Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura, política e empreendedorismo.


quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Vereador defende segurança nas férias escolares




O fim do ano letivo chegou em algumas escolas, e à hora é de aproveitar as férias! A criançada já começou a ficar agitada e ansiosa para as programações de final de ano. Em Macapá, várias são as opções para manter a molecada no ritmo agitado. Nas férias vale tudo, andar de bicicleta, patinar, jogar bola e tomar banha de piscina.
Entre as opções de lazer a preferida entre as crianças é o banho de piscina. Além de refrescar, eles aproveitam para se divertir. Mas é nesse momento que os pais devem se preocupar com a segurança dos filhos. É necessário tomar alguns cuidados como: usar protetor solar e acessórios como boné e óculos de sol; nunca deixar uma criança na piscina desacompanhada; e preferir balneários ou clubes sociais que tenham a presença de um guarda vidas.
E para garantir a segurança da garotada durante o banho de piscina, a Câmara de Vereadores de Macapá, aprovou na última terça-feira (06) o projeto de Lei do Vereador Marcelo Dias que obriga a presença de guarda vidas qualificado nas piscinas e clubes sociais do município. Segundo o Vereador, a medida é uma forma de buscar melhorias para a execução das atividades dos Bombeiros Civis que atuarão na cidade. “É importante que na hora do nosso lazer tenhamos a certeza que profissionais qualificados, como os Bombeiros civis, estejam cuidando da segurança dos nossos filhos”, disse o Vereador.
De acordo com a Lei nº 1.506 para o exercício da função de guarda vidas a pessoa deverá ser maior de dezoito anos, possuir formação de bombeiro civil, ter condicionamento físico e comprovar equilíbrio psicológico. Além disso, fica sob responsabilidade do clube social ou balneário a presença de três guarda vidas para cada 300 metros quadrados e um local adequado para o atendimento pré-hospitalar.
Caso a lei seja descumprida o clube ou balneário poderá ter sua piscina interditada e pagar de um a dez salários mínimos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua conosco!

PUBLICIDADE