toda a mobilização observada durante sua posse para reunir todo esse “PIB de idéias” formado por gente como ela que sonha ver o incremento do turismo por aqui. Ela esteve no rádio ontem, no Conexão Brasília, ocasião em que falou das propostas que tem a desenvolver. Que tenha boa sorte!

Frustração

A notícia de que um navio transatlântico sofreu um acidente na costa da Itália deixou perplexas muita pessoas que sonham em fazer uma viagem de cruzeiro. As primeiras informações são desencontradas sobre a causa do acidente. A cargo da Costa Cruzeiros, operadora nacional que embarcou dezenas de brasileiros na viagem, não há confirmação da presença de gente do Amapá. De fato, uma triste notícia para o setor.

domingo, 15 de janeiro de 2012

Briga entre médicos revela farra dos plantões

A rixa entre dois médicos e o farto contracheque de um deles formaram o estopim para estourar, ontem (13), a primeira denúncia oficial de irregularidades nos plantões do Hospital de Emergências (HE) de Macapá. O caso foi registrado na 6ª Delegacia de Polícia Civil, no bairro do Trem. Segundo o denunciante, o clínico geral Carlos Augusto Oliveira, a coordenadora clínica da unidade, Marilena do Socorro de Araújo Valle, recebe, há um ano, o valor de dois plantões por cada um trabalhado. Os generosos vencimentos da médica chegaram a somar, em um único mês, um salário superior ao do governador do Estado. Em novembro, enquanto ela abocanhou R$ 37.667,56, o chefe do Executivo recebeu R$ 24.117,62.
A situação no HE virou caso de polícia depois que Oliveira começou a se sentir perseguido pela colega de profissão. Ele não quis ser fotografado, mas falou com exclusividade a Gazeta sobre o caso. Oliveira revelou que já havia denunciado, em junho do ano passado, as supostas irregularidades à direção do HE. Na ocasião, a chefia da unidade se prontificou a averiguar, mas nada fez, e a médica continuou a engordar seus contracheques.
Oliveira diz ainda ter documentos que comprovam que a “Dra Marilena” – como é conhecida no hospital – recebeu dobrado por cada plantão por todo o ano de 2011. As desconfianças dele começaram quando o padrão de vida da colega começou a decolar. “Quando ela (Marilena) chegou aqui (no HE) o seu poder aquisitivo era igual a sua posição econômica. Mas, de uma hora para outra, tudo mudou. Passou de carro popular para importado, e de porte elevado. Foi aí que busquei informações que explicassem tal mudança,” disse Oliveira.
Ele então passou a acessar o Portal da Transparência do governo do Estado e comparou os dados expostos no site com as planilhas de plantões do HE. Foi quando constatou que os salários altíssimos da coordenadora clínica não condiziam com os serviços tirados. “Em janeiro de 2011, ela recebeu R$ 27.392,82. A partir de então fui observando os meses seguintes e os valores foram aumentando”. Marilena do Socorro tirava por mês 15 plantões, mas recebia por dois ao mesmo tempo. “Agora de que forma ela fazia isso? Ela tirava dois plantões em um único dia. Para fazer isso, no dia em que ela iria tirar um plantão, trocava com outro médico para coincidir com outro plantão dela. O certo seria cumprir os plantões um seguido do outro, ou seja, dia após dia, o que no total somaria 30 dias. Mas a médica lesava a Secretaria do Estado de Saúde fazendo em 15 dias, dois plantões, quando, na realidade sabemos que a mesma só teria tempo para cumprir um serviço. Porém, ficava registrado que cumpria dois,” explicou o denunciante.

Denúncia partiu de rixa entre médicos
Algumas vezes, Oliveira se atrasou para o serviço no HE. Segundo ele, o motivo era a doença de sua esposa, que sofre de insuficiência renal crônica. Mesmo sendo justificados os atrasos, foi advertido de forma “incompreensiva” por Marilena – o que ele entende como uma forma de perseguição. “Minha esposa tem crises fortes e não dá para prever quando vai acontecer. Marilena não entendeu a minha situação e começou a reduzir os meus plantões e criar atritos indevidos no local de trabalho”, conta o médico.

Cartaz sobre irregularidades e retaliação da direção
Para chamar a atenção das autoridades, o médico criou um cartaz – o que acabou lhe rendendo retaliação da direção da HE. “Espalhei o cartaz em todas as unidades de saúde, para que todos tomassem conhecimento daquela situação. Em meados de dezembro fui acuado pela direção do Hospital. A diretora (Edna Oliveira), inadvertidamente me chamou e disse que eu estava sendo devolvido para a Sesa. Agora estou na ‘geladeira’ sem poder exercer a profissão”, revela ele.
Após ter publicado os cartazes, denunciando o que ele chama de “Máfia no HE”, segundo Oliveira, a médica Dra. Marilena do Socorro, alegando estar sendo vítima de calúnia e difamação, registrou várias ocorrências policiais contra ele.

Advogada recomenda silêncio da acusada
Procurada pela reportagem, Marilena do Socorro disse que está chocada com a situação e que não esperava a atitude do colega. Segundo ela, Oliveira vinha gerando problemas internos no HE. Por telefone, a médica falou que “o principal problema enfrentado com o colega era questão de atraso e o descontentamento dos pacientes com o atendimento feito por ele”. Mesmo tendo feito essa declaração, a médica não apresentou documentação que desse embasamento às suas afirmativas.
A “Dra. Marilena” pediu para conversar sobre a situação pessoalmente com a reportagem. Ela disse que tinha a discriminação do valor recebido em seu contracheque e que apresentaria para provar a origem da soma dos valores. O encontro foi marcado na Secretaria de Saúde do Estado. Quando a reportagem chegou ao local, Marilena estava visivelmente nervosa. Ela falava ao telefone com sua advogada.
Após uma breve reunião da médica com a advogada e a direção do HE, a Assessoria de Comunicação da Sesa disse à reportagem que a “Dra. Marilena” não daria mais entrevista – o que teria sido uma orientação jurídica. Ela também não apresentou os documentos que prometera.
A advogada da médica também não quis falar com a equipe de a Gazeta. Apenas Assessoria de Comunicação justificou que o valor do contracheque de novembro era referente à soma de 13º salário, férias, gratificação e plantões que teriam sido “cumpridos normalmente”.
As publicações do Portal Transparência mostram que o menor vencimento de salário da médica em 2011 foi de R$ 24.912,62.

Providências
O delegado Paulo César Cavalcante, que recebeu a denúncia na 6ª DP, instaurou um inquérito policial. Ele disse que vai encaminhar uma cópia do procedimento ao Ministério Público e ao Núcleo de Combate ao Crime Organizado – criado recentemente pelo governo do Estado. Já a Sesa afirmou que a auditoria do Conselho de Ética Hospitalar já está apurando a denúncia, bem como, o Conselho Regional de Medicina.
E rede estadual pediu socorro à municipal por falta de dinheiro
O ano em que a médica Marilene do Socorro faturou salários altíssimos foi o mesmo marcado pelo caos na rede estadual de Saúde – e o pior termômetro disso foi o HE, com falta de leitos, medicamentos, equipamentos e pessoal. Na semana passada surgiu a revelação de que a direção da unidade pediu, por diversas vezes, medicamentos e outros suprimentos à prefeitura de Macapá.
Desde o ano passado que a rede municipal está suprindo boa parte dos medicamentos e insumos utilizados pelo HE e Maternidade Mãe Luzia, ambos administrados pelo governo estadual. Os pedidos de urgência incluíram desde produtos básicos – como álcool etílico, agulhas descartáveis, diclofenaco sódico e dipirona – até remédios controlados como o Tramadol (usado em pacientes com traumatologia grave).
O documento mais recente é de 4 de janeiro de 2012. No memorando interno 01/12, a diretora do HE, Edna Oliveira, solicita milhares de unidades de 217 medicamentos e materiais correlatos. A lista inclui desde produtos básicos como agulhas e seringas descartáveis, ataduras e algodão; filmes radiológicos e antibióticos; e até remédios controlados como o Tromodol (usado em pacientes com traumatologia grave).
Um pedido escrito à mão pela chefe de Farmácia Hospitalar do HE, Andréa Karla dos Santos Lacerda, evidencia o nível de carência a que chegou o Hospital de Emergência, no ano passado. Datado em 13 de abril de 2011, o bilhete encaminhado à Secretaria Municipal de Saúde de Macapá solicita “em caráter de empréstimo” 150 litros de álcool. Entretanto, conforme aponta a denuncia do médico que está na geladeira da Sesa, a falta de dinheiro da rede estadual em 2011 era somente para atender à população, os contracheques recheados da coordenadora clínica do HE, através do Portal da Transparência, provam isso.

Jornal A Gazeta.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Ex-senador Gilvam Borges é preso por obra do Governo Paralelo

                             Foto: Reprodução da web
 
A chegada de Gilvam ao Cioosp: confusão nos meios políticos
O ex-senador Gilvam Borges (PMDB-AP) foi detido agora a tarde por policiais do Batalhão Ambiental. Ele foi levado em uma viatura da PM para o Ciosp do Pacoval, por descumprir exigências da lei ambiental, segundo nota divulgada pela assessoria de imprensa do governador Camilo Capiberibe (PSB). Gilvam se intitula o líder das oposições no Amapá e nos últimos dias iniciou uma estratégia de contraponto ao atual Governo do Estado, com um comitê denominado Governo Paralelo. Hoje ele fazia a instalação de meio-fio na rodovia Macapá-Santana quando foi detido por agentes ambientais do "governo oficial".
Está formada a primeira grande confusão política do ano no Amapá. Se a estratégia da família Borges era criar um factpóide, como sustentam os governistas, acabou conseguindo mais que isso. O tal Governo Paralelo está garantindo generosas aparições na mídia para Gilvam, mas também permitindo que a sociedade tivesse a possibilidade de fazer a avaliação sobre a capacidade de respostas da atual gestão estadual, comandada pelo PSB.
Em frente ao Ciosp neste momento, inúmeros jornalistas, populares e, mais recentemente, políticos de várias correntes partidárias. Até cartazes foram vistos, com inscrições do tipo "deixem o homem trabalhar". Nas redes sociais, opiniões divididas, com direito animadores de todas os segmentos, inclusive com postagens de órgãos oficiais do Governo Oficial. Enquanto isso a mídia nacional é acionada para que registre mais um lamentável episódio da política local, enxovalhada sempre que os interesses palacianos são contrariados.

Da redação.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Assistir ao BBB: eis a questão

Vai começar uma das maiores controvérsias da história recente da televisão brasileira, o Big Brother Brasil, ou simplesmente o BBB, para os mais íntimos. Deve seu uma das maiores receitas da grade de programação da emissora carioca, afinal está há exatos 12 anos no ar, por quatro meses no ano e garantindo férias dos outros 8 meses ao apresentador Pedro Bial. Aliás, por falar no colega jornalista, ele enfrentou a maior saia justa durante um encontro no ar com o ex-manda-chuva da Globo, o Boni – curiosamente pai do diretor do BBB, Boninho. Foi durante gravação do programa Altas Horas, da própria vênus platinada. Bial dizia que gosta de assistir também aos piores programas da tv brasileira. “Aprendo muito com isso”, disse ele, com ar de desdém. Ao que José Bonifácio Sobrinho saiu com essa pérola no vídeo abaixo, deixando o Pedrão com uma risada amarelérrima...

Dizer o que numa hora dessas, né?
Faça você o juízo de valor, afinal a tv é aberta para cada um assistir ao que quiser. Boa sorte Bial.


Camarada


Dito ontem pelo deputado federal Evandro Milhomen (PCdoB-AP), que sua pré-candidatura à Prefeitura de Macapá não inviabiliza a permanência de quadros do seu partido na gestão de Roberto Góes (PDT). “Mesmo porque é uma participação muito pequena”, disse o parlamentar, que no dia 1º de fevereiro assume também a coordenação da Bancada.


A ver


Uma boa discussão ontem na redação do Diário traçava as possibilidades políticas devido às regras da eleição. A vice-governadora Dora Nascimento (PT) se fosse eleita prefeita de Macapá, como quer o seu partido, quem assumiria o governo nas ausências de Camilo? Seria o presidente da AL, desde que não entre na dsputa pela sucessão no Setentrião.


Qualificar


A deputada federal Fátima Pelaes (PMDB-AP) foi ao encontro de pesquisadores da Embrapa-AP debater a aplicação dos recursos destinados por ela através de emendas parlamentares. O projeto Escolas Famílias, é um dos maiores beneficiados, pois os filhos de agricultores têm a oportunidade de receber formação na área.



Na estrada

A dupla de pilotos do Jeep Clube do Amapá, José Maria Esteves e Manoel Mandi (foto) embarca nesta segunda-feira para o Nordeste do Brasil, para competir no tradicional Rally Cerapió, que este ano vai do Ceará para o Piauí e que no próximo ano vai do Piauí ao Ceará (Piocerá). Eles irão competir em veículos da marca Troller, aliás, o preferido entre os competidores brasileiros e que fez muito sucesso no recente Rally das Savanas.




Boa hora


Caiu como uma luva a promoção de uma companhia aérea brasileira em presentear os passageiros que embarcarem para Macapá na semana de aniversário da capital do Amapá, entre os dias 4 e 10 de fevereiro. A promoção vale para quem comprar passagens até o dia 26 deste mês, partindo de Belém, Fortaleza, Brasília, São Luiz, Manaus, São Paulo, Rio, Goiânia e Recife.


Receita boa


A empresa Master Marine entregou no Rio de Janeiro o mais luxuoso iate vendido no norte do Brasil no ano de 2011, com preço de R$ 16 milhões, com todos os impostos recolhidos para o Estado do Amapá, através do Corredor de Importação. O barco, um Ferreti de 88 pés e 5 suítes, pertence a um médico que tem hospital no Dubai. Metade do negócios em impostos.


Profissionalismo


O novo presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagem no Amapá (Abav-AP), empresário Elenilton Marques, disse ontem que a comercialização do Carnaval 2012 será profissionalizada, como manda o figurino. Caberá às agências de viagem a venda de camarotes e ingressos da festa maior da cultura local, com o desfile das Escolas de Samba. Um bom começo da folia.


A favor


O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) disse ontem que vai relatar favoravelmente a que o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) continue tendo poderes de fiscalização sobre o aparelho da Justiça. Ele é o relator do Projeto de Emenda Constitucional de autoria do senador Demóstenes Torres (DEM), que vem da carreira jurídica, como procurador de Justiça em Goiás.

"Com menos recursos fizemos mais"

 O presidente da AL celebra os bons resultados
O presidente da Assembleia Legislativa do Amapá (AL), deputado Moisés Souza (PSC), decidiu falar mais sobre o balanço das atividades no Parlamento, especialmente por estar concluindo seu primeiro ano de gestão à frente da chamada Casa de Leis. Diplomático, faz questão de saudar os demais Poderes Constituídos, divide com os pares os louros das vitórias e também esclarece o que é o estado de "autoconvocação" da Assembleia, que não para suas atividades quando deveria estar no recesso parlamentar. Como liderança maior do PSC, Moisés também diz como estão as costuras visando as eleições municipais deste ano, admitindo que como dirigente maior da AL vê com bons olhos as pré-candidaturas de deputados estaduais rumo às prefeituras, como a de Macapá e Santana.


Por Cleber Barbosa, da Redação


Diário do Amapá - Presidente Moisés, tudo bem com o se-nhor, feliz Ano-Novo?
Moisés Souza - Obrigado, tudo bem sim, é um grande pra-zer falar com vocês, pois a gente tem sempre que sentar para avaliar, ver aquilo que ocorreu, trabalhar aquilo que está ocorrendo e projetar aquilo que virá.
Diário - O ano de 2011 que terminou foi também o da sua estréia como presidente da Assembleia Legislativa, quando também muita gente que conhecia o seu lado de político se surpreendeu positivamente ao conhecê-lo como administrador. Foi um ano para se emoldurar mesmo?
Moisés - Verdade, a gente agradece a Deus porque nos abençoou com muitos companheiros que vieram para nos ajudar também. Uma grande equipe trabalha para fazer um grande trabalho também. Eu tive a oportunidade de receber na equipe figuras renomadas que há muito tempo sempre produziram muito para o Estado do Amapá e que hoje compõem essa equipe que está na administração da Assembleia Legislativa, junto com essa Legislatura maravilhosa e uma Mesa [Diretora] que tem dado todo o apoio necessário para fazer as diversas mudanças na Casa.
Diário - Mudanças há muito aguardadas, o senhor diria?
Moisés - Mudanças necessárias para que a Assembleia pudesse avançar na forma que está avançando.
Diário - Num dos eventos recentes na Assembleia chamou a atenção um depoimento do deputado Jaci Amanajás, que concorreu com o senhor pela Presidência, mas que num gesto de humildade se disse muito satisfeito com os resultados de sua gestão. O que isso representa para o senhor?
Moisés - É verdade, o deputado Jaci Amanajás é um grande parceiro, um grande amigo, um médico que tem humildade e que tem colaborado muito conosco com seus conselhos, com sua voz sempre presente no momento que a gente precisa. Posso dizer com toda certeza que é um homem maduro, alguém que sabe fazer das diferenças convergências para que a gente possa avançar e nesse sentido temos muitos outros deputados que assim o fazem.
Diário - Fala-se em uma unidade em torno do senhor...
Moisés - Temos um bom ambiente, é verdade. Temos a experiência do deputado Manoel Brasil, o deputado Zezé, o de-putado Valdeco, o deputado Michel JK, outro grande parceiro e inclusive alguém que pleiteia a Prefeitura de Macapá, temos o deputado Kaká, o deputado Edinho, o deputado Charles Marques, a deputada Mira Rocha, a deputada Roseli, enfim, são vinte e quatro deputados com o mesmo intuito, a deputada Cristina Almeida, o deputado Balieiro, então a gente tem tido a oportunidade dentro da Assembleia de conviver de perto com todos os deputados e ter um relacionamento muito positivo com todos eles.
Diário - O senhor costuma dizer que são vinte e quatro presidentes, como é isso?
Moisés - Todos são responsáveis por essa administração que estamos fazendo, então se há méritos, devo compartilhar com todos os vinte e quatro deputados.
Diário - Mas o senhor é o grande coordenador disso tudo, a liderança maior e neste ano de 2012 que será de eleições muni-cipais tem vários colegas seus de Parlamento que gostariam de estar debaixo de sua asa, por assim dizer, com relação a seu apoio. Como administrar isso?
Moisés - Olha, nós temos o deputado Michel, a deputada Cristina, deputado Eider Pena e o deputado Edinho Duarte, pelo menos quatro pré-candidatos dentro da Assembleia para a disputa pela Prefeitura de Macapá, todos grandes candidatos. Qualquer um deles que venha a ser tem a oportunidade de sentarmos e discutirmos porque a Assembleia é exatamente uma casa do debate, do diálogo, então qualquer um deles nós estaremos prontos para apoiar afinal, quem sabe, acontecendo a convergência dentro da Assembleia, ela irá apoiar um desses quatro nomes.
Diário - Em sendo um bom momento da Assembleia é um bom momento para o senhor e, claro, para o seu partido o PSC. Qual vai ser a postura do PSC para pegar carona nessa visibilidade todo que o seu mandato empresta ao partido e aumentar sua representatividade no Estado?
Moisés - O PSC tem pré-candidaturas em diversos lugares, em vários municípios do interior do Estado, então a gente vai traba-lhar essas candidaturas sim. Já em Macapá tem uma vocação muito grande de buscar um número maior de vereadores, já temos o vereador Anab Monteiro e o vereador Carlos Murilo. Vamos em frente, pois temos um quadro maravilhoso que quer aumentar o número em Macapá. Em Santana ficamos sem vereador nessa legislatura, mas a minha expectativa é de que tenhamos pelo menos três a quatro vereadores tranquilamente lá.
Diário - E o seu papel presidente, como vai se dar nas eleições municipais para o PSC?
Moisés - O meu papel é trabalhar pelo partido para que ele possa se desenvolver, para que ele possa crescer, trazendo propostas positivas para cada um dos municípios fazendo com que possam fazer do nosso Amapá um Estado mais forte.
Diário - O ano fechou também marcado pela visita do pre-sidente do Congresso Nacional, o senador José Sarney à Assembleia Legislativa. Além de ser marcada pela assinatura concretizando a parceria do Senado com a Assembleia para o funcionamento da TV Legislativa aquela visita teve que outros aspectos?
Moisés - A TV vai sair. Essa é uma realidade, convênio assinado, tudo pronto. Nos envaidece muito para a Mesa, para essa Legislatura as homenagens prestadas pelo Presidente Sarney quando falou da transformação da Assembleia, pois teve a oportunidade de visitar nossas novas instalações, indo ao Plenário acompanhar como se procede o voto eletrônico que o deixou realmente encantado, pois é um dos mais modernos sistemas de votação eletrônica do País.
Diário - E que já poderá ser exportado para fora da Assembleia, é isso mesmo?
Moisés - Exatamente, poderá já ser levado para a Câmara Municipal de Macapá e também para o próprio Senado Federal, assim como para o nosso vizinho Estado do Pará, onde a votação ainda é manual. A gente fica extremamente satisfeito e envaidecido porque Deus permitiu com que nós pudéssemos avançar bastante. Com menos recursos fizemos mais.
Diário - O senhor declarou essa semana que a Assembleia Legislativa não entrou em recesso, mas que permanece em estado de autoconvocação. O que isso significa, presidente?
Moisés - Bem, nós temos férias em julho e recesso em dezembro. Esse recesso significa que nós teremos apenas expediente interno, sem as sessões e outras atividades normais, pois os deputados podem viajar, sair do Estado. Com o regime de autoconvocação em qualquer necessidade que tenha o Governo [do Estado] ou o povo do Estado do Amapá, nós estaremos prontos a responder, com os deputados sendo chamados e sem que necessite pagar nada a mais por isso, eles possam estar prestando serviço ao Estado, pois não foi decretado o recesso.
Diário - Uma decisão que partiu do presidente da Casa?
Moisés - Em comum acordo. Nós tomamos essa medida exatamente para que a Assembleia não pare de trabalhar. Está tão bom o trabalho, nós estamos produzindo tanto, que queremos continuar produzindo...
Diário - Obrigado pela entrevista presidente.
Moisés - Eu não dei muitas entrevistas nesse período então neste primeiro final de semana do ano quero deixar a todas as autoridades, ao nosso governador Camilo Capiberibe, à vice-governadora Dora Nascimento, ao presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Mário Gurtyev, a procuradora-geral do Ministério Público, doutora Ivana Cei, ao presidente do Tribunal de Contas, conselheiro Regildo Salomão, a todos os membros desses Poderes, ao nossos deputados estaduais, a toda a nossa equipe de trabalho e a todo o povo amapaense, ao prefeito Roberto Góes, quero deixar um grande abraço e que esse ano seja profícuo, de muita produção, um ano em que a gente possa ver o nosso Amapá deslanchando, crescendo, se desenvolvendo, com muita paz, muita harmonia, enfim, que a gente possa ver o Amapá que a gente quer, o Amapá dos nossos sonhos sendo construído por todos esses trabalhadores. E sendo um ano de eleições, que todos possam ter respeito, uns para com os outros.


Perfil do Entrevistado


O atual presidente da Assembleia Legislativa do Amapá, Moisés Reategui de Souza, tem 42 anos de idade, é casado e pai de dois filhos. É filiado ao PSC (Partido Social Cristão) e está em seu segundo mandato parlamentar. Foi considerado o mais atuante parlamentar já em sua primeira legislatura (2006-2010), tanto que o credenciou a disputar a Prefeitura de Macapá em 2008. Depois disse voltou revigorado para a Assembleia Legislativa, tanto que buscou e alcançou a reeleição como deputado estadual nas eleições de 2010 e entrou na disputa pela Presidência da Assembleia, sendo o vencedor de uma acirrada disputa com seu colega Jaci Amanajás. Tem conseguido impri-mir um ritmo pessoal em sua gestão, focada em melhorias estruturais e funcionalidade do Legislativo, seja com investimentos nos quadros, como também na informatização do processo legislativo.

PUBLICIDADE